Unidade 3 - Lotes Economicos de Compra e de Fabricacao - 2007.2

Unidade 3 - Lotes Economicos de Compra e de Fabricacao - 2007.2


DisciplinaGestão da Cadeia de Suprimentos9.050 materiais78.032 seguidores
Pré-visualização1 página
*
*
*
3
LOTES ECONÔMICOS
 DE COMPRA E DE FABRICAÇÃO
1. REGISTROS DOS ESTOQUES
\uf0e8 Tradicionalmente os materiais de estoques eram controlados por meio das fichas de estoque, ainda hoje muito comum nas empresas, mesmo com o alto grau de informatização vigente.
\uf0e8	Uma ficha de estoque contém normalmente as seguintes informações:
	\uf0fc nome e código do item;
	\uf0fc classificação ABC;
	\uf0fc endereço do item;
	\uf0fc ponto de reposição ou ponto de pedido;
	\uf0fc estoque de segurança;
	\uf0fc fornecedores;
	\uf0fc movimentação (data e saldo inicial, data e quanti-	dade recebida, data e quantidade expedida e data
		e saldo final).
GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS
3. LOTES ECONÔMICOS DE COMPRA E DE FABRICAÇÃO
Prof. Altair Fontes
*
*
*
Modelo de ficha de estoque
2. LOTE ECONÔMICO DE COMPRA
\uf0e8 O custo total de estocagem (CT) é igual a soma dos custos diretamente proporcionais ao estoque médio, com os custos inversamente proporcionais e com os custos independentes do estoque médio.
	Ou seja:
	 CT = (CA + i x P) x Q/2 + (CP) x D/Q + CI
\uf0e8 Os custos diretamente proporcionais ao estoque médio são também chamados de custos de carregamento dos estoques ou carrying costs (CC).
GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS
3. LOTES ECONÔMICOS DE COMPRA E DE FABRICAÇÃO
Prof. Altair Fontes
*
*
*
\uf0e8 Já que CC é igual a (CA + i x P), o custo total de estocagem adquiriu a seguinte fórmula:
	 CT = (CC) x Q/2 + (CP) x D/Q + CI
 Custo total em função do lote de compra Q 
\uf0e8 Observa-se que:
	1. Os custos de carregamento (CC) aumentam com o 	aumento do tamanho do lote de compra (Q) e, 	conseqüentemente, com o aumento do estoque 	médio. São portanto, diretamente proporcionais.
	2. Os custos de obtenção (CP) diminuem com o 	aumento do tamanho do lote de compra (Q) e, 	conseqüentemente, com o aumento do estoque 	médio. São portanto, inversamente proporcionais.
	3. Os custos independentes (CI) não variam com o 	tamanho do lote de compra (Q).
	4. O custo total (CT) diminui até atingir um valor 	mínimo e cresce em seguida. 
GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS
3. LOTES ECONÔMICOS DE COMPRA E DE FABRICAÇÃO
Prof. Altair Fontes
*
*
*
\uf0e8 Para se deduzir a expressão do lote econômico de compra (LEC), basta derivar a equação do custo total em relação a Q, igualando-se a zero (ponto de mínimo):
	 (CA + i x P) - CP x D
					= 0
			2 Q2
\uf0e8 A solução dessa equação leva ao valor de Q que minimiza o custo total (CT). É este o Q (QLEC) que recebe o nome de lote econômico de compras, ou LEC.
 
				 2CP x D
		 LEC = QLEC= 
			 (CA + i x P) 						
			 ou
 
 2CP x D
		 LEC = QLEC= 
 CC
\uf03d Exercícios 1, 2, 3 e 4: ver folha de exercícios.		
GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS
3. LOTES ECONÔMICOS DE COMPRA E DE FABRICAÇÃO
Prof. Altair Fontes
*
*
*
3. LOTE ECONÔMICO DE FABRICAÇÃO
\uf0e8 O lote econômico de fabricação se aplica quando uma empresa, normalmente manufatureira, fabrica internamente itens, peças ou componentes utilizados em outra parte do processo produtivo.
Assim, podemos considerar três casos:
	1º Caso: V \uf03e D 
	A velocidade (V) com que a peça é fabricada, também chamada de cadência de fabricação, é maior que a demanda (D), que é a velocidade com que é consumida.
	Neste caso há um acúmulo de peças fabricadas e justifica-se o lote de fabricação.
	2º Caso: V = D 
	A velocidade com que a peça é fabricada é igual à demanda com que é consumida.
	Neste caso não há acúmulo de peças produzidas e, conseqüentemente, não há sentido em se falar em lote de fabricação.
	
	3º Caso: V \uf03c D
	A velocidade com que a peça é fabricada é menor que a velocidade com que é consumida. Evidentemente não haverá formação de lote de fabricação; muito pelo contrário, a empresa deverá comprar de terceiros a peça que será utilizada na montagem do produto final.
GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS
3. LOTES ECONÔMICOS DE COMPRA E DE FABRICAÇÃO
Prof. Altair Fontes
*
*
*
\uf0e8 A expressão que, de modo similar ao lote de compras, calcula os custos totais (CT) decorrentes da existência dos estoques será:
 CT = (CA + i x P) x Q/2 x (1 - D/V) + (CP) x D/Q + CI
 ou
CT = CC x Q/2 x (1 - D/V) + (CP) x D/Q + CI
\uf0e8 O lote de fabricação Q que minimiza o custo total (CT) 	é o denominado lote econômico de fabricação (LEF).
 2CP x D
	 LEF =
		 (CA + i x P) x (1 - D/V) 					
	
	 ou
 
 2CP x D
	 LEF =
 CC x (1 - D/V) 
\uf0e8 Observe que no caso do lote econômico de fabricação, 	os custos de preparação (CP) referem-se aos custos de 	preparação das ordens de fabricação (custos de 	emissão das ordens de fabricação mais custos de 	preparação de máquinas - setup).
GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS
3. LOTES ECONÔMICOS DE COMPRA E DE FABRICAÇÃO
Prof. Altair Fontes
*
*
*
\uf0e8 Veja também que enquanto no LEC o P referia-se ao 	preço de compra do item, no caso do LEF o P refere-se 	ao custo de fabricação do item.
\uf03d Exercícios 5, 6 e 7: ver folha de exercícios.
4. CRÍTICAS AO LEC E AO LEF
1- O relacionamento entre o pessoal de compras da 	empresa e os fornecedores dá-se mais em função 	das parcerias estabelecidas e seus interesses 	recíprocos do que em função de eventuais vantagens 	de compras em lotes econômicos.
2- A tendência das empresas é fabricar o estritamente 	necessário para o uso imediato. Com base no Just-in-	Time, o lote ideal é aquele de uma única peça, e não o 	econômico. A tendência atual é que as empresas 	invistam na melhoria de seus esquemas de 	distribuição justamente para que possam trabalhar 	com menores estoques e, portanto, menores lotes de 	compra.
3- A curva do custo total (CT) é extremamente achatada 	nas imediações do ponto de mínimo, o ponto do lote 	econômico. Assim, valores diferentes do LEC e do 	LEF levam muitas vezes ao mesmo custo mínimo.
GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS
3. LOTES ECONÔMICOS DE COMPRA E DE FABRICAÇÃO
Prof. Altair Fontes
*
*
*
GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS
3. LOTES ECONÔMICOS DE COMPRA E DE FABRICAÇÃO
Prof. Altair Fontes
BIBLIOGRAFIA
 
- DIAS, Marco Aurélio P. Administração de materiais: princípios, conceitos e gestão. São Paulo: Atlas, 2005.
 
- MARTINS, Petrônio Garcia; ALT, Paulo Renato Campos. Administração de materiais e recursos patrimoniais. São Paulo: Saraiva, 2000.
 
- POZO, Hamilton. Administração de recursos materiais e patrimoniais: uma abordagem logística. São Paulo: Atlas, 2001.
 
- VIANA, João José. Administração de materiais: um enfoque prático. São Paulo: Atlas, 2002. 
RF_MS_UFRRJ
RF_MS_UFRRJ
RF_MS_UFRRJ
RF_MS_UFRRJ
RF_MS_UFRRJ
RF_MS_UFRRJ
RF_MS_UFRRJ
RF_MS_UFRRJ