Planejamento Tributário
144 pág.

Planejamento Tributário


DisciplinaDireito Tributário I23.034 materiais270.687 seguidores
Pré-visualização39 páginas
(art. 5º) determinou que nos casos de pagamentos superiores a R$ 
5.000,00 (cinco mil Reais) por mês, de serviços a outras pessoas jurídicas, haverá retenção 
na fonte de 3% (três por cento). Lista dos serviços sujeitos à retenção: 
\ufffd Limpeza 
\ufffd Conservação e manutenção 
\ufffd Segurança e vigilância 
\ufffd Transporte 
\ufffd Locação de mão de obra 
\ufffd Medicina 
\ufffd Engenharia 
\ufffd Propaganda e publicidade 
\ufffd Assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito e riscos 
\ufffd Administração de contas a pagar e receber 
\ufffd Remuneração de serviços profissionais 
 
 
68
 
 
IMPOSTO SOBRE PRODUTOS INDUSTRIALIZADOS \u2013 IPI 
 
FINALIDADE: O IPI tanto tem finalidade Fiscal quanto Extrafiscal. 
Ele é FISCAL porque é um importante instrumento de arrecadação de recursos, 
caracterizando uma grande fonte de receitas para a União, mas também para os Estados e 
Municípios, dado que é um elemento fundamental na constituição do Fundo de Participação 
dos Estados e do Fundo de Participação dos Municípios. 
Entretanto ele é preponderantemente EXTRAFISCAL porque é um instrumento de controle da 
política industrial. Quando o governo deseja incentivar uma atividade industrial baixa a 
alíquota do imposto e quando deseja desincentivar eleva sua alíquota. 
Visando fazer com que este imposto seja um instrumento eficaz de política industrial, a 
Constituição Federal contém dispositivo que permite ao poder executivo alterar suas 
alíquotas por meio de decreto do Presidente da República ou mesmo portaria do Ministro da 
Fazenda, podendo entrar em vigor dentro do próprio exercício de publicação, desde que 
observado o prazo mínimo de noventa dias, decorrendo disto que este imposto não está 
sujeito aos princípios da legalidade e da anterioridade, no tocante ao seu aumento. 
PRODUTO INDUSTRIALIZADO: é o produto obtido através de um processo industrial, tal 
como: 
TRANSFORMAÇÃO: é o processo que aplicado sobre a matéria-prima resulta na obtenção de um 
novo produto. O processo pode ser mecanizado, semi mecanizado, automatizado ou semi 
automatizado exercido sobre matéria prima ou produto intermediário que dá nova forma e finalidade 
a mesma. Faz nascer um produto novo, de forma, fins e conceitos diversos daqueles que lhe vieram 
compor na acepção de matéria prima ou produto intermediário. O produto resultante da 
transformação tem nova classificação na tabela do IPI (nova classificação da nomenclatura 
brasileira de mercadorias. Exemplos: confecção de um vestuário a partir do tecido e demais insumos, 
fabricação de um pneu a partir da borracha e materiais secundários. 
BENEFICIAMENTO: é o processo que aplicado sobre o produto resulta em aperfeiçoá-lo para uso 
ou consumo. Neste processo podem ocorrer: modificação, aperfeiçoamento embelezamento ou 
alteração de funcionamento de um produto já existente. Sendo que o produto resultante fica na 
mesma classificação fiscal originária, ou seja, não tem nova classificação na nomenclatura brasileira 
de mercadorias. 
Exemplo: pasteurização do leite, descascamento de arroz. 
ACONDICIONAMENTO: é o processo que consiste na colocação de uma embalagem de 
apresentação, de forma a caracterizar uma unidade de venda, uso ou consumo, criando-lhe nova 
proposta de consumo, novo visual, novo estímulo à aquisição. Exclui-se desse processo a colocação 
de embalagem para fins de transporte. 
Exemplo: envasamento de água mineral, acondicionamento de açúcar sob marca ou nome de 
fantasia. 
RENOVAÇÃO OU RECONDICIONAMENTO: é o processo que aplicado sobre um produto 
estragado resulta em restaurar-lhes as utilidades, como se novo voltasse a ser. O produto resultante 
do processo continua a ter a mesma classificação fiscal originária, ou seja, não tem nova classificação 
na nomenclatura brasileira de mercadorias. 
Exemplo: recapagem de pneus, recondicionamento de embreagens. 
MONTAGEM: é o processo que consiste em reunir partes ou peças de forma a obter uma nova 
espécie. O novo produto terá nova finalidade e também nova classificação fiscal. 
Exemplo: montagem de automóveis. 
Estão no campo de incidência do IPI os produtos industrializados com exceção daqueles que são 
objetos de exclusão pelo art. 5º do regulamento do IPI. 
 
