Apostila Dir Adm e Constit - Univ. Estacio
54 pág.

Apostila Dir Adm e Constit - Univ. Estacio


DisciplinaDireito Administrativo I61.073 materiais1.081.884 seguidores
Pré-visualização22 páginas
nº 18, 1998) 
 XVI - é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos, exceto, quando 
houver compatibilidade de horários: 
 
CURSO DE DIREITO 
DISCIPLINA: CONCURSO T.R.E./2005 
 
Universidade Estácio de Sá Marcelo Carneiro 
Campus Resende - Direito Professor 
 
32
 XVII - a proibição de acumular estende-se a empregos e funções e abrange 
autarquias, empresas públicas, sociedades de economia mista e fundações 
mantidas pelo Poder Público; 
 XIII - é vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer espécies 
remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público; 
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) 
 
 A vedação de vinculação visa evitar o chamado \u201cefeito cascata\u201d. A equiparação de 
salário ao salário mínimo, por exemplo, levaria a um aumento automático na folha de 
pagamento, justamente, o que se quis evitar. 
 
 XIV - os acréscimos pecuniários percebidos por servidor público não serão 
computados nem acumulados para fins de concessão de acréscimos ulteriores; 
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) 
 
 A vedação ora imposta está adstrita ao Princípio da Moralidade. A acumulação, por 
exemplo, de acréscimos sobre salário com verbas anteriormente incorporadas, é uma 
distorção, já que, a rigor, todo acréscimo há de ser computado sobre o salário-base. 
 
 XV - o subsídio e os vencimentos dos ocupantes de cargos e empregos 
públicos são irredutíveis, ressalvado o disposto nos incisos XI e XIV deste artigo e 
nos arts. 39, § 4º, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I; (Redação dada pela Emenda 
Constitucional nº 19, de 1998) 
 
 A irredutibilidade já era garantida antes da EC 19/98. O art. 39, § 4º trata do subsídio 
único, sendo que, conforme citado anteriormente, teve sua eficácia suspensa em razão 
de decisão administrativa do STF. 
 
Art. 39, § 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Ministros de Estado 
e os Secretários Estaduais e Municipais serão remunerados exclusivamente por subsídio 
fixado em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono, 
prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória, obedecido, em 
qualquer caso, o disposto no art. 37, X e XI. (Redação dada pela Emenda Constitucional 
nº 19, de 1998). 
 
 XVI - é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos, exceto, quando 
houver compatibilidade de horários, observado em qualquer caso o disposto no 
inciso XI. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) 
 a) a de dois cargos de professor; (Incluída pela Emenda Constitucional nº 19, 
de 1998) 
 b) a de um cargo de professor com outro técnico ou científico; (Incluída pela 
Emenda Constitucional nº 19, de 1998) 
 c) a de dois cargos privativos de médico; (Incluída pela Emenda 
Constitucional nº 19, de 1998) 
 c) a de dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde, com 
profissões regulamentadas; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 34, de 
2001) 
 XVII - a proibição de acumular estende-se a empregos e funções e abrange 
autarquias, fundações, empresas públicas, sociedades de economia mista, suas 
subsidiárias, e sociedades controladas, direta ou indiretamente, pelo poder 
público; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) 
 
 
CURSO DE DIREITO 
DISCIPLINA: CONCURSO T.R.E./2005 
 
Universidade Estácio de Sá Marcelo Carneiro 
Campus Resende - Direito Professor 
 
33
 
 Outra manifestação do Princípio da Moralidade, onde se visa evitar o acúmulo de 
cargos, empregos e funções, sob a visão de que, salvo em casos excepcionais, não há 
como compatibilizar o efetivo trabalho com vários cargos. 
 Além das hipóteses previstas no inciso XVI, pode o servidor público eleito vereador 
manter as duas funções, desde que haja compatibilidade de horário. Promotores (art. 
128, § 5º, II, \u201cd\u201d) e Juízes (art. 95, I) podem, ainda, acumular cargo de professor. 
 
 XVIII - a administração fazendária e seus servidores fiscais terão, dentro de 
suas áreas de competência e jurisdição, precedência sobre os demais setores 
administrativos, na forma da lei; 
 
 Em razão de sua importância estratégica, a administração fazendária assume certos 
poderes coercitivos de forma a cumprir suas missões, de forma que pode, por 
exemplo, requisitar auxílio de força policial estadual para garantir uma diligência. 
 
 XIX - somente por lei específica poderão ser criadas empresa pública , 
sociedade de economia mista, autarquia ou fundação pública; 
 XIX \u2013 somente por lei específica poderá ser criada autarquia e autorizada a 
instituição de empresa pública, de sociedade de economia mista e de fundação, 
cabendo à lei complementar, neste último caso, definir as áreas de sua atuação; 
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) 
 XX - depende de autorização legislativa, em cada caso, a criação de 
subsidiárias das entidades mencionadas no inciso anterior, assim como a 
participação de qualquer delas em empresa privada; 
 
 Sem maiores complicações, aplica-se aqui o Princípio da Legalidade em toda a sua 
plenitude. Ainda que as empresas públicas e sociedades de economia mista atuem 
como empresas privadas e seus empregados sejam celetistas, sua criação dar-se-á 
sempre mediante lei. 
 
 XXI - ressalvados os casos especificados na legislação, as obras, serviços, 
compras e alienações serão contratados mediante processo de licitação pública 
que assegure igualdade de condições a todos os concorrentes, com cláusulas que 
estabeleçam obrigações de pagamento, mantidas as condições efetivas da 
proposta, nos termos da lei, o qual somente permitirá as exigências de 
qualificação técnica e econômica indispensáveis à garantia do cumprimento das 
obrigações. 
 
 A licitação vem a ser um dos instrumentos mais importantes do Princípio da Igualdade, 
da Moralidade e da Eficiência. Ao sujeitar toda administração pública à exigência de 
licitação, buscou o legislador, evitar o favorecimento e a corrupção, determinando que 
seja sempre escolhida a proposta mais vantajosa, tanto para compra e serviços quanto 
para obras. 
 O prof. Carvalho Filho lembra que a responsabilidade objetiva é fruto de profundo 
processo evolutivo, já que \u201cdispensa a verificação do fator culpa em relação ao fato 
danoso. Por isso, ela incide em decorrência de fatos lícitos ou ilícitos, bastando que o 
interessado comprove a relação causal entre fato e dano.\u201d29 
 
 
 
29 CARVALHO Filho, José dos Santos \u2013 Manual de Direito Administrativo, Ed. Lúmen Júris \u2013 p. 434. 
 
CURSO DE DIREITO 
DISCIPLINA: CONCURSO T.R.E./2005 
 
Universidade Estácio de Sá Marcelo Carneiro 
Campus Resende - Direito Professor 
 
34
 XXII - as administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito Federal 
e dos Municípios, atividades essenciais ao funcionamento do Estado, exercidas 
por servidores de carreiras específicas, terão recursos prioritários para a 
realização de suas atividades e atuarão de forma integrada, inclusive com o 
compartilhamento de cadastros e de informações fiscais, na forma da lei ou 
convênio. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 42, de 19.12.2003) 
 § 1º - A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos 
órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, 
dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem