Lanna-Cap5
27 pág.

Lanna-Cap5


DisciplinaGestão de Recursos Hídricos369 materiais2.669 seguidores
Pré-visualização10 páginas
quantitativos, o supri-
mento às demandas prioritárias, como a de abastecimento público e a proteção dos ecossistemas.
A. Eduardo Lanna (1999) Gestão das Águas
Caítulo 5 - Instrumentos de Gestão das Águas: Outorgas
119
Pode ser constatado também que as reivindicações endereçadas ao poder público para aumento
das outorgas, em bacias como a do rio Grande na Bahia, poderiam, via de regra, ser atendidas. Porém, é
inevitável que isto seja acompanhado de um maior controle do uso da água. Isto não significa, necessaria-
mente, uma maior interferência do poder público, já que existem interesses privados antagônicos pelo uso
da água que podem ser utilizados para estabelecer autocontroles. Neste classe se inserem alternativas
como a da outorga a associações de usuários de água e ao reforço da participação de Comitês de Bacia Hi-
drográfica nas decisões referentes ao gerenciamento e controle do uso dos recursos hídricos.
Finalmente, cabe notar que o critério vazão excedente / garantia de suprimento pode ser associa-
do a um esquema de cobrança pelo uso da água. Nele os próprios usuários escolheriam as garantias com
que seriam supridos, entendendo que maiores garantias implicariam em maiores valores unitários de co-
brança.
QUESTÕES PARA DISCUSSÃO
1. O enquadramento de corpos de água em classes de uso preponderante é um instrumento de gestão
vinculado à qualidade do corpo receptor. Ele difere da prática de boa parte das entidades públicas de
controle ambiental, que licenciam tendo por base exigências sobre a qualidade do emissário, muitas ve-
zes exigindo níveis de tratamento e de remoção de poluentes referenciados à \u201cmelhor tecnologia dis-
ponível que não estabeleça custos excessivos\u201d. Quais as vantagens de uma prática sobre a outra?
2. Que papel deve caber a um Comitê de Gerenciamento de Bacia Hidrográfica no processo de enqua-
dramento? Que subsídios ele deve contar para as suas deliberações? Como e por qual entidade dos
sistemas de recursos hídricos e do meio ambiente estes subsídios devem ser gerados?
3. Quais as vantagens da aplicação do critério da outorga da vazão excedente sobre a de referência? Quais
as desvantagens? Que mecanismos podem ser adotados para facilitar a operacionalização e o controle,
por parte do órgão concedente, deste tipo alternativo de outorga?
4. Que papel deve caber a um Comitê de Gerenciamento de Bacia Hidrográfica no processo de outorga?
Que subsídios ele deve contar para as suas deliberações? Como e por qual entidade dos sistemas de re-
cursos hídricos e do meio ambiente estes subsídios devem ser gerados?
5. As outorgas, de instalação de atividades potencialmente poluidoras e de uso da água, são dois instru-
mentos de planejamento de recursos hídricos e do uso do solo que se acham intimamente ligados. A
mesma atividade geralmente necessita de ambos os tipos de outorga. Apesar disto, frequentemente, os
órgãos concedentes são distintos. Que dificuldades esta sistemática pode determinar?. Como pode ser
realizada a coordenação entre estas outorgas? Que papel um Comitê de Gerenciamento de Bacia Hi-
drográfica pode ter para agilizar este duplo processo?
REFERÊNCIAS
GRANZIERA, M. L. M. (1995). Outorgas de direito de uso de água e a Política Estadual de Recursos Hí-
dricos no Estado de São Paulo. Anais do XI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, Vol. 3:
129-133. ABRH, Recife.
LUZ, L. D. e LANNA, A. E. (1993). Gerenciamento dos recursos hídricos na bacia do rio Grande. X
Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, Anais, vol. 1:99-108. Gramado 1993
LUZ, L. D. (1994). Outorga do uso de água na bacia do rio Grande, BA. Dissertação de mestrado. Pro-
grama de Pós-Graduação em Recursos Hídricos e Saneamento, UFRGS.
PEREIRA, J. S. (1996). Análise de critérios de outorga e de cobrança pelo uso da água na bacia do rio dos
Sinos, RS. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Recursos Hídricos e Sanea-
mento, UFRGS, 108 p.
PEREIRA, J. S. E LANNA, A. E. (1996). Análise de critério de outorga dos direitos de uso da água III Sim-
pósio de Recursos Hídricos do Nordeste. Anais: 335-342.
DA SILVA, L. (1997). Análise de critérios para outorga dos direitos de uso da água na bacia do rio Bran-
co, BA. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Recursos Hídricos e Sanea-
mento, UFGRS, 142 p, anexos.
A. Eduardo Lanna (1999) Gestão das Águas
Caítulo 5 - Instrumentos de Gestão das Águas: Outorgas
120
DA SILVA, L. M. E LANNA, A. E. (1997). Critérios de outorga de uso da água com base em modelagem
agro-hidrológica: metodologia e aplicação (bacia do rio Branco - BA). Anais. ABRH: Simpósio Bra-
sileiro de Recursos Hídricos, Vitória.
VON SPERLING, M. (1998) Análise dos padrões brasileirosde qualidade de corpos d'água e de lança-
mentos de efluentes líquidos. RBRH - Revista Brasileira de Recursos Hídricos 3(1): 111-132.