Ciência do Ambiente - Mangue e Manguezal
22 pág.

Ciência do Ambiente - Mangue e Manguezal


DisciplinaCiência do Ambiente2.454 materiais20.859 seguidores
Pré-visualização7 páginas
danae, C. sapidus. Os siris habitam desde as margens lodosas até as áreas mais profundas do estuários. Seu alimento pode ser tanto de origem animal quanto vegetal, sendo que sua preferência é de animais em processo inicial de decomposição . Suportam grande variações de salinidades e de temperatura. Sua reprodução geralmente ocorre em maio. As fêmeas podem carregar 150.000 a 200.000 ovos.
Guaiamu - Pata choca (fêmea ovada). Nome científico: Cardisoma guaiamuni. Possui coloração azul, sendo que as extremidade de suas patas e puãs são esbranquiçadas. O macho geralmente apresenta a puã esquerda maior do que a direita. Se alimenta de forma variada e composta por vegetais e animais. Também muito consumido, muitas vezes criado em cativeiro, em regime de engorda. Possui hábitos semi noturnos. Vive em locais mais secos, fora do alcance regular das margens. Escava suas tocas. A época de acasalamento é entre março e abril.
Teredo, turu ou buzano, é um molusco perfurador de madeiras, de corpo alongado e vermiforme, revestido por um tubo calcário. Além da madeira alimenta-se também de plâncton. Sua importância diz respeito à contribuição na r  eciclagem da matéria orgânica e como fonte de alimento para populações ribeirinhas. No entanto causa grandes prejuízos às embarcações de madeira.
Os manguezais estão entre os principais responsáveis pela manutenção de boa parte das atividades pesqueiras das regiões tropicais. Servem de refúgio natural para reprodução e desenvolvimento (berçário), assim como local para alimentação e proteção para crustáceos, moluscos e peixes de interesse comercial. Além dessas funções, os manguezais ainda contribuem para sobrevivência de aves, répteis e mamíferos, muitos deles integrados às listas de espécies ameaçadas de extinção.
A Fauna e a Flora dos manguezais são altamente especializadas, sobrevivendo em equilíbrio com o ambiente. Entretanto, distúrbios induzidos, principalmente por ações humanas podem desequilibrar essas relações levando á perca de populações inteiras de fauna e flora.
A IMPORTÂNCIA DO MANGUEZAL
Os manguezais são ecossistemas de grande importância no equilíbrio ecológico, sendo um berçário favorável para o desenvolvimento de muitas espécies de animais e plantas. É muito valioso o estudo do manguezal, principalmente para a preservação desse meio. O primeiro contato com o ecossistema manguezal pode deixar muitas pessoas desapontadas, porém com o conhecimento deste local tão cheio de vida pode-se ter uma visão completamente diferente . Só quem vivência diariamente das riquezas de um manguezal sabe o quanto é importante a sua preservação .
Pelo menos 2/3 das espécies de peixes explorada economicamente dependem desse ecossistema para a sua existência. O manguezal é um dos ecossistemas mais importantes do planeta, sendo responsável pela manutenção de muitos dos recursos naturais da zona costeira.
A grande quantidade de detrito vegetal, como folhas, galhos e frutos das árvores, produzida por esse ecossistema constitui-se de alimento energético rico em proteínas para diversos componentes da fauna estuarina e marinha, vez que, durante o processo de decomposição são colonizados por microorganismos. Assim, formam a base para diversas cadeias alimentares. Parte dessa produção é levada pela maré às águas costeiras adjacentes, representando também no meio marinho recurso para manutenção de várias espécies de crustáceos de grande valor comercial, como siri, peixes e camarões. Este último, representa uma atividade de grande importância econômica em todo litoral brasileiro, tanto para a pesca artesanal quanto para o industrial. Muitos outros animais são explorados comercialmente, como a lambreta, o sururu, a ostra, caranguejo-uçá e o guaiamu.
