Ap10-1417-PlanejAgreg-04-10

Ap10-1417-PlanejAgreg-04-10


DisciplinaPlanejamento e Controle da Produção1.508 materiais7.510 seguidores
Pré-visualização4 páginas
e demitem empregados dependendo da demanda das 	baixas e altas temporadas 
Exemplo 3: 	Fazendeiros só podem colher na época certa.
Exemplo 4: 	Os serviços postais têm de processar as correspondências tanto no período do 	natal, quanto em períodos de baixa demanda.
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
5/12/2005
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
*
5/12/2005
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
*
Estratégia de seguir a demanda (Cont.)
Variando o número de empregados ou apenas o nível de produção (não se acumulam estoques)
Procura-se variar a capacidade de produção para atender a demanda sem fazer estoques. O objetivo é \u201cminimizar estoque capacidade\u201d.
Deve ser adotada quando o produto não deve, ou não pode, ser estocado (produto sai de moda, se deteriora, ou é um serviço).
2a ETAPA - Identificar as possíveis políticas de capacidade (cont.)
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
5/12/2005
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
*
5/12/2005
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
*
Estratégia de seguir a demanda (Cont.)
VANTAGENS
Evita ociosidade e perda de demanda
Estoques pequenos ou nulos
2a ETAPA - Identificar as possíveis políticas de capacidade (cont.)
DESVANTAGENS
Exige grandes e freqüentes contratações e demissões se a demanda variar muito
Cria um ambiente de instabilidade e ansiedade, que gera insatisfação e baixo moral
Alto custo de recrutamento, treinamento e de indenizações
Prejudica a vida do empregado: Problemas com sindicatos
Não permite desenvolver o empregado nas suas habilidades, lealdade e visão do seu trabalho
Baixa produtividade, baixa qualidade
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
5/12/2005
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
*
5/12/2005
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
*
Estratégia de seguir a demanda (Cont.)
Modos de ajustar a capacidade (1/2)
Horas extras e tempo ocioso
Faz-se horas extras quando a demanda é maior que a capacidade nominal
Reduz-se as horas com operações produtivas, quando a demanda é maior que a capacidade nominal
O pessoal pode ser utilizado neste tempo ocioso para desenvolver outras atividades, como manutenção, limpeza, arrumação, etc
Usar pessoal em tempo parcial
Pode ser desvantajoso se os custos fixos para se manter o empregado forem altos, independente do tempo trabalhado pelo funcionário
2a ETAPA - Identificar as possíveis políticas de capacidade (cont.)
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
5/12/2005
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
*
5/12/2005
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
*
Estratégia de seguir a demanda (Cont.)
Modos de ajustar a capacidade (2/2)
Variar o tamanho da força de trabalho
Contrata-se e demite-se pessoas, quando a capacidade depende diretamente do tamanho da força de trabalho
Subcontratação
Faz uso da capacidade de outras organizações, durante picos de demanda, sem ter que investir no aumento de sua própria capacidade
Nem todo bem ou serviço pode ser subcontratado em função da confidencialidade do processo, do prazo desejado (disponibilidade da empresa a ser subcontratada), da qualidade requerida e existência de outra empresa que execute a tarefa desejada
2a ETAPA - Identificar as possíveis políticas de capacidade (cont.)
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
5/12/2005
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
*
5/12/2005
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
*
2a ETAPA - Identificar as possíveis políticas de capacidade (cont.)
Estratégia mista (combinação da nivelada e da de acompanhamento)
 Raramente uma das estratégias extremas anteriores será interessante para a empresa. Normalmente há de se considerar estratégias menos extremas, combinando variação da capacidade, da mão-de-obra e uso de estoques, ou alguma alternativa agressiva para deslocar a demanda das épocas de picos para as de baixa demanda.
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
5/12/2005
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
*
5/12/2005
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
*
O gráfico mostra que o plano atende toda a demanda e apresenta estoque de antecipação.
Representação gráfica cumulativa facilita verificação da viabilidade do plano
3a ETAPA - Escolher uma política de capacidade mais adequadas (cont.)
Estoque é a distância entre as curvas
Taxa de produção é a inclinação da curva
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
Grafico Cumulativo
		100		100		200		250		150
		150		250		200		450		200
		175		425		200		650		225
		150		575		200		850		275
		200		775		200		1050		275
		300		1075		200		1250		175
		350		1425		200		1450		25
		500		1925		600		2050		125
		650		2575		600		2650		75
		450		3025		600		3250		225
		200		3225		100		3350		125
		100		3325		100		3450		125
Demanda/Mês
DemandaAcum.
Produção
ProdAcum
EstFinal
Dados
		
		
		
		
				Mês		Jan		Fev		Mar		Abr		Mai		Jun		Jul		Ago		Set		Out		Nov		Dez		Custo
				Demanda/Mês		100		150		175		150		200		300		350		500		650		450		200		100
				DiasProd.		20		18		21		21		22		22		21		10		21		22		21		18
				Dem/diar.		5.0		8.3		8.3		7.1		9.1		13.6		16.7		50.0		31.0		20.5		9.5		5.6
				DiasAcum.		20		38		59		80		102		124		145		155		176		198		219		237
				DemandaAcum.		100		250		425		575		775		1075		1425		1925		2575		3025		3225		3325		14
				Hhoras		281		253		295		295		309		309		295		140		295		309		295		253
				Produção		200		200		200		200		200		200		200		600		600		600		100		100
				ProdAcum		250		450		650		850		1050		1250		1450		2050		2650		3250		3350		3450
				EstFinal		150		200		225		275		275		175		25		125		75		225		125		125
				EstoqueInicial		50
				CustoUnitDeEst.		40		36		42		42		44		44		42		20		42		44		42		36
				CustoDeEst.		6000		0		9450		11550		12100		7700		1050		2500		3150		9900		5250		4500		73150
5/12/2005
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
*
5/12/2005
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
*
Planilha de cálculo permite avaliar custos
3a ETAPA - Escolher uma política de capacidade mais adequadas (cont.)
Dados em vermelho
Custo de manter estoque
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
Grafico Cumulativo
		100		100		200		250		150
		150		250		200		450		200
		175		425		200		650		225
		150		575		200		850		275
		200		775		200		1050		275
		300		1075		200		1250		175
		350		1425		200		1450		25
		500		1925		600		2050		125
		650		2575		600		2650		75
		450		3025		600		3250		225
		200		3225		100		3350		125
		100		3325		100		3450		125
Demanda/Mês
DemandaAcum.
Produção
ProdAcum
EstFinal
Dados
		
		
		
		
				Mês		Jan		Fev		Mar		Abr		Mai		Jun		Jul		Ago		Set		Out		Nov		Dez		Custo
				Demanda/Mês		100		150		175		150		200		300		350		500		650		450		200		100
				DiasProd.		20		18		21		21		22		22		21		10		21		22		21		18
				Dem/diar.		5.0		8.3		8.3		7.1		9.1		13.6		16.7		50.0		31.0		20.5		9.5		5.6
				DiasAcum.		20		38		59		80		102		124		145		155		176		198		219		237
				DemandaAcum.		100		250		425		575		775		1075		1425		1925		2575		3025		3225		3325				14
				Prod. se nivelada		281		253		295		295		309		309		295		140		295		309		295		253
				Produção		200		200		200		200		200		200		200		600		600		600		100		100
				ProdAcum		250		450		650		850		1050		1250		1450		2050		2650		3250		3350		3450
				EstFinal		150		200		225		275		275		175		25		125		75		225		125		125
				EstoqueInicial		50
				CustoUnitDeEst.		40		36		42		42		44		44		42		20		42		44		42		36
				CustoDeEst.		6000		7200		9450		11550		12100		7700		1050		2500		3150		9900		5250		4500		80350
5/12/2005
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
*
5/12/2005
Gestão de Estoque na Cadeia de Suprimentos
*
As prioridades competitivas são afetadas pela política de capacidade
Custos - 	Capacidade >>	Demanda ® 	Altos custos unitários
Receitas - Capacidade > 		Demanda ® 	Atendimento completo da demanda, 									sem perda de receita
Custo					-Produção de estoques em antecipação à demanda (Capital de giro) 			® Permite atender a demanda apesar das limitações de 						capacidade, mas, a organização financia o estoque até 						que este seja vendido
Qualidade 					-Pode ser