DJi - Conflito Aparente de Normas - Tempo do Crime e Conflito Aparente de Normas
12 pág.

DJi - Conflito Aparente de Normas - Tempo do Crime e Conflito Aparente de Normas


DisciplinaDireito Penal I67.302 materiais1.085.796 seguidores
Pré-visualização4 páginas
- Índice Fundamental do Direito
Legislação - Jurisprudência - Modelos - Questionários - Grades
Conflito Aparente de Normas - Tempo do Crime
Conflito Aