Teoria Geral do Processo - FGV
237 pág.

Teoria Geral do Processo - FGV


DisciplinaTeoria Geral do Processo13.353 materiais234.584 seguidores
Pré-visualização50 páginas
cognição do mérito. Teoria da asserção ou da prospetta-
zione (doutrina: Alexandre Câmara, Barbosa Moreira, Kazuo Watanabe, Elio 
Fazzalari). O Juízo deve avaliar a relação jurídica deduzida em Juízo \u201cin status 
assertiones\u201d, à vista do que se a\ufb01 rmou na petição inicial, sendo a presença 
das condições da ação veri\ufb01 cadas em abstrato sob pena de ser consagrada a 
teoria concretista da ação. Desnecessária a cassação e devolução da matéria 
ao Juízo Originário. Aplicação dos artigos 512 e 515 do Código de Processo 
Civil. Código de Defesa do Consumidor. Exibição de documento. Cabimen-
to. Prestação de serviço de natureza bancária. Aplicação do artigo 52 da Lei 
Consumerista. O consumidor tem o direito de saber as verbas que lhe são 
cobradas. \u201cExibição de documento. Contrato de Arrendamento Mercantil. 
Princípio da transparência. Verba honorária. Bancos e \ufb01 nanceiras, por força 
do princípio da transparência estabelecido no Código do Consumidor, estão 
obrigados a fornecer aos seus clientes todas as informações necessárias à apu-
ração da relação de débito e crédito entre eles existente, incluída nesse dever 
a exibição de contratos, extratos de conta corrente e outros documentos\u201d 
(Apelação Cível \u2014 2001.001.22996 Relator: Desembargador Nagib Slai-
bi Filho. Julgamento: 30.04.02 \u2014 Décima Sexta Câmara Cível Publicação: 
Ementário 25.02, no 21, 05.09.02).
TEORIA GERAL DO PROCESSO
FGV DIREITO RIO 90
(b) Interesse de Agir
(b.1) RECURSO ESPECIAL \u2014 PROCESSUAL CIVIL \u2014 EXECUÇÃO 
\u2014 VALOR TIDO COMO IRRISÓRIO \u2014 PRINCÍPIO DA UTILIDA-
DE \u2014 AUSÊNCIA DE INTERESSE PROCESSUAL \u2014 EXTINÇÃO DO 
PROCESSO SEM JULGAMENTO DO MÉRITO \u2014 PRECEDENTES 
DA PRIMEIRA TURMA \u2014 PROVIMENTO NEGADO.
\u2014 Não se pode perder de vista que o exercício da jurisdição deve sempre 
levar em conta a utilidade do provimento judicial em relação ao custo social 
de sua preparação. A doutrina dominante tem entendido que a utilidade prá-
tica do provimento é requisito para con\ufb01 gurar o interesse processual. Dessa 
forma, o autor detentor de título executivo não pode pleitear a cobrança do 
crédito quando o provimento não lhe seja útil.
\u2014 O crédito motivador que a Caixa Econômica Federal apresenta para 
provocar a atividade jurisdicional encontra-se muito aquém do valor razoável 
a justi\ufb01 car o custo social de sua preparação, bem como afasta a utilidade do 
provimento judicial.
-Não necessita de reparos o acórdão recorrido, porquanto acerta quando 
respeita o princípio da utilidade da atividade jurisdicional, diante de ação de 
execução fulcrada em valor insigni\ufb01 cante, ao passo que este Sodalício acata a 
extinção do processo em face do valor ín\ufb01 mo da execução.
\u2014 Precedentes da egrégia Primeira Turma.
\u2014 Recurso especial ao qual se nega provimento.
(STJ. REsp 601356 / PE ; RECURSO ESPECIAL 2003/0193819-0. Mi-
nistro FRANCIULLI NETTO. 2ª Turma. Julgado em 18/03/2004).
(b.2) Processual civil. Ação de prestação de contas promovida por condo-
mínio em face de ex-síndico. Interesse de agir. O interesse de agir ou interesse 
processual é a utilidade do provimento jurisdicional pretendido pelo deman-
dante (CÂNDIDO RANGEL DINAMARCO), veri\ufb01 cado pela presença de 
dois elementos, a saber, a necessidade da tutela jurisdicional \u2014 seja pela veda-
ção da autotutela, seja por existência de interesses que só podem ser tutelados 
judicialmente \u2014 e adequação do provimento pleiteado \u2014 necessidade que 
o demandante tenha vindo a Juízo em busca do provimento adequado para 
a tutela da posição jurídica de vantagem narrada por ele na petição inicial, 
valendo-se da via processual adequada. Preenchimento de ambos os requisi-
tos. Perda de objeto. Termo de responsabilidade \ufb01 rmado pelo representante 
legal do condomínio onde o mesmo dá ao ex-síndico plena e geral quitação 
após a conferência dos balancetes da sua administração. Documento que, por 
si só, não é su\ufb01 ciente para a extinção do processo pela perda do objeto. Des-
tituição do ex-síndico e conseqüente nomeação do atual síndico feita por as-
sembléia irregular. Até que a assembléia que destituiu o ex-síndico e nomeou 
TEORIA GERAL DO PROCESSO
FGV DIREITO RIO 91
o atual síndico seja anulada, a mesma persiste como válida. Chamamento ao 
processo das demais pessoas que integram a equipe administrativa do con-
domínio, ou seja, os subsíndicos e os membros do Conselho Consultivo. As 
hipóteses de chamamento ao processo previstas no art. 77 do CPC encerram 
situações de relação obrigacional que não existem no caso concreto. O le-
gitimado passivo na ação de prestação de contas ajuizada pelo condomínio 
é o síndico, a teor do art. 1348, VIII do Código Civil. Agravo improvido. 
