Ciências do Ambiente - Aula 2 - Eco - Cadeia e Teias
27 pág.

Ciências do Ambiente - Aula 2 - Eco - Cadeia e Teias


DisciplinaCiência do Ambiente2.454 materiais20.859 seguidores
Pré-visualização2 páginas
GESTÃO DE 
ECOSSISTEMAS E 
BIODIVERSIDADE 
 ciências do ambiente 
 
Profa. Camila 
2011 
 
CADEIAS E TEIAS 
ALIMENTARES 
 \u2022 Importância de se conhecer as cadeias alimentares: 
 
 Justifica-se pela possibilidade do uso natural de 
animais ou plantas a fim de controlar ou equilibrar o 
ecossistema, de forma a evitar o uso de pesticidas e de 
quaisquer outras formas artificiais que possam 
desequilibrar em longo prazo o ambiente, ou ainda, 
provocar sérias reações nos animais e até nos seres 
humanos que ali habitam \u2013 CONTROLE 
BIOLÓGICO. 
As cadeias alimentares, ou cadeias 
tróficas, são sequencias de eventos 
consecutivos de relações de 
alimentação de um grupo de 
organismos por outros, formando 
níveis tróficos, que englobam os 
produtores, consumidores e 
decompositores 
\u2022 O Podemos, então, classificar os seres vivos de acordo com as funções 
específicas que desempenharão dentro de um ecossistema. 
\u2022 Organismos autótrofos \u2013 São assim chamados todos os organismos que têm a 
capacidade de transformar a matéria inorgânica em matéria orgânica, normalmente, 
utilizando a luz solar e produzindo o oxigênio. 
\u2022 Organismos heterótrofos \u2013 São assim considerados todos os organismos que não 
são capazes de produzir o seu próprio alimento, tendo assim, que utilizar a energia 
produzida pelos autótrofos ou mesmo por outros heterótrofos. 
\u2022 Produtores \u2013 São sempre autótrofos, produzem alimento que será usado na 
cadeia, e por isso estão obrigatoriamente no início de qualquer cadeia alimentar. 
 
\u2022 Consumidores \u2013 São os organismos que necessitam alimentar-se de outros 
organismos para obter a energia que eles não podem produzir para si próprios. Vão-se 
alimentar dos autótrofos e de outros heterótrofos podendo ser consumidores 
primários, consumidores secundários, consumidores terciários e assim por diante. 
\u2022 Na alimentação, nem toda a energia obtida será integralmente usada, isto é, parte 
dessa energia não será absorvida e será eliminada com as fezes; outra parte será 
dissipada em forma de calor. 
\u2022 Grande parte da energia será \u201cperdida\u201d no decorrer de uma cadeia alimentar, 
diminuindo sempre a cada nível. 
\u2022 Importante: Podemos, então, dizer que o fluxo de energia num ecossistema é 
unidirecional começando sempre com a luz solar incidindo sobre os produtores, e 
diminuindo a cada nível alimentar dos consumidores. 
 
 
\u2022 
Decompositores \u2013 São organismos que atuam exatamente em papel contrário ao dos 
produtores. Eles transformam matéria orgânica em matéria inorgânica, reduzindo 
compostos complexos em moléculas simples, fazendo que estes compostos retornem 
ao solo para serem utilizados novamente por outro produtor, gerando uma nova 
cadeia alimentar. 
\u2022 Os decompositores mais importantes são bactérias e fungos. Por se alimentarem 
de matéria em decomposição são considerados saprófitos. 
 
\u2022 O conjunto de uma série de ecossistemas é chamado de teia alimentar. Nesse caso, 
várias teias se entrelaçam, fazendo que as relações ecológicas sejam múltiplas e o 
alimento disponível possa ser utilizado por vários indivíduos, realmente compondo 
um ecossistema. 
\u2022 Importante: 
1. A energia é unidirecional. 
2. A matéria é cíclica. 
 
Níveis Tróficos 
 
1. O conjunto de indivíduos que se nutre no mesmo patamar alimentar, ou seja, 
alimentam-se basicamente dos mesmos nutrientes e estão colocados em um 
mesmo nível trófico. 
 
2. Os produtores estão colocados no 1.° nível trófico. 
 
3. Os consumidores primários, aqueles que se alimentam dos produtores, são 
herbívoros e constituem o 2.° nível trófico. 
4. Os consumidores secundários compõem o 3.° nível trófico, sendo os carnívoros. 
 
5. Após esses, existe o 4.° nível trófico, e assim por diante. 
 
6. Os decompositores ocupam sempre o último nível da transferência de energia, 
formando um grupo especial que degrada tanto produtores quanto consumidores. 
 
