1-Conceitos sobre plásticos
31 pág.

1-Conceitos sobre plásticos


DisciplinaPolímeros e Metalurgia do Pó26 materiais215 seguidores
Pré-visualização7 páginas
usado na fabricação de brinquedos, filmes para embalagens, isolantes flexíveis para cabos elétricos e recipientes produzidos por extrusão, injeção ou sopro. 
Em função de sua densidade podem ser classificados em polietileno de baixa (0,91 a 0,925 g/cm3), alta ( 0,945 a 0,96 g/cm3) e média densidade (0,925 a 0,945g/cm3). O primeiro caracteriza-se por moléculas bastante ramificadas, o segundo por longas moléculas lineares e o último por arranjo intermediário. Em qualquer caso são obtidos grau de polimerização (n) da ordem de 500 a 1000. Polietilenos de cadeia curta (da ordem de 200) constituem parafinas duras com utilização em revestimentos, ceras para assoalho, etc.
Figura 11 \u2013 Propriedade dos polietilenos de baixa, média e alta densidade. 
	Nas últimas décadas vem sendo desenvolvidos os chamados polietilenos de ultra alto peso molecular (UHMWPE), que em virtude de sua alta viscosidade à fusão não se adaptam aos processos convencionais de moldagem de termoplásticos (injeção, extrusão, sopro). Eles são moldados por processos de compressão, extrusão por impacto, ou forjamento a quente de tarugos extrudados por impacto. Suas propriedades são substancialmente melhores do que os polietilenos convencionais, podendo ser utilizados em temperaturas de até 93 °C. Graças à sua alta resistência à abrasão, ao impacto e baixo coeficiente de atrito, são empregados em correias transportadoras, mancais, trilhos-guia, entre outras, tendo inclusive deslocado os metais.
Polipropileno (PP)
	É fruto do desenvolvimento da família do polietileno, mas apresenta maior resistência ao calor, menor densidade (0,905 g/cm3) mas mantendo outras propriedades similares. Sua alta cristalinidade lhe confere elevada resistência mecânica, rigidez e dureza que se mantém a temperaturas relativamente altas. Por seu menor preço vem substituindo o polietileno em suas aplicações. É usado na fabricação de brinquedos, calçados, utensílios domésticos, carcaças de baterias, frascos, entre outros. 
Policloreto de vinila (PVC)
	É um dos mais importantes termoplásticos em uso. Na sua forma original apresenta-se duro e rígido mas a introdução de aditivos (plastificante) torna-o bastante flexível, permitindo sua moldagem. A adição de 5% de acetato de vinila (H2C=CH-C2H3O2) fornece um produto flexível para mangueiras, cortinas de banheiro, etc. Apresenta relativa resistência à combustão \u2013 queima sob a chama direta, mas não sustenta a combustão se cessado a chama. 	
Poliestireno (PS)
	Termoplástico que se adapta muito bem às condições de produção em massa pelo fácil processamento. É usado na fabricação de painéis de geladeira e carcaça de aparelhos eletro-eletrônicos. Por não apresentar interfaces cristalinas mostra-se transparente, possibilitando uma ampla gama de cores. Contudo, não se adapta à exposição do tempo, quando trinca e perde a cor, embora se comportem melhor com aditivos protetores.
Polibuteno-1 (PBT)
	Suporta temperaturas de mais de 90 °C em serviço e é indicado, principalmente, em situações onde se exige maior resistência à fadiga e a fluência. É facilmente moldável apesar de seu alto peso molecular. Um emprego típico é em peças plásticas de ferro de passar roupa.
5.6.2 Acrílicos
A rigor constituem-se numa subclasse das poliolefinas, mas por sua importância é tratado individualmente. São relacionados com o ácido acrílico (CH2=CH-COOH) ou com o ácido metacrílico (CH2=CCH3-COOH):
Polimetacrilato de metila (PMMA)
Produto não cristalino, reúne uma combinação extraordinária de propriedades óticas, como estabilidade à luz e brilho, e facilidade de conformação. É usada na forma de placas prensadas para painéis de luminosos e dentaduras, esta última moldada a partir de pós. Pode ser formulado numa variedade de cores transparentes, translúcidas e opacas. Na moldagem por injeção necessita de pressões consideravelmente maiores que o polistereno. Um dos maiores problemas está ligado a formação e propagação de trincas sob tensão, com correspondente perda de resistência e transparência.
Poliacrinolitrilo (PAN)
	Pode ser cristalizado, fornecendo uma fibra sintética extremamente resistente e de elevada estabilidade ao tempo. É usada para a confecção de cordas náuticas e de tecidos, que molhados pela água não penetra nas fibras sendo, por isso, absorventes e de secagem rápida. Também pode ser empregado como plastificante para o PVC.
Acrilonitrilo-Butadieno-Estireno (ABS)
	O acrilonitrilo contribui, ainda, para a composição de uma série de copolímeros de elevado interesse industrial. Os mais destacados são o ABS e o SAN.
	 O ABS é um terpolímero, ou seja, apresenta três meros em sua cadeia, representado pelas suas iniciais, fornecendo uma combinação balanceada de tenacidade, amplitude de faixa de temperatura de serviço, estabilidade dimensional, resistência química, resistência à abrasão e facilidade de fabricação. Seu aspecto é opaco, sedoso e de alto brilho. A proporção de seus três monômeros (acrilonitrila, butadieno e estireno) pode ser variada para se obter diferentes graus de rigidez e resistência ao calor.
	 Seu emprego é comum na fabricação de peças estruturais e onde é necessário boa aparência, como na fabricação de cabinetes de rádios, TV, aparelhos de som, painéis de automóveis, hélices de ventiladores, telefones, etc. 
Estireno-acrilonitrila (SAN) 	
	O copolímero do estireno e do acrilonitrilo apresenta alta resistência mecânica, dureza e estabilidade de forma ao aquecimento, além de alta transparência.
Celulósicos
A celulose é um material fibroso, natural, encontrado principalmente no algodão. Suas moléculas são longas (n ( 5000), semelhantes ás dos termoplásticos sintéticos, entretanto ela não pode ser moldada uma vez que apresentam ligações transversais em suas cadeias moleculares.
Somente após o processo de purificação, onde ocorre decomposição oxidativa e térmica, é obtido a celulose química (n ( 1000) que é a matéria-prima para a produção de ampla gama de resinas, sendo que as mais importantes são: nitrato de celulose; acetato de celulose; e etil-celulose. 
Celulose regenerada 
	Tratando-se a celulose química obtém-se o xantato de celulose cujas moléculas são fracionadas ainda mais, alcançando um grau de polimerização de 350 a 400 e as ligações intermoleculares rompidas. Em seguida um banho de H2SO4 restabelece as ligações, regenerando a celulose.
	Extrudando a celulose regenerada através de uma fenda obtém-se o celofane, amplamente utilizado em embalagens alimentícias. A celulose regenerada, por sua vez, constitui o raion (Rayon), que possivelmente é a fibra sintética mais importante, por sua utilização desde o final do século XIX, quando foi criada.
Nitrato de celulose (CN)
	É o mais antigo dos plásticos, sendo obtido pelo tratamento da celulose pelo ácido nítrico, gerando um material plástico instável de difícil moldagem dada sua alta inflamabilidade. Este material, conhecido como celulóide, adapta-se na moldagem por sopro podendo-se fabricar bolas de pingue-pongue, brinquedos, armações de óculos, pentes, etc.
Acetato de celulose (CA)
	Utiliza a estrutura molecular da celulose sem apresentar, porém, os mesmos problemas de sensibilidade à temperatura e facilidade de combustão. É produzido pelo tratamento da celulose química obtendo-se um grau de polimerização entre 200 e 300. Esse polímero serve para a produção de uma fibra conhecida como acetato.
Fluoroplásticos
Os fluoroplásticos (ou fluorocarbonos) são termoplásticos cujo elemento mais ativo é o flúor, ao invés do carbono. Apresentam propriedades notáveis de: estabilidade química; resistência a altas temperaturas; baixo coeficiente de atrito; e propriedades dielétricas numa ampla faixa de temperatura. Sua baixa resistência mecânica pode ser adequadamente contornada pela adição de cargas de fibra de vidro ou dissulfeto de molibdênio. Dois tipos de fluoroplásticos encontram maior aplicação: 
Politetrafluoretileno (PTFE)
	É obtido pela polimerização do tetrafluoretileno (CF2=CF2), sendo mais conhecido