(TJ/RJ. Proc. 2006.002.20768 \u2014 AGRAVO DE INSTRUMENTO DES. 
ALEXANDRE MESQUITA \u2014 Julgamento: 13/12/2006 \u2014 DECIMA SE-
TIMA CAMARA CIVEL).
(b.3) Medida Cautelar Inominada. Sentença julgando extinto o processo, 
sem exame do mérito, por inépcia da inicial e por falta de interesse de agir 
da autora. Inconformismo. Entendimento desta Relatora no sentido de que 
a autora não esclareceu corretamente qual a ação principal da Medida Cau-
telar preparatória, mas apenas o que desejaria ali discutir. Impossibilidade 
de entrega das chaves à mutuária, ante a confessa inadimplência das pres-
tações ajustadas, inclusive a nominada como \u201cparcela das chaves\u201d. Ausente 
do binômio necessidade da tutela jurisdicional e adequação do provimento 
pleiteado, que con\ufb01 guram a existência do interesse de agir. Aventura jurí-
dica corretamente rechaçada. Conhecimento do recurso e improvimento 
do apelo. (TJ/RJ. Proc. 2005.001.36116 \u2014 APELACAO CIVEL. DES. 
CONCEICAO MOUSNIER \u2014 Julgamento: 26/10/2005 \u2014 SEGUNDA 
CAMARA CIVEL).
(b.4) APELAÇÃO CÍVEL \u2014 EXECUÇÃO FISCAL DE DÍVIDA ATIVA 
NÃO TRIBUTÁRIA \u2014 INADEQUAÇÃO DA VIA ELEITA EXECUÇÃO 
POR TÍTULO EXTRAJUDICIAL \u2014 INOBSERVÂNCIA DO PROCE-
DIMENTO REGULADO PELA LEI 6830/80 APLICAÇÃO SUBSIDIÁ-
RIA DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL EXTINÇÃO ANÔMALA DA 
EXECUÇÃO \u2014 FALTA DE INTERESSE DE AGIR \u2014 BINÔMIO INTE-
RESSE/ADEQUAÇÃO \u2014 ART. 267, VI, DO CPC \u2014 CONDENAÇÃO 
CONCERNENTE AO PAGAMENTO DA TAXA JUDICIÁRIA E DAS 
CUSTAS PROCESSUAIS \u2014 ISENÇÃO \u2014 RECURSO CONHECIDO 
E PARCIALMENTE PROVIDO. TJ/RJ. 2006.001.26827 \u2014 APELACAO 
CIVEL DES. MARIO GUIMARAES NETO \u2014 Julgamento: 26/09/2006 
\u2014 PRIMEIRA CÂMARA CIVEL).
TEORIA GERAL DO PROCESSO
FGV DIREITO RIO 92
(c) Legitimidade. Ação Penal. Crimes contra os Costumes
EMENTA: \u201cHABEAS CORPUS\u201d. ESTUPRO COM VIOLÊNCIA 
REAL: AÇÃO PENAL PÚBLICA INCONDICIONADA (SÚMULA 608). 
RETRATAÇÃO DA REPRESENTANTE LEGAL DA VÍTIMA: INEFI-
CÁCIA. 1. O emprego de violência real para a consumação do delito de 
estupro, resultando em lesões corporais na vítima, con\ufb01 gura crime complexo 
que atrai para si a aplicação do disposto no art. 101 do Código Penal e afasta 
a incidência do art. 225 do mesmo Código, porquanto as lesões corporais ad-
mitem ação penal pública incondicionada. 2. E irrelevante a discussão acerca 
da validade ou não da retratação da representante legal da vítima diante de 
crime de estupro com violência real, cuja iniciativa para promover a ação 
penal cabe ao Ministério Público. 3. \u201cHabeas Corpus\u201d indeferido.
(HC 73411 / MG \u2014 MINAS GERAIS. Relator(a): Min. MAURÍCIO 
CORRÊA
Julgamento: 13/02/1996 Órgão Julgador: SEGUNDA TURMA Publica-
ção: DJ 03-05-1996 PP-13902 EMENT VOL-01826-03 PP-00439)
(d) Justa Causa e Ação Penal
(d.1) Ementa: PENAL E PROCESSO PENAL. \u2014 CRIME DE HOMI-
CÍDIO. DENÚNCIA.\u2014 FALTA DE JUSTA CAUSA. \u2014 REJEIÇÃO. A 
denúncia apta a de\ufb02 agrar a ação penal respectiva deve estar escorada em su\ufb01 -
ciente elemento de convicção, ainda que de caráter indiciária, não podendo 
ser o resultado da vontade pessoal e arbitrária do acusador. O Ministério Pú-
blico, para validamente formular a denúncia penal, deve ter por suporte uma 
necessária base empírica, a \ufb01 m de que o exercício desse grave dever-poder não 
se transforme em um instrumento de injusta
Luiz
Luiz fez um comentário
2010
0 aprovações
Iran
Iran fez um comentário
Hoje é domingo, preciso sair, volto amanhã para aproveitar muito desse precioso trabalho do Passei Direto. TGP é a espinha dorsal da atividade processual. Valeu.
2 aprovações
ELYELSON
ELYELSON fez um comentário
Muito obrigado pela Divina Nobreza da sua parte.
1 aprovações
denys
denys fez um comentário
ótima apostila!
1 aprovações
Carolina
Carolina fez um comentário
mto bom!!!
2 aprovações
Carregar mais