apostila_completa_Silvia
272 pág.

apostila_completa_Silvia


DisciplinaParasitologia Veterinária1.859 materiais35.729 seguidores
Pré-visualização50 páginas
nódulos subcutâneos em várias 
partes do corpo humano; nesses nódulos a 
filária se reproduz originando as microfilárias 
que migram para a periferia do corpo onde o 
mosquito as ingere ao sugar sangue. Quando o 
mosquito vai sugar outra pessoa inocula as 
microfilárias que migram pelo corpo e muitas 
vezes se instalam no globo ocular causando 
cegueira. 
 
CONTROLE: 
Povoar lagos com peixes que se alimentam 
deles e controle biológico por Bacillus 
thuringiensis. Evitar a poluição dos rios que 
termina como os peixes. 
101
______________________________________________________________________________________________ 
_____________________________________________________________________________________________ 
Livro didático de Parasitologia Veterinária da Universidade Federal de Santa Maria 
Profa Silvia Gonzalez Monteiro 
Brachycera Tabanomorpha 
Mutucas 
SUBORDEM BRACHYCERA TABANOMORPHA 
FAMÍLIA TABANIDAE 
 
CARACTERÍSTICAS GERAIS 
- Tamanho de 0,6 a 3 cm. 
- Chamados vulgarmente de mutucas ou 
moscas do cavalo. 
- Dípteros robustos. 
- Aparelho bucal lambedor e sugador (curto e 
grosso). 
- O mecanismo principal para achar os 
hospedeiros é a visão e assim os olhos grandes 
servem bem esta função. 
- O CO2 também atua como uma fonte de odor 
para atrair algumas espécies. 
- Os olhos são coloridos e usados para atrair o 
sexo oposto. A coloração de olho varia entre 
espécie sendo unicoloridos ou horizontalmente 
coloridos em Tabanus, manchados em 
Chrysops, e com faixas em zigue-zague em 
Haematopota. 
- Antenas com três segmentos e o flagelo 
apresenta anelações que são projetadas para 
frente. 
- No momento há mais de 3,000 espécies 
conhecidas de Tabanídeos. 
- Os três gêneros principais de importância são: 
o Chrysops, Tabanus, e Haematopota. 
- Cabeça semi-esférica ou semilunar. 
- Mesonoto desenvolvido (meio do tórax). 
- Olhos holópticos nos machos e dicópticos nas 
fêmeas (separados). Presença ou não de ocelos 
afuncionais. 
- Asa com terceira nervura longitudinal bifurcada 
(R4 +5). Com espinhos na nervura costal da 
asa. 
- Occipício com uma cavidade. 
- Machos desprovidos de mandíbulas e não 
hematófagos. 
- Mandíbulas nas fêmeas para cortar a pele. 
 
CICLO BIOLÓGICO: 
É completo, holometabólico. Ovo- larva- pupa e 
imago (adultos). Em climas quentes o ciclo dura 
em torno de quatro meses. 
Após o repasto, as fêmeas põem lotes de 
centenas de ovos. 
 
Ovos: 
Os ovos dos tabanídeos são alongados com um 
a dois milímetros de comprimento. A oviposição 
ocorre tanto em ambiente aquático como úmido 
(pântanos, troncos podres). 
Os ovos não são postos diretamente na água, 
mas em vegetação pendente, pedras e 
escombros (sobre plantas aquáticas, sobre o 
musgo que recobre as pedras marginais dos 
rios, córregos e lagoas, em troncos de árvores 
cheios de detritos vegetais). Os ovos são de cor 
branca cremosa a cinzentos, são postos em 
PARTE VII 
 Mutucas 
____________________________________________________________________________________ 
Figura 100. Asa de Tabanidae. 
Bifurcação na 
ponta da asa 
102
______________________________________________________________________________________________ 
_____________________________________________________________________________________________ 
Livro didático de Parasitologia Veterinária da Universidade Federal de Santa Maria 
Profa Silvia Gonzalez Monteiro 
Brachycera Tabanomorpha 
Mutucas 
grandes massas que variam de 200-1000 ovos e 
a oviposição varia com gênero do díptero. 
O número de ovos e período de incubação é 
variável (Período de incubação = 10 dias a oito 
meses). 
A eclosão das larvas acontece quatro dias 
depois dos ovos serem postos, embora este 
tempo dependa da temperatura ambiente. 
 