 
Teias alimentares 
\u2022 Na natureza, alguns seres podem ocupar vários papéis em diferentes cadeias 
alimentares. Quando comemos uma maçã, por exemplo, ocupamos o papel de 
consumidores primários. Já ao comer um bife, somos consumidores secundários, 
pois o boi, que come o capim, é consumidor primário. 
 
\u2022 Muitos outros animais também têm alimentação variada. Um organismo pode se 
alimentar de diferentes seres vivos, além de servir de alimento para diversos 
outros. O resultado é que as cadeias alimentares se cruzam na natureza, formando 
o que chamamos de teia alimentar. 
 
\u2022 Nas teias alimentares, um mesmo animal pode ocupar papéis diferentes, 
dependendo da cadeia envolvida. Em um ecossistema, as cadeias alimentares 
interagem formandos redes alimentares. 
 
\u2022 Na teia, representamos o máximo de relações tróficos existentes entre os diversos 
seres vivos do ecossistema e observamos que um animal, por exemplo, pode 
pertencer a níveis tróficos deferentes. É o caso dos onívoros, que atacam várias 
presas. 
 
 
\u2022 As plantas nunca mudam o seu papel: são sempre produtores. E 
todos os produtores e consumidores, estão ligados aos 
decompositores, que permitem a reciclagem da matéria orgânica 
no ambiente. 
Decompositores 
TEIA ALIMENTAR 
Produtor 
Consumidor 
 primário 
Consumidor 
secundário 
Produtor 
Consumidor 
 primário 
Consumidor 
 primário 
e secundário 
Consumidor 
 terceário 
 
Fluxo de energia nos ecossistemas 
 
 
\u2022 . A energia é transportada da seguinte forma: 
 
energia do sol \u2192 indivíduos autótrofos \u2192 indivíduos heterótrofos \u2192 decompositores 
 
\u2022 Um aspecto importante para entendermos a transferência de energia dentro de um 
ecossistema é a compreensão da primeira lei fundamental da termodinâmica que diz: 
\u201cA energia não pode ser criada nem destruída e sim transformada\u201d. 
 
\u2022 Outro aspecto importante é o fato de que a quantidade de energia disponível 
diminui à medida que é transferida de um nível trófico para outro. 
\u2022 Esta perda nas transferências ocorrem sucessivamente até se chegar aos 
decompositores. 
 
\u2022 E por que isso ocorre? A explicação para este decréscimo energético de um nível 
trófico para outro, é o fato de cada organismo, necessitar grande parte da energia 
absorvida para a manutenção das suas atividades vitais, tais como divisão celular, 
movimento, reprodução, etc. 
 
Pirâmides Ecológicas 
 
\u2022 Pirâmides ecológicas representam, graficamente, o fluxo de 
energia e matéria entre os níveis tróficos no decorrer da cadeia 
alimentar. 
 
\u2022 Atenção: cada retângulo representa, de forma proporcional, o 
parâmetro a ser analisado. 
 
Pirâmide de números 
Representa a quantidade de indivíduos em cada nível trófico da cadeia alimentar 
proporcionalmente à quantidade necessária para a dieta de cada um desses. 
 
 
 
 
 
\u2022 Em alguns casos, quando o produtor é uma planta de grande porte, o 
gráfico de números passa a ter uma conformação diferente da usual, sendo 
denominado \u201cpirâmide invertida\u201d. 
 
 
 
 
 
 
\u2022 Outro exemplo de pirâmide invertida é dada quando a pirâmide envolve 
parasitas, sendo assim os últimos níveis tróficos mais numerosos. 
PIRÂMIDES DE NÚMEROS 
CAPIM 
GAFANHOTO 
PARDAL 
COBRA 
PIRÂMIDE 
DIREITA 
ÁRVORE 
CUPINS 
PARASITAS 
PIRÂMIDE 
INVERTIDA 
Pirâmide de biomassa 
Relaciona a quantidade de matéria orgânica disponível em cada nível trófico por 
unidade de área, em um determinado momento (1 mês, 1 ano, etc.). 
Em alguns casos pode ser caracterizada como uma pirâmide invertida, já que há a 
possibilidade de haver, por exemplo, a redução da biomassa de algum nível trófico, 
alterando tais proporções. 
PIRÂMIDES DE BIOMASSA 
ALFAFA=8t 
BOI=1t 
HOMEM=7OKg 
PIRÂMIDE 
DIREITA 
FITOP.=4g/m² 
ZOOPLÂNCTON= 20g/m² 
PIRÂMIDE 
INVERTIDA 
Pirâmide de energia: 
 
Retrata, para cada nível trófico, a quantidade de energia acumulada, em 
uma determinada área ou volume, em um intervalo de tempo. Dessa 
forma, representa a