Apostila de Eletricidade e Magnetismo
32 pág.

Apostila de Eletricidade e Magnetismo


DisciplinaEletricidade e Magnetismo1.327 materiais16.385 seguidores
Pré-visualização7 páginas
ponta. Com mesmo 
procedimento encontre e marque pelo menos seis curvas equipotenciais. 
 
3.2.2) Montagem 2: Na mesma cuba eletrolítica da montagem anterior, retire as placas e 
coloque dois anéis, de tal forma que estes fiquem igualmente centralizados. Conecte a 
fonte de tensão alternada (V) aos eletrodos. Uma ponta de prova do voltímetro 
(potencial zero) é conectada ao eletrodo interno e a outra fica livre para se movimentar 
entre os anéis.Marque 10 pontos de mesmo valor de potencial (anotando o valor de tal 
potencial), faça isto movimentado a ponta de prova que está livre e utilizando a caneta 
fixada a tal ponta. Com mesmo procedimento encontre e marque pelo menos seis 
potenciais distintos. Meça os potenciais interno ao menor cilindro e externo ao maior 
cilindro. 
 
3.3) 2° Experimento (Óleo e semolina) 
 
3.3.1) Montagem: Mantemos a fonte inicialmente desligada para a montagem da 
experiência. Colocamos na cuba suporte óleo rícino juntamente com a semolina. 
Conectamos aos suportes primeiramente um eletrodo metálico representando uma única 
carga puntiforme, e conectamos ainda o outro eletrodo do gerador ao anel metálico que 
ficara na cuba ao redor da carga puntiforme como mostra a figura 5. Colocamos a cuba 
sobre o retro projetor e ligamos a fonte de tensão. Observamos o que acontece. 
Laboratório de Física Experimental II Instituto de Física 
Laboratório de Eletrostática e Eletrodinâmica Universidade Federal de Uberlândia 
14 
Posteriormente desligamos a fonte de tensão e trocamos o eletrodo por um que 
represente quatro cargas puntiformes paralelas entre si. Ligamos a fonte de tensão. 
Observamos o que acontece. 
 
 
Figura 5: Cuba com óleo e semolina com eletrodo ao centro preso ao suporte. 
 
 
4) ANÁLISE EXPERIMENTAL 
 
 Para a 1ª e 2ª montagem do primeiro experimento ligue os pontos de mesmo 
potencial para formar a superfície equipotencial, e de posse das seis superfícies calcule 
o valor do campo elétrico para quatro pontos distintos e explique seus resultados. 
 Para a montagem do 2° experimento comente o que foi observado. 
 
 
5) QUESTÕES 
 
1) Demonstre a equação: 
 
\uf0ae\uf0ae
\uf0f2\uf02d\uf03d\uf02d rdEVV
B
A
BA .
 
 
E mostre através dela que as linhas de campo são perpendiculares às superfícies 
equipotenciais. 
 
2) Calcule o campo \uf0aeE para os casos abaixo: 
 
A) Duas placas infinitas planas e paralelas com ddp=V0; 
B) Dois cilindros concêntricos infinitos com ddp= V0; 
Laboratório de Física Experimental II Instituto de Física 
Laboratório de Eletrostática e Eletrodinâmica Universidade Federal de Uberlândia 
15 
 
PRÁTICA 3 -UTILIZAÇÃO DO MULTÍMETRO E 
INTRODUÇÃO A CIRCUITOS ELÉTRICOS. 
 
 
1) OBJETIVOS 
 
\uf0b7 Observar funções e detalhes práticos do multímetro; 
\uf0b7 Elaborar o mini-circuito proposto e concluir sobre base teórica. 
 
2) INTRODUÇÃO TEÓRICA 
 
O multímetro ou Multitestes é o principal instrumento de teste e reparo de circuitos 
eletrônicos.Consiste basicamente de um galvanômetro, ligado a uma chave seletora, 
uma bateria e vários componentes eletrônicos internos.Podendo ser utilizado 
,basicamente, como amperímetro, ohmímetro ou voltímetro. Os multímetros com 
galvanômetro são chamados de multímetros analógicos, em oposição aos multímetros 
digitais, que possuem um mostrador de cristal líquido como mostrado na figura 1. 
 
 
 Figura 01: Foto de um multímetro Digital 
 
2.1) VOLTÍMETRO 
 
O voltímetro é um aparelho que realiza medições de tensão elétrica em um 
circuito, geralmente usando a unidade volt.A figura abaixo mostra o voltímetro em 
paralelo no circuito representado. 
 