Larvas: 
As larvas ao eclodirem dos ovos, caem na água 
e completam o seu desenvolvimento no lodo do 
fundo d\u2019água (se enterram); são carnívoras 
(Tabanus) alimentando-se de pequenos animais 
ou de larvas de outros insetos, não encontrando 
alimentação suficiente tornam-se canibais. As 
larvas carnívoras (aparelho bucal mastigador) 
na falta de alimento podem atacar animais e 
humanos. Passam por 8 estágios larvares, 
sendo que o desenvolvimento é bem variável, 
em função da espécie, clima e quantidade de 
alimento. 
O local de desenvolvimento para a larva 
depende do gênero e pode ser dividido em 
habitats distintos. 
A divisão é principalmente baseada no conteúdo 
de água do substrato no qual a larva 
desenvolve. 
São achadas larvas de Chrysops em substrato 
com maior conteúdo de água e são assim 
hidrobiontes. 
As larvas de Tabanus são encontradas em 
substratos um pouco mais secos e têm uma 
distribuição mais ampla. Estas larvas são 
chamadas semi-hidrobiontes, 
A fase larval leva freqüentemente vários meses. 
A duração de desenvolvimento varia de dez a 
onze semanas às temperaturas mais altas, para 
42 semanas às mais baixas temperaturas. 
O primeiro instar larval eclode, passa para o 
segundo instar larval que é positivamente 
fototático fazendo com que se mova pela 
superfície do substrato. Este segundo instar não 
se alimenta e em três a seis dias a terceira fase 
de instar é alcançada. O terceiro instar é 
negativamente fototático e escava abaixo do 
substrato. O alimento da larva de Chrysops é 
material orgânico encontrado no substrato, a 
larva de Tabanus é carnívora equipada com 
mandíbulas. As larvas alimentam-se de outras 
larvas de inseto, crustáceos, caracóis e 
nematódeos, sendo também, canibais. A 
conseqüência disto é que estas larvas são 
achadas com baixa densidade populacional no 
substrato. Isto contrasta com as densidades 
larvais de Chrysops no substrato que pode ser 
muito densa. 
 
Pupa 
O período pupal é curto, de alguns dias ou 
semanas. As pupas são parecidas com a 
crisálida (pupário) das borboletas. A pupação se 
dá no mesmo lugar das larvas, porém procuram 
locais menos encharcados. 
Quando passam a pupas, elas migram até 
próximo a superfície do lodo. Figura 101. Aparelho bucal de Tabanidae. 
Aparelho bucal 
Antenas 
103
______________________________________________________________________________________________ 
_____________________________________________________________________________________________ 
Livro didático de Parasitologia Veterinária da Universidade Federal de Santa Maria 
Profa Silvia Gonzalez Monteiro 
Brachycera Tabanomorpha 
Mutucas 
A fase de pupa desenvolve-se em uma a três 
semanas 
 
Nutrição: 
Os machos nutrem-se de néctar de flores. As 
fêmeas também sobrevivem com néctar, porém 
precisam de sangue para a maturação dos ovos. 
As fêmeas localizam sua presa pela visão e 
suas picadas são profundas e dolorosas. As 
fêmeas muitas vezes não conseguem terminar o 
repasto sangüíneo já que o animal ou pessoa se 
sente bastante incomodado e a retira do local 
onde estava sugando. As maxilas e mandíbulas 
são usadas para cortar o couro ou esfolar com 
uma ação do tipo tesoura. O corte resultante é 
fundo e doloroso e flui sangue. O labro ingere o 
sangue exposto. Devido à natureza cortante da 
picada o díptero está freqüentemente sendo 
espantado e ainda querendo alimentar-se. 
Quando espantado o tabanídeo voa a uma 
distância pequena e então retorna. 
A próxima prioridade para o tabanidae 
recentemente emergido é acasalar. Isto 
acontece durante as primeiras horas da manhã. 
Machos e fêmeas entram junto em enxames e 
a copula é iniciada no ar, o ato é terminado no 
solo e leva aproximadamente cinco
Kiara
Kiara fez um comentário
alguem poderia me enviar por email, pfvr?? obrigada kiara-nc@hotmail.com
0 aprovações
Juliana
Juliana fez um comentário
Como faço download?
0 aprovações
Isabella
Isabella fez um comentário
teria como por gentileza me enviar este material por email ?
0 aprovações
Gianini
Gianini fez um comentário
Consegui fazer download e o material é de ótima qualidade
1 aprovações
Carregar mais