 
69
 
EXCLUSÕES 
Não se considera industrialização: 
I \u2013 o preparo de produtos alimentares, não acondicionados em embalagem de apresentação: 
a) na residência do preparador ou em restaurantes, bares, sorveterias, confeitarias, padarias, 
quitandas e semelhantes, desde que os produtos se destinem a venda direta a consumidor; ou 
b) em cozinhas industriais, quando destinados a venda direta a corporações, empresas e outras 
entidades, para consumo de seus funcionários, empregados ou dirigentes; 
II \u2013 o preparo de refrigerantes, à base de extrato concentrado, por meio de máquinas, automáticas 
ou não, em restaurantes, bares e estabelecimentos similares, para venda direta a consumidor; 
III \u2013 a confecção ou preparo de produto de artesanato; 
IV \u2013 a confecção de vestuário, por encomenda direta do consumidor ou usuário, em oficina ou na 
residência do confeccionador; 
V \u2013 o preparo de produto, por encomenda direta do consumidor ou usuário, na residência do 
preparador ou em oficina, desde que, em qualquer caso, seja preponderante o trabalho profissional; 
VI \u2013 a manipulação em farmácia, para venda direta a consumidor, de medicamentos oficinais e 
magistrais, mediante receita médica; 
VII \u2013 a moagem de café torrado, realizada por comerciante varejista como atividade acessória; 
VIII \u2013 a operação efetuada fora do estabelecimento industrial, consistente na reunião de produtos, 
peças ou partes e de que resulte: 
a) edificação (casas, edifícios, pontes, hangares, galpões e semelhantes, e suas coberturas); 
b) instalação de oleodutos, usinas hidrelétricas, torres de refrigeração, estações e centrais telefônicas 
ou outros sistemas de telecomunicação e telefonia, estações, usinas e redes de distribuição de 
energia elétrica e semelhantes; ou 
c) fixação de unidades ou complexos industriais ao solo; 
IX \u2013 a montagem de óculos, mediante receita médica; 
X \u2013 o conserto, a restauração e o recondicionamento de produtos usados, nos casos em que se 
destinem ao uso da própria empresa executora ou quando essas operações sejam executadas por 
encomenda de terceiros não estabelecidos com o comércio de tais produtos, bem assim o preparo, 
pelo consertador, restaurador ou recondicionador, de partes ou peças empregadas exclusiva e 
especificamente naquelas operações; 
XI \u2013 o reparo de produtos com defeito de fabricação, inclusive mediante substituição de partes e 
peças, quando a operação for executada gratuitamente, ainda que por concessionários ou 
representantes, em virtude de garantia dada pelo fabricante; 
XII \u2013 a restauração de sacos usados, executada por processo rudimentar, ainda que com emprego de 
máquinas de costura; e 
XIII \u2013 a mistura de tintas entre si, ou com concentrados de pigmentos, sob encomenda do 
consumidor ou usuário, realizada em estabelecimento varejista, efetuada por máquina automática ou 
manual, desde que fabricante e varejista não sejam empresas interdependentes, controladora, 
controlada ou coligadas. 
 
PRINCÍPIOS BÁSICOS DO IPI 
1) Seletividade: em razão da essencialidade dos produtos. Os produtos considerados 
essenciais devem ter baixas alíquotas, em geral zero e os produtos considerados supérfluos 
devem ter alíquotas altas e se além de supérfluos forem considerados nocivos devem ter 
alíquotas mais altas ainda, de forma a ser desestimulado o seu uso ou consumo, contudo se 
os produtos não forem considerados essenciais e nem nocivos devem ter alíquotas medianas. 
Com isto, temos que as alíquotas do IPI são inversamente proporcionais à sua 
essencialidade. 
 
 
70
 
As alíquotas do IPI constam na TIPI (Tabela de Incidência do IPI), que é uma publicação aprovada 
por Decreto do chefe do poder executivo federal, onde constam todos os produtos industrializados 
com código para cada produto, com base na Nomenclatura Comum do Mercosul \u2013 NCM 
Como