Além da produção da matéria orgânica, a estrutura das raízes de mangue, formando emaranhados, oferece proteção para espécies da fauna marinha, durante os primeiros estágios de vida, contra seus predadores, formando um refúgio para diversas espécies animais ameaçadas de extinção, principalmente aves marinhas que neles encontram uma das poucas áreas costeiras em que a atividade humana é reduzida.
Estudos mostram que a uma relação entre a produtividade da pesca das regiões litorâneas e a conservação desses ecossistemas. Em algumas regiões tropicais a diminuição do pescado esteve diretamente associada à destruição dos manguezais .
Além dos recursos naturais de utilização direta, como a fauna e flora, os manguezais produzem vários serviços indiretos, muitas vezes não percebidos pelas pessoas. Os manguezais protegem a linha de costa e as margens dos estuários contra erosão, nesse sentido são utilizados, em alguns países, para proteção de hidrovias e zonas urbanas litorâneas. Ao longo dos rios os manguezais protegem as áreas ribeirinhas contra as enchentes, diminuindo a força das águas. São importantes retentores de metais pesados e grande seqüestrador de carbono.
Vários produtos podem ser obtidos dos manguezais como remédios, álcool, adoçantes, óleos, tanino, etc... Sua área pode ser utilizada para turismo ecológico, educação ambiental, apicultura, piscicultura e criação de outras espécies marinhas, além de sua principal função que é de ser berçário de várias espécies animais e vegetais.
As áreas de manguezais são, portanto, de extrema importância para as populações, uma vez que delas provém boa parte das proteínas (mariscos e peixes), tão essenciais para subsistência. Curandeiras empregam diferentes produtos vegetais fazendo uso de suas propriedades bactericidas e adstringentes na cura de várias moléstias comuns ao ambiente. O tanino, produto obtido da casca das árvores, serve para proteger as redes e as velas das embarcações.
Como se pode notar o manguezal tem muito a oferecer, porém, o seu potencial deve ser utilizado de maneira racional, de forma sustentada, atendendo às suas necessidades de recomposição como períodos de desovas, perfloração das espécies vegetais, entre outras...
Em todo litoral brasileiro a pesca do camarão é uma das importantes atividades econômicas, tanto no campo da pesca artesanal como no da industrial. Os manguezais são importantes do ponto de vista geomorfológico, ecológico, sócio-econômico e turístico.
Porém o conhecimento de ecossistemas tão especial mostra que a realidade é bem diferente. Algumas comunidades ribeirinhas mantêm a relação de grande dependência como os recursos oferecidos pelos manguezais. Utilizando a madeira para a construção das casas e dos barcos. Boa parte das proteínas da dieta alimentar dessas populações provém dos manguezais. Para que os recursos dos manguezais sejam utilizados racionalmente, de forma sustentada, é preciso que o homem entenda melhor o funcionamento desse ecossistema e utilize sua área seja para recreação, turismo, educação ambiental, apicultura ou criação de peixes e crustáceos. No entanto o importante não é somente conhecer o que os manguezais têm a nos oferecer, mas também entender que deles dependem milhares de vidas de animais aquáticos e terrestres.
PRODUTIVIDADE DOS MANGUEZAIS
Diversos autores consideram os detritos originados das árvores de mangue como a mais importante fonte de energia nas águas costeiras. Folhas, frutos, flores e galhos, produzidos em diversos ecossistemas de zonas temperadas tropicais, incluindo os manguezais. Esse material produzido pelos diferentes bosques é conhecido pelo nome de Serapilheira.
SERAPILHEIRA
Entre os diversos destinos da Serapilheira produzida pelos manguezais, existam dois devem ser destacados:
Ficar sobre o próprio piso do bosque, sendo consumida por detritivos, ao mesmo tempo que vai se decompondo; 
Ser transportada pelas águas que lavam os manguezais durante as preamares, sofrendo processo de decomposição nas águas costeiras adjacentes. 
Os processos de decomposição da serapilheira tornam a matéria orgânica produzida nos manguezais disponível aos organismos consumidores. Nos manguezais, e nas águas costeiras vizinhas, a matéria orgânica originada dos detritos é muito importante para as cadeias alimentares