 
Figura 02: Na esquerda está à representação do voltímetro e a direita o circuito interno. 
Laboratório de Física Experimental II Instituto de Física 
Laboratório de Eletrostática e Eletrodinâmica Universidade Federal de Uberlândia 
16 
 
Utilizando a Lei de Ohm temos no voltímetro: 
 
\uf028 \uf029 Tsmx IRRV \uf0b4\uf02b\uf03d
 (1) 
 
Portanto a corrente total será: 
 
\uf028 \uf029 xsm
T V
RR
I \uf0b4
\uf02b
\uf03d
1 (2) 
 
 
2.2) AMPERÍMETRO 
 
O amperímetro é um instrumento utilizado para fazer a medida da intensidade no 
fluxo da corrente elétrica que passa através da sessão transversal de um condutor, 
devendo ser colocado em série com o circuito. A unidade usada é o Ampère. 
 
 
Figura 03: Na esquerda está à representação do amperímetro e a direita o circuito interno. 
 
Utilizando a Lei das malhas (Lei de Kirchhoff) no circuito temos: 
 
mmss IRIR \uf0b4\uf03d\uf0b4
 (1) 
 
Como 
mTs III \uf02d\uf03d
, (2) 
 
Onde, 
TI
=corrente total no circuito 
mI
= corrente máxima do amperímetro 
sI
= corrente shunt 
 
Substituindo (2) em (1) temos: 
 
\uf0f7\uf0f7
\uf0f8
\uf0f6
\uf0e7\uf0e7
\uf0e8
\uf0e6
\uf02b\uf0b4\uf03d 1
s
m
mT
R
R
II
 (3) 
 
 
Laboratório de Física Experimental II Instituto de Física 
Laboratório de Eletrostática e Eletrodinâmica Universidade Federal de Uberlândia 
17 
2.3) OHMÍMETRO 
 
Um ohmímetro é um instrumento de medida elétrica que mede a resistência 
elétrica, ou seja, a oposição à passagem da corrente elétrica. 
A medição efetuada por um ohmímetro baseia-se na aplicação da Lei de Ohm: o 
ohmímetro injeta no elemento uma corrente pré-estabelecida, mede a tensão aos 
terminais e efetua o cálculo da resistência. No entanto, para que a medição seja correta, 
é necessário que o elemento a medir se encontre devidamente isolado de outros 
componentes do circuito, e em particular da massa através do corpo humano. Deste 
modo evita-se que o circuito envolvente retire ou injete no elemento corrente distinta 
daquela aplicada pelo ohmímetro. Portanto desligue o componente do restante do 
circuito para efetuar as medidas ou coloque um dos seus terminais no ar. 
 
 
gR
 
AR
 
 
 Figura 04: Na esquerda está a representação do Ohmímetro e a direita integrado com o circuito. 
 
De acordo com a seguinte equação, derivada da Lei de Ohm, o valor de 
resistência é dado por: 
 
\uf028 \uf029\uf05b \uf05d IRRRE Agx \uf0b4\uf02b\uf02b\uf03d
 
 
Se 
0\uf03dxR
(encostando as pontas de prova) para zerar o ohmímetro, a corrente 
será 
gI
: 
GA
G
RR
E
I
\uf02b
\uf03d
 
 
3) CIRCUITOS ELÉTRICOS 
 
3.1) Associação em série: 
 
Figura 5. Associação em série de resistores. 
 
 
\uf065\uf020
Laboratório de Física Experimental II Instituto de Física 
Laboratório de Eletrostática e Eletrodinâmica Universidade Federal de Uberlândia 
18 
 
 
3.2) Associação em paralelo: 
 
 
 
Figura 6. Associação em paralelo de resistores. 
 
 
 
 
 
 
4) PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 
 
4.1) Material utilizado: 
 
-Fonte 
-Multímetros 
-Resistores 
-Fios de ligação 
-Baterias 
 
4.2) 1ª Montagem: monte um circuito em série de resistores e determine a corrente e 
tensão em cada resistor e a resistência equivalente do circuito. 
 
4.3) 2ªMontagem: monte um circuito em paralelo de resistores e determine a corrente 
e tensão em cada resistor e a resistência equivalente do circuito. 
 
Em ambas as montagens compare os resultados práticos com os resultados teóricos 
usando a lei de Ohm e o código de cores dos resistores. 
 
 
 
 
Laboratório de Física Experimental II Instituto de Física 
Laboratório de Eletrostática e Eletrodinâmica Universidade Federal de Uberlândia 
19 
 
PRÁTICA 4 - CAPACITORES 
 
 
1) OBJETIVO 
 
Determinar experimentalmente a curva de descarga de um capacitor (de 
capacitância C) sobre um resistor (de resistência R), calcular a constante de tempo 
capacitiva \u3c4 = RC e também a capacitância do capacitor. 
 
2) FUNDAMENTOS TEÓRICOS 
 
Considere o circuito mostrado na figura 1. Estando o capacitor inicialmente 
descarregado, se a chave S for fechada, a fonte de tensão V criará uma corrente elétrica 
i(t) até que o capacitor fique completamente carregado com uma carga Q = CV. Durante 
o processo de carga do capacitor temos: 
 
C
q
td
qd
R \uf02b\uf03d\uf065