Planejamento Tributário
144 pág.

Planejamento Tributário


DisciplinaDireito Tributário I23.008 materiais270.535 seguidores
Pré-visualização39 páginas
e Ciências 
Contábeis. 4ª Edição. São Paulo: Atlas, 2005. 
FABRETTI, Láudio Camargo. Direito Tributário Aplicado. 1ª Edição. São Paulo: Atlas, 2006 
FABRETTI, Láudio Camargo. Código Tributário Nacional Comentado. 6ª Edição. São Paulo: 
Atlas, 2005. 
MAIA, Jayme de Mariz. Economia Internacional e Comércio Exterior, Atlas, 2006. 
MARTINS, Sérgio Pinto. Manual do ISS, Malheiros Editores, 2005. 
HARADA, Kiyoshi. Direito Financeiro e Tributário. São Paulo: Atlas, 2001; 
PÊGAS, Paulo Henrique,.Manual de Contabilidade Tributária. 4ª Edição. Freitas Bastos, 2006. 
RATTI, Bruno. Comércio Internacional e Câmbio. Edições Aduaneiras, 2003. 
SABBAG, Eduardo de Moraes, Elementos de Direito Tributário. São Paulo. Prima. 2004. 
SANTOS, Cairon Ribeiro dos. Curso de Introdução ao Direito Tributário. São Paulo: IOB 
Thompson, 2004. 
 
21 \u2013 INTERNET: 
21.1) Informações diversas: 
- Consultor Jurídico \u2013 www.conjur.com.br 
- FISCOSoft \u2013 Informações Fiscais e Legais \u2013 www.fiscosoft.com.br 
- Google \u2013 www.google.com.br 
- Infomações Objetivas (IOB) \u2013 www.iob.com.br 
- Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) \u2013 www.ibpt.com.br 
- Portal Tributário \u2013 www.portaltributário.com.br 
 
21.2) Sites do Governo: 
- Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) \u2013 www.bndes.gov.br 
- Governo de Goiás \u2013 www.goias.go.gov.br 
- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) \u2013 www.ibge.com.br 
- Ministério da Previdência Social \u2013 www.dataprev.gov.br 
- Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior \u2013 www.desenvolvimento.gov.br 
- Prefeitura Municipal de Goiânia-GO \u2013 www.goiania.go.gov.br 
 - Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) \u2013 www.pgfn.fazenda.gov.br 
- Secretaria da Receita Federal \u2013 www.receita.fazenda.gov.br 
- Secretaria da Fazenda do Estado de Goiás \u2013 www.sefaz.go.gov.br 
- Senado Federal \u2013 www.senado.gov.br 
 
 
 
 
 
7
 
 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS
 
 
DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO 
 
Disciplina: PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO 
Professor: Hemerson Ferreira dos Santos e Manuel Gomes da Silva 
 
 
 
CRONOGRAMA DAS ATIVIDADES DE ENSINO \u2013 2010/01* 
Encontros CONTEÚDO E/OU ATIVIDADES 
01º 
 
Apresentação do plano de ensino, da metodologia, dos critérios de 
avaliação, orientações sobre as atividades a serem desenvolvidas. 
Conceito de Planejamento Tributário. 
02º Atividade Financeira do Estado: tributo: conceito, classificação, espécies. 
03º 
 
O Sistema Tributário Nacional: conceito, características e princípios 
básicos de tributação 
04º 
Legislação Tributária: conceito, abrangência, vigência, aplicação, 
interpretação e integração 
05º 
Obrigação Tributária: conceito, elementos: fato gerador, sujeição ativa e 
passiva, Responsabilidade tributária. 
06º 
 
Crédito Tributário: conceito, surgimento e lançamento; garantias e 
privilégios do CT. Suspensão do Crédito Tributário. 
07º Extinção e exclusão do CT 
08º 
 
Administração Tributária: fiscalização e relacionamento da empresa com 
as autoridades fiscais; dívida ativa e certidão negativa 
09º Política de Benefícios e Incentivos Fiscais 
10º Processo Administrativo Tributário 
11º Revisão 
12º Revisão, exercícios e estudo de casos sobre a matéria abordada 
13º Prova escrita N1 
14º 
Resolução das questões da prova e reavaliação da matéria para efeito de 
conclusão da N1 
15º 
Discussão dos resultados individuais, atribuição e entrega das notas 
relativas a N1 
16º 
Impostos e contribuições do Sistema Tributário Nacional (STN) 
Tributos no comércio exterior 
17º Imposto de Renda (IR) \u2013 Conceitos gerais e IR pessoa física 
18º 
IR pessoa jurídica - lucro real. Exercícios utilizando o Demonstrativo de 
Resultado de Exercício (DRE). 
19º 
 
IR da pessoa jurídica - lucro presumido \u2013 e Contribuição Social sobre o 
Lucro Líquido (CSLL) 
20º 
Programa de Integração Social e Programa de Formação do Patrimônio do 
Servidor Público (PIS/PASEP). Contribuição para o Financiamento da 
 
 
8
 
Seguridade Social (COFINS). 
21º Exercícios de fixação sobre IR e Contribuições 
22º Exercícios de fixação sobre IR e Contribuições 
23º Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) 
24º 
Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços de Transporte 
Interestadual e Intermunicipal e Comunicação (ICMS) 
25º ICMS substituição tributária 
26º ICMS nas situações especiais e em diversas outras situações 
27º Imposto sobre Serviços (ISS) 
28º 
 
SIMPLES NACIOINAL - Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e 
Contribuições 
29º SIMPLES NACIONAL - conclusão 
30º Revisão geral da matéria do semestre 
31º Prova escrita para N2 
32º Entrega e discussão preliminar de notas e avaliações 
33º Revisão adicional da matéria 
34º Prova suplementar 
35º Entrega e discussão de avaliações e notas N2. Encerramento do Semestre 
 
* Programação sujeita a mudanças 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
9
 
 
 
PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO 
 
 
 
 
 
Síntese da Disciplina 
 
 
 
 
 
 
Goiânia,fevereiro de 2010. 
 
 
 
 
 
 
 
 
1 - PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO 
 
1.1) Conceito e Objeto 
O Planejamento Tributário é uma parte do planejamento empresarial que evidencia os tributos e 
suas implicações no funcionamento das organizações, visando alcançar a economia de impostos, 
sem incorrer em infrações tributárias. 
Pode também ser denominado de ELISÃO FISCAL. 
Seu objeto de estudo é o Sistema Tributário Nacional (conjunto de tributos, princípios e normas 
que regem o poder do Estado de cobrar tributos). 
A Elisão Fiscal ocorre quando as pessoas obtém economia de tributos, atuando estritamente 
dentro da legalidade, ao passo que a economia obtida com a utilização de meios ilícitos denomina-
se EVASÃO FISCAL. 
 
1.2) O Planejamento Tributário e a Evasão Fiscal 
 
 O Planejamento Tributário como disciplina busca indicar os procedimentos que podem ser 
Adotados pelos gestores empresariais, estritamente dentro da legalidade de forma a resultar 
em melhor resultado financeiro, enquanto que a Evasão Fiscal implica na utilização de métodos 
e/ou procedimentos ilícitos, e em conseqüência expõem a organização às sanções estatais. 
 
Dentre os principais procedimentos ilícitos temos: 
 
 
 
 
10
 
\u2022 Sonegação Fiscal: Lei nº 4.729/65 - toda ação ou omissão dolosa tendente a impedir 
ou retardar, total ou parcialmente, o conhecimento pela autoridade fazendária sobre: 1) a 
ocorrência do fato gerador do tributo; 2) as condições pessoais do contribuinte.Exemplo: 
Não declarar rendas efetivamente auferidas. 
 
\u2022 Fraude: toda ação ou omissão dolosa tendente a impedir ou retardar, total ou 
parcialmente, a ocorrência do fato gerador da obrigação tributária ou a exclusão ou 
modificação de suas características essenciais com a finalidade de reduzir o tributo devido, 
evitar ou postergar o seu pagamento.Exemplo: calçamento de documento fiscal, de forma 
que na primeira via estampe o valor rela da transação, enquanto que na via da 
contabilidade contenha um valor menor. 
 
\u2022 Simulação: emitir documentos ou contratos, não correspondentes a fatos reais. 
 
 
 
Para fixar: 
O Planejamento Tributário tem como fator de análise o tributo e visa identificar e projetar os 
atos e fatos tributáveis e seus efeitos, comparando-se os resultados prováveis, para os 
diversos procedimentos passíveis de serem adotados, de tal forma a possibilitar a escolha da 
alternativa menos onerosa, sem extrapolar o campo da licitude. 
O planejamento tributário é, na verdade, uma atividade empresarial estritamente preventiva. 
O caráter preventivo do planejamento tributário decorre do fato de não se poder escolher 
alternativas senão antes de se concretizar a situação. Após a concretização dos fatos, via de 
regra, somente se apresentam duas alternativas para o sujeito passivo da relação jurídico-
tributária: pagar ou não pagar o tributo decorrente da previsão legal descrita como fato 
gerador. A alternativa de não pagar se caracterizará como prática ilícita, sujeitando-se a 
empresa à ação punitiva do Estado, caso este venha a tomar