10_Tempestades Severas e Tornados
17 pág.

10_Tempestades Severas e Tornados


DisciplinaIntrodução Às Ciências Atmosféricas68 materiais306 seguidores
Pré-visualização10 páginas
de tempestades severas nos Estados Unidos? Por que neste lugar? 
13. Por que o granizo é mais comum no Kansas que na Flórida? 
14. Explique como a descarga nuvem-solo se desenvolve. 
15. Como são produzidos os trovões? 
16. Se você vir um raio e dez segundos depois ouvir o trovão, quão distante estará o lugar da descarga 
elétrica? 
17. Por que é perigoso abrigar-se sob uma árvore durante uma tempestade elétrica? 
18. (a) O que são tornados? 
(b) Dê algumas estatísticas médias sobre o tamanho, ventos e a direção geral do movimento de um 
tornado? 
19. Qual á a diferença entre um aviso de tornado e um alerta de tornado? 
20. Por que é sugerido que as janelas não sejam abertas quando um tornado está se aproximando? 
21. Explique por que a região central dos Estados Unidos é mais suscetível a tornados que qualquer outra 
parte do mundo? 
22. Descreva as condições atmosféricas na superfície e acima dela que são responsáveis pelo 
desenvolvimento da maioria das tempestades produtoras de tornados. 
23. O que uma corrente ascendente (e a própria tempestade) deve fazer para que se produza um tornado? 
24. (a) Descreva como um radar Doppler mede os ventos do interior de uma tempestade elétrica severa. 
(b) Por que o radar Doppler é superior aos radares convencionais para este propósito? 
25. Diferencie uma tromba d\u2019água de \u201cbom tempo\u201d de uma tromba d\u2019água tornádica. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 10.1 \u2013 Modelo simplificado realçando o ciclo de vida de uma tempestade de massa de ar (as setas mostram os 
movimentos verticais). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 10.3 \u2013 Uma tempestade em multicélulas. Esta tempestade é composta de uma série de células em diferentes estágios 
de desenvolvimento. A tempestade no centro está no estágio de maturidade. Chuva forte está caindo de sua base. À direita 
desta célula a tempestade está em fase cúmulos. À esquerda uma nuvem cúmulos congestus está quase chegando na fase de 
maturidade. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 10.4 \u2013 Um modelo simplificado descrevendo o 
movimento do ar e outras características associadas com as 
tempestades severas. A severidade dependa da intensidade 
da circulação. 
Figura 10.5 \u2013 Metade inferior de uma linha de 
instabilidade severa e algumas características 
associadas a elas. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 10.8 \u2013 Uma supercélula. Esta tempestade produziu chuva de granizo com tamanho de bolas de golfe (5 cm) sobre o 
lado leste do Colorado. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 10.9 \u2013 Tempestades em forma de linhas (linhas de instabilidade) podem se formar na dianteira de frentes frias na 
medida em que se desenvolvem ondas no fluxo de altos níveis na parte dianteira da frente. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 10.11 \u2013 Uma imagem de satélite realçada mostrando 
um Complexo Convectivo de Mesoescala sobre o estado do 
Rio Grande do Sul 
Figura 10.14 \u2013 A distribuição de cargas em uma 
nuvem de tempestade em estágio de maturidade. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 10.18 \u2013 Um tornado com ventos excedendo 100 nós cruzando Dakota do Norte. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 10.19 \u2013 Incidência de tornados por estados. O valor superior indica o número de tornados reportados por cada estado 
por um período de 25 anos. O valor inferior mostra o número médio anual de tornados por 10.000 milhas quadradas. A 
área mais escura representa a região de maior incidência de tornados. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Figura \u2013 Localização e intensidade dos tornados na América 
do Sul. 
Figura 10.26 \u2013 Eco na forma de gancho 
aparecendo na tela de um radas convencional.