Apostila Dir Adm e Constit - Univ. Estacio
54 pág.

Apostila Dir Adm e Constit - Univ. Estacio


DisciplinaDireito Administrativo I61.172 materiais1.083.797 seguidores
Pré-visualização22 páginas
com o cargo, não poderá ocupa-lo. 
 Classe: Vem a ser o grupo de cargos de uma mesma atividade profissional. Deverão, 
obrigatoriamente ter as mesmas atribuições e vencimentos, dentre os demais direitos e 
deveres. 
 Carreira: Conjunto de classes da mesma profissão divididos de forma hierárquica. 
 Quadro: Vem a ser o conjunto de cargos e carreiras da administração. Não se admite 
o acesso de um quadro para outro, salvo no caso de o servidor realizar outro concurso 
público. 
 Lotação: Somatório de servidores que preenchem determinado setor da 
administração. O chefe do Poder pode movimentar o servidor para qualquer repartição 
desde que o cargo seja amplo, sem que esse possa se negar. 
 
 
 CARGOS: PROVIMENTO. 
 
 É o ingresso de direito de determinada pessoa no cargo, emprego ou função. Pode ser 
originário, ou seja, a entrada no serviço público, ou derivado, ou seja, modificação do 
vínculo já existente. 
 No que tange à sua duração, divide-se em: 
 
 EFETIVO: Deriva de concurso público. Após 03 anos de estágio probatório e aprovado 
em avaliação de desempenho, adquire estabilidade. 
 VITALÍCIO: A nomeação nesse caso, nem sempre deriva de concurso público, como é 
o caso dos Conselheiros dos Tribunais de Contas. Contudo, uma vez nomeados, o 
cargo é vitalício, respeitado o limite da aposentadoria compulsória. 
 EM COMISSÃO: o cargo de livre provimento em comissão é demissível ad nutum e 
jamais terá vínculo com a administração, salvo se já servidor, caso em que, uma vez 
exonerado, retorna ao cargo de origem. 
 
 Cada ente da administração pública, em razão da falta de unificação da legislação 
administrativa somada a independência federativa de cada ente, tem certa margem de 
liberalidade. No entanto, a regra geral relativa às formas de provimento estão bem 
representadas no art. 8º da Lei 8.112/90: 
 
 
 
 
CURSO DE DIREITO 
DISCIPLINA: CONCURSO T.R.E./2005 
 
Universidade Estácio de Sá Marcelo Carneiro 
Campus Resende - Direito Professor 
 
49
 
 
 Nomeação: A nomeação consiste no ato jurídico responsável pelo ingresso do servidor 
na administração. No caso do servidor concursado, cumpridos os requisitos legais, 
ingressa em definitivo. A nomeação, no entanto, também é a forma de ingresso do 
ocupante de cargo de livre provimento em comissão. 
 Promoção: É o crescimento vertical do servidor dentro da própria carreira. Não se 
confunde com a progressão horizontal, em que há aumento de salário, sem salto na 
carreira. 
 Readaptação: É o caso típico do servidor que em virtude de sofrer alguma 
incompatibilidade com o trabalho, é reaproveitado em outra atividade. 
 Reversão: Consiste no retorno do aposentado por invalidez à atividade, uma vez findas 
as razões que ensejaram a aposentadoria. É opção do servidor, que não pode ser 
obrigado a retornar ao serviço. Caso o cargo esteja ocupado, não ficará em 
disponibilidade, mas sim, trabalhando como excedente, no aguardo de vaga. 
 Reintegração: É o retorno do servidor demitido ilegalmente que reingressa pela via 
judicial. Caso sua vaga originária esteja preenchida ou extinta, ficará em 
disponibilidade com vencimentos proporcionais. 
 Disponibilidade: Como já foi visto acima, a disponibilidade não pode ser utilizada como 
punição, pois é antes, um direito do servidor que reintegrado, encontra seu cargo vago 
ou extinto. Irá receber seus vencimentos mesmo sem trabalhar, embora a EC 19/98 
tenha determinado que os vencimentos serão proporcionais ao tempo de serviço. 
 Aproveitamento: É o retorno do servidor que se encontrava em disponibilidade, na 
hipótese de haver cargo compatível com o anterior. Ao contrário da reversão, o 
aproveitamento é obrigatório, não podendo o servidor se opor ao chamamento. 
 Recondução: Consiste no retorno de servidor ao seu cargo originário. Via de regra, 
ocorre quando servidor reprovado em estágio probatório retorna ao seu cargo de 
origem. Caso este servidor encontre seu cargo ocupado deverá ser aproveitado em 
outro e, não havendo vaga, irá para a disponibilidade. 
 
