TELECOMUNICAÇÕES
185 pág.

TELECOMUNICAÇÕES


DisciplinaPropagação e Antenas115 materiais1.602 seguidores
Pré-visualização28 páginas
TELECOMUNICAÇÕES
CAPÍTULO II - CATEGORIA DE SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO DE DADOS
1. INTRODUÇÃO
	Sistemas de transmissão de dados possuem uma grande variedade de aplicações, devendo possuir características de acordo com a aplicação específica.
	Provavelmente, a forma mais comum de sistema é aquela em que temos vários terminais remotos manuseados por vários usuários, conectados a um computador. As características de resposta e a forma utilizada para envio dos dados definem o tipo de sistema em questão.
2. SISTEMAS ON-LINE e OFF-LINE
	Muitos sistemas não requerem características de resposta em TEMPO REAL (real-time), e são utilizados meramente para mover uma quantidade de dados de um ponto a outro. O link de comunicação, neste caso, pode ser on-line ou off-line. Um sistema ON-LINE pode ser definido como aquele em que os dados de entrada são enviados diretamente ao host, do ponto de origem, e/ou os dados de saída são transmitidos diretamente ao ponto em que eles serão usados; estágios intermediários de armazenagem de dados (disco magnético, por exemplo) são evitados neste tipo de sistema. No sistema OFF-LINE os dados de entrada não são enviados diretamente ao host, mas são armazenados em algum meio intermediário (discos magnéticos, fitas magnéticas, etc...) para posterior processamento. Os dispositivos off-line são utilizados para preparação de uma fita, disco ou cartão, para posterior transmissão. Neste caso, o terminal é conectado a uma perfuradora de cartão ou gravadora de disco/fita. Posteriormente esses dados são transmitidos ao host utilizando-se de um equipamento on-line (leitora de cartão, fita ou disco). De um modo geral, os dados oriundos do terminal são gravados na \u201cmemória\u201d intermediária em baixa velocidade e, posteriormente, transmitidos ao host em alta velocidade. Note, ainda, que no sistema off-line não há comunicação direta entre o terminal e o host.
3. SISTEMAS INTERATIVOS E NÃO-INTERATIVOS
	Sistemas off-line são sistemas não-interativos, uma vez que o host não está diretamente conectado ao ponto de origem de dados.
	Alguns sistemas on-line podem também ser não-interativos. O host, neste caso, pode simplesmente receber uma transmissão batch e não ter necessidade de respondê-la. Esses sistemas, muitas vezes, possuem resposta interativa somente no que diz respeito à mensagem de confirmação da recepção correta da mensagem.
	A maior parte das transmissões em que operadores humanos estão envolvidos é interativa; de fato, não constitui um bom design aquele em que o operador fica sem saber se a operação requerida foi completada com sucesso ou não. Em terminais de baixo custo, entretanto, podemos ter a implementação de forma não-interativa.
	Para sistemas não-interativos, ou sistemas que possuem um nível de resposta bastante rudimentar, existe fluxo de dados considerável em apenas um sentido (entretanto, na maioria das vezes, necessitamos do canal de retorno para transmissão de sinais de controle). Em sistemas interativos, por outro lado, podemos ter um grande fluxo de informações em ambas as direções.
	A figura 2.1 ilustra algumas categorias de sistemas de transmissão de dados.
 
Figura 2.1 - Categorias de Sistemas de Transmissão de Dados.
4. QUANTIDADE DE DADOS TRANSMITIDOS
	A quantidade de dados transmitidos varia enormemente de um sistema para outro. Em um extremo, um arquivo inteiro é transmitido; no outro, necessitamos apenas indicar uma condição sim/não (que pode ser feito com 1 bit). Algumas vezes uma única transação é transmitida; em outras, as transações são agrupadas e transmitidas de forma batch. A transmissão batch é escolhida quando nenhuma ação imediata é requerida, uma vez que esta transmissão é menos dispendiosa.
5. TEMPO PARA TRANSMISSÃO
	O tempo requerido para a transmissão dos dados e obtenção da resposta à ação solicitada depende de cada sistema em particular. Em sistemas onde os dados são transmitidos de forma BATCH, os tempos envolvidos podem ser da ordem de horas. Já em sistemas onde há um diálogo homem-máquina, devemos informar ao operador o resultado das ações executadas, dentro de um prazo que não cause desconforto ou insatisfação ao mesmo; nestes sistemas, tempos da ordem de 1 a 5 segundos são valores comuns. Ainda, existem outros tipos de sistema onde os dados transmitidos são analisados pelo host e utilizados para controlar o processamento de determinados equipamentos. Esses sistemas operam, de um modo geral, no modo REAL-TIME, onde o tempo de resposta gira em torno de milisegundos (podendo chegar, em alguns casos, a alguns minutos).
	Neste ponto é conveniente definirmos tempos de resposta (para um sistema com operador) e tempo de \u201centrega\u201d- delivery time - (para sistemas não-interativos):
- Tempo de Resposta: é o intervalo de tempo decorrido entre o instante em que o operador pressiona a última tecla de entrada e o instante em que o terminal mostra o primeiro caracter da mensagem de resposta;
	
- Tempo de Entrega: é o intervalo de tempo entre o início da transmissão dos dados (pelo terminal transmissor) e a recepção completa dos mesmos (pelo terminal receptor)
6. SISTEMAS DE TEMPO-COMPARTILHADO (TIME-SHARING)
	Vamos admitir um sistema onde os dados são coletados por um terminal de baixa velocidade e enviados diretamente ao host para processamento. A velocidade com que os dados são manipulados pelo terminal (digitados, lidos e interpretados pelo operador) é muitas vezes inferior à velocidade de processamento do host. Assim, parece natural que aproveitemos os intervalos de processamento para um dado terminal para processar dados de outros terminais. Esta idéia dá origem ao sistema em tempo-compartilhado.
	No sistema em tempo-compartilhado, a capacidade de processamento é utilizada por vários usuários. Assim, quando o computador termina (ou interrompe temporariamente) o processamento de um usuário, ele desvia sua atenção para outro usuário.
	Dependendo da forma de implementação do sistema, os usuários tem a impressão de que estão sendo atendidos ao mesmo tempo, quando na verdade o atendimento não pode ser simultâneo. Ainda, podemos ter usuários com maior prioridade de atendimento, que terão seus processamentos terminados mais rapidamente que o processamento dos demais.
7. TIPOS DE SISTEMA
	Para encerrarmos esta unidade, fornecemos na tabela 2.1 uma lista de alguns tipos de sistemas de transmissão de dados, com suas respectivas características.
	
	ON-LINE
 OU 
OFF-LINE
	
INTERATIVO ?
	TEMPO DE RESPOSTA TÍPICO
	TEMPO DE ENTREGA 
TÍPICO
	SISTEMA DE COLETA DE DADOS
	
ON ou OFF
	
SIM ou NÃO
	
1 - 5 s
	
-
	SISTEMA DE ALARME
	ON
	SIM ou NÃO
	1 - 20 s
	-
	MONITOR MÁQUINAS
	ON ou OFF
	SIM ou NÃO
	GRANDE VARIAÇÃO
	-
	TELEMETRIA
	ON ou OFF
	SIM ou NÃO
	-
	CURTO
	CONTROLE DE PROCESSO
	ON
	SIM ou NÃO
	1s - 10 min.
	-
	TRANSMISSÃO
BATCH
	ON ou OFF
	NÃO
	
	DEPENDE DO
BATCH
	TRANSMISSAO
INTERCOMPUT.
	ON
	SIM
	0.1 - 1 s
	-
	SISTEMAS COMERCIAIS TEMPO-REAL*
	
ON
	
SIM
	
1 - 5 s
	
-
* Reservas de Companhias Aéreas
 Sistemas Bancários
 Sistema POS
 Informações de Crédito
 TEF
8. BIBLIOGRAFIA
1) MARTIM, James. Introduction to Teleprocessing. Prentice-Hall, Inc. New Jersey, 1972.
2) FREEMAN, Roger L.. Telecommunication System Engineering. John Wiley & New York, 1980. 
CAPÍTULO III - MODOS DE TRANSMISSÃO
1. INTRODUÇÃO
	A linha de comunicação é o meio que transporta a mensagem em um sistema de comunicação de dados. Freqüentemente, o meio utilizado é uma linha telefônica (discada ou dedicada). Ou seja, na maioria dos casos, utilizamos a Rede Telefônica - aproveitando seu alcance e flexibilidade - como meio de transmissão para a rede de comunicação de dados.
	No design de um sistema de processamento de dados devemos definir se a linha deve transmitir os dados em uma direção apenas ou em ambas. Se a transmissão for em ambas direções, precisamos definir se a transmissão pode ser feita simultaneamente nas duas direções. Ainda, temos outras considerações a fazer no tocante a:
	-