Calculo Vetorial - FuncDiferenciais
17 pág.

Calculo Vetorial - FuncDiferenciais


DisciplinaCálculo Vetorial e Geometria Analítica3.531 materiais78.207 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Apresentação, Funções
Diferenciáveis
Jose´ de Anchieta Delgado
Apresentac¸a\u2dco, Func¸o\u2dces Diferencia´veis \u2013 p. 1/17
Programa
O curso de Cálculo Diferencial estuda as funções
vetoriais, ou seja F : \u211cn \u2192 \u211cm.
O programa esta divido em quaatro unidades:
Unidade I - Continuidade e derivada de funções
vetorias e sistemas de coordenadas
Unidade II - Campos vetorias.
Unidade III - Integrais de linhas.
Unidade IV - Integrais de superfícies
Apresentac¸a\u2dco, Func¸o\u2dces Diferencia´veis \u2013 p. 2/17
Trabalho
1. O projeto do trabalho deve ser entregue em
13/08/2010;
2. O Tema: Um probema da física matemática cuja
colução intearge com conteúdo do Cálculo
Vetorial;
3. Cada grupo deve ter no máximo cinco membros;
4. Seminário de avaliação: 22/09/2010 a
29/10/2010;
5. Seminário e entrega do trabalho: 17/11/2010 a
24/11/2010;
6. Todas as bibliografias utilizadas proveniente da
internet ou adquiridas através de meio digital
deve o conteúdo se anexado a um CD e entregue
junto com o trabalho. Apresentac¸a\u2dco, Func¸o\u2dces Diferencia´veis \u2013 p. 3/17
Temas do trabalho
O tema do trabalho deve está ligado ao conteúdo do
Cálculo Vetorial.
Ele deve sercaracterizado historicamente, tando do
ponto de vista da história da matemática como da
física.
O trabalho deve identificar, equacionar os problemas
inerentes ao tema e resove-los, bem como aplicá-los
em situação real.
Apresentac¸a\u2dco, Func¸o\u2dces Diferencia´veis \u2013 p. 4/17
Avaliação
Serão realizadas duas provas parciais e um trabalho,
perfazendo três notas.
A média das avalaições parciais será a soma das notas
obtidas nas provas parciais e trabalho devidida por
três.
Quem obtiver média parcial maior ou igual sete estará
aparovado.
Quem tiver média parcial menor do que sete, se
submeterá a uma prova final e será aprovado se a nota
da prova final somada com as média parcial for maior
ou igual a dez.
Apresentac¸a\u2dco, Func¸o\u2dces Diferencia´veis \u2013 p. 5/17
Avaliação
O trabalho será avaliado através de três momentos.
O trabalho terá tre\u2dcs momentos:
o primeiro momento representado pela entrega do projeto de
estudos acadêmicos, de acordo com o modelo apresentado em
classe, a ser entregue em 13/08/2010;
O segundo momento será o seminário de apresentação da
monografia realizado entre os dias 22/09/2010 a 29/09/2010;
O terceiro momento será o seminário de avaliação de monografia
realizado entre os dias 17/11/2010 a 24/11/2010;
O aluno deverá está na sala de aula antes do horário estabelecido.
Haverá, em cada aula, duas chamadas, uma no início e outra no
final.
Apresentac¸a\u2dco, Func¸o\u2dces Diferencia´veis \u2013 p. 6/17
Avaliação
O aluno poderá obter o acréscimo de até meio ponto
em cada prova parcial através dos resumos dos tópicos
de conteúdo discutidos até as datas de avaliação.
Este acréscimo dependerá da correção dos resumos.
Os resumos devem ser entregues, unica e
exclusivamente, na data de cada avaliação parcial.
Ele deverá conter definições e exemplos, as
proposições e os teoremas relativos ao conteúdo
cobrado na avaliação em tela.
O aluno que tiver acima de de noventa por cento de
frequência terá sua média final acrescida,
respectivamente, de meio ponto.
Apresentac¸a\u2dco, Func¸o\u2dces Diferencia´veis \u2013 p. 7/17
Um pouco de história
O cálculo tem suas origens com os gregos, em particular como
os estudos de Arquimedes.
Estes estudos foram retomados na renacência e os principais
contibuidores foram Galileu, Kopernicus, Decartes e Fermat.
Por volta de 1600 havia mais de mil artigos em cálculo
publicados.
Isaac Neewton e Leibnitz no século XVII consolidaram a teoria
do cálculo.
O principais problemas resolvidos pelo cálculo foram: reta
tangente a uma curva; cálculo de área e volume.
Neste curso estudaremos as principais contribuições de Gauss e
Stokes.
Apresentac¸a\u2dco, Func¸o\u2dces Diferencia´veis \u2013 p. 8/17
Função Vetorial
Uma função vetorial é uma função f : \u211cn \u2192 \u211cm.
Exemplo:
f(x, y, z) = (x2 \u2212 y, x\u2212 y3 + z)
é uma função vetorial de \u211c3 em \u211c2
Um função vetorial de \u211cn em \u211cm é dada por m
funções de \u211cn em \u211c.
f(x1, ..., xn) = (f1(x1, ..., xn), ..., fm(x1, ..., xn)).
Apresentac¸a\u2dco, Func¸o\u2dces Diferencia´veis \u2013 p. 9/17
Função contínua
Um função vetorial
f(x1, ..., xn) = (f1(x1, ..., xn), ..., fm(x1, ..., xn)).
é contínua se cada
fi : \u211c
n \u2192 \u211c, fi(x1, ..., xn)
é contínua.
Exemplo:
f(x, y, z) = (x2 \u2212 y, x2 \u2212 y3 + z, 4x\u2212 5y + z2, 3x\u2212 2y + z),
é uma função contínua, pois
f1(x, y, z) = x
2 \u2212 y,
f2(x, y, z) = x
2 \u2212 y3 + z,
f3(x, y, z) = 4x\u2212 5y + z
2
f4(x, y, z) = 3x\u2212 2y + z.
são funções contínuas Apresentac¸a\u2dco, Func¸o\u2dces Diferencia´veis \u2013 p. 10/17
Funções diferenciáveis
Uma função
f : \u211cn \u2192 \u211cm,
é diferenciável em x = (x1, ..., xn) se existe uma
aplicação linear
Dfx : \u211c
n \u2192 \u211cm
tal que
f(x1 + h1, ..., xn + hn) = f(x1, ..., xn) +
Dfp(h1, ..., hm) + r(x1, ..., xn, h1, ..., hn),
onde,
h = (h1, ..., hn), x = (x1, ..., xn),
|h| =
\u221a
h21 + ...+ h
2
n,
Lim
0
r(x,h)
|h| = 0. Apresentac¸a\u2dco, Func¸o\u2dces Diferencia´veis \u2013 p. 11/17
Função diferenciável
Um função vetorial
f(x1, ..., xn) = (f1(x1, ..., xn), ..., fm(x1, ..., xn)).
é diferenciável se cada
fi : \u211c
n \u2192 \u211c, fi(x1, ..., xn)
é diferenciável.
Exemplo:
f(x, y, z) = (x2 \u2212 y, x2 \u2212 y3 + z, 4x\u2212 5y + z2, 3x\u2212 2y + z),
é uma função diferenciável, pois
f1(x, y, z) = x
2 \u2212 y,
f2(x, y, z) = x
2 \u2212 y3 + z,
f3(x, y, z) = 4x\u2212 5y + z
2
f4(x, y, z) = 3x\u2212 2y + z.
são funções diferenciáveis. Apresentac¸a\u2dco, Func¸o\u2dces Diferencia´veis \u2013 p. 12/17
Função diferenciável
A derivada direcional de uma função vetorial no ponto
x = (x1, ..., xn), na direção, h = (h1, ..., hn), é obtida pelo cálculo
do limite:
dfx.h = Lim
h\u21920
f(x+th)\u2212f(x)
t
Exemplo: Se f(x, y) = (xy, x2 \u2212 y, x\u2212 y2) então no ponto (1, 2)
Df(1,2) = Lim
h\u21920
(f(1+th1,2+th2)\u2212f(1,2))
t
=
(2h1 + h2,\u22122h1 + h2, h1 \u2212 4h2).
Se x = (x1, ..., xn), h = (h1, ..., hn) e f(x) = (f1(x), ..., fm(x)),
então
Dfx.h =
\uf8eb
\uf8ec\uf8ec\uf8ec\uf8ec\uf8ec\uf8ed
\u2202f1
\u2202x1
...
\u2202f1
\u2202xn
. ... .
. ... .
\u2202fm
\u2202x1
... \u2202fm
\u2202xn
\uf8f6
\uf8f7\uf8f7\uf8f7\uf8f7\uf8f7\uf8f8
\uf8eb
\uf8ec\uf8ec\uf8ec\uf8ec\uf8ec\uf8ed
h1
.
.
hn
\uf8f6
\uf8f7\uf8f7\uf8f7\uf8f7\uf8f7\uf8f8
Apresentac¸a\u2dco, Func¸o\u2dces Diferencia´veis \u2013 p. 13/17
Exercícios
Exercício 1 - Mostre que uma função F : \u211cn \u2192 \u211c é
continua em a = (a1, ..., an) se, só se,
Lim
x\u21920
f(x) = f(a),
Exercício 2 - Mostre que toda função vetorial
diferenciável em a = (a1, ..., an) é continua em a.
Exercício 3 - Determine os pontos de
descontinuidades das funções:
(a) f(x, y) = ( xy
x2+y2 ,
x
x\u2212y ,
x
x2+y2 ).
(b) f(x, y, z) = (xsen1
y
, y2sen1
z
),
(c) f(x, y) = tg(x2 + y2).
Apresentac¸a\u2dco, Func¸o\u2dces Diferencia´veis \u2013 p. 14/17
Exercícios
Exercício 4 - Mostre que o conjunto das funções contínuas de
\u211cn em \u211cm forma um espaco vetorial sobre \u211c.
Exercício 5 - Mostre que o produto vetorial de duas funções
continuas, f, g : \u211cn \u2192 \u211c3, é uma função continua.
Exercício 6 - Determine o conjunto dos pontos de continuidade
das funções:
(a)f(r, \u3b8) = (r cos \u3b8, r sen \u3b8),
(b)f(r, \u3b8, \u3c6) = (r sen\u3c6 cos \u3b8, r sen \u3c6 sen \u3b8, r cos\u3c6)
(c)f(r, \u3b8, z) = (r cos \u3b8, r sen \u3b8, z).
Exercício 7 - Mostre que uma função vetorial é contínua se, só se
a imagem inversa de aberto é um conjunto aberto.
Apresentac¸a\u2dco, Func¸o\u2dces Diferencia´veis \u2013 p. 15/17
Exercícios
Execício 8 - Verifique se as funções abaixo são diferenciáveis.
(a) f(x, y) = x2y
x2+y2
,
(b) f(x, y) = x4
x2+y2
.
(c) f(x, y) =
\uf8f1\uf8f2
\uf8f3
e
1
(x2+y2\u22121) se x2 + y2 < 1
0 se x2 + y2 \u2264 1
Exercício 9 - Considere a função f(x, y) = 1\u2212 x2 \u2212 y2. Seja \u3b1
o plano tangente ao gráfico de f no ponto (a, b, f(a, b)), com
a > 0, b > 0 e a2 + b2 < 1. Seja V o volume do treataedro
determinado por \u3b1 e pelos panos coordenados.
(a) Expresse V como uma função de a, b.
(b) Detemine a e b para que se tenha \u2202V
\u2202a
= \u2202V
\u2202b
= 0.
Apresentac¸a\u2dco, Func¸o\u2dces Diferencia´veis \u2013 p. 16/17
Exercícios
Exerc\u2019icios 10 - Seja f(x, y, z) = x2 + y2 + z2 e
\u3b3(t) = (x(t0, y(t), z(t)) uma curva diferenciável cuja
imagem está contida na superfície de nível
x2 + y2 + z2 = 1. Seja \u3b3(to) = (xo, yo, zo). Prove
que \u3b3\u2032(to) \u2022 \u2207f(xo, yo, zo) = 0. Interprete
geometricamente.
Apresentac¸a\u2dco, Func¸o\u2dces Diferencia´veis \u2013 p. 17/17
	 nullegin {center} nullextbf {Programa}