 VACÂNCIA. 
 
 É o resultado da destituição do cargo, emprego ou função pública. Via de regra, 
decorre de demissão, exoneração (motivada ou a pedido), aposentadoria, readaptação, 
falecimento ou mesmo posse em outro cargo. A Lei 8112/90 dispõe sobre a matéria 
em seu art. 33. 
 
 EXONERAÇÃO. 
 
 Vem a ser uma das formas de desligamento do poder público. Ao contrário do que se 
pensa, não tem caráter punitivo embora possa ocorrer ex officio, ou seja, bastando a 
vontade do administrador nos casos de dispensa dos ocupantes de cargos de confiança 
e funções gratificadas. Ocorre também em relação ao servidor em cargo efetivo, 
quando, p. exemplo, reprovado em estágio probatório ou, tendo passado por esse, não 
venha a tomar posse. Pode, ainda, ocorrer a pedido do próprio servidor.32 
 
 DEMISSÃO. 
 
 É a dispensa em caráter punitivo, via de regra, em razão de infração cometida pelo 
servidor. No caso específico do servidor público da União, a matéria está regida no art. 
132, da Lei nº 8112/90. 
 
 
32 ver artigos 34 e 35 da Lei nº 8112/90. 
 
CURSO DE DIREITO 
DISCIPLINA: CONCURSO T.R.E./2005 
 
Universidade Estácio de Sá Marcelo Carneiro 
Campus Resende - Direito Professor 
 
50
 
 POSSE. 
 
 É a investidura de fato de determinada pessoa no cargo, emprego ou função. Nesse 
instante, ao tomar posse, o servidor passa a gozar das prerrogativas do cargo e sujeito 
aos deveres e responsabilidades inerentes. Poderá praticar, portanto, o exercício do 
cargo para o qual foi nomeado. 
 
 EXERCÍCIO. 
 
 O exercício vem a ser o real desempenho das funções decorrentes do cargo provido. 
No que tange a posse e exercício, na esfera federal, a matéria está prevista no art. 12, 
§ 1º da Lei 8112/90. 
 
 ESTABILIDADE. 
 
Art. 41. São estáveis após três anos de efetivo exercício os servidores nomeados 
para cargo de provimento efetivo em virtude de concurso público. (Redação 
dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) 
 
 De acordo com o art. 41, da CR a estabilidade se dá após 03 anos de efetivo serviço, 
de modo, que efetividade e estabilidade não se confundem, embora a primeira seja 
requisito essencial desta. Segundo o mestre Hely Lopes Meirelles, ultrapassada a fase 
de concurso e do estágio probatório, o servidor tem a garantia de permanência no 
cargo, ou seja, a estabilidade, a qual, somente poderá perder nas hipóteses legais 
previstas nos parágrafos §1º a 4º do mesmo artigo e a hipótese de excesso do limite 
com despesa de pessoal33. 
 
 ESTÁGIO PROBATÓRIO. 
 
 Entende-se estágio probatório o período estabelecido pela Constituição em que o 
servidor, mediante critérios objetivos, será diariamente avaliado, cujo somatório levará 
a uma avaliação final. Aprovado, será empossado no cargo definitivamente e adquirirá 
estabilidade; reprovado, porém, será exonerado, ou retornará ao cargo anterior, se já 
for servidor estável. 
 O art. 20 da Lei 8112/90 estabelece as seguintes normas: 
 
 Art. 20. Ao entrar em exercício, o servidor nomeado para cargo de 
provimento efetivo ficará sujeito a estágio probatório por período de 24 (vinte e 
quatro) meses, durante o qual a sua aptidão e capacidade serão objeto de 
avaliação para o desempenho do cargo, observados os seguinte fatores: (vide 
EMC nº 19) 
 I - assiduidade; 
 II - disciplina; 
 III - capacidade de iniciativa; 
 IV - produtividade; 
 V- responsabilidade. 
 § 1o Quatro meses antes de findo o período do estágio probatório, será 
submetida à homologação da autoridade competente a avaliação do 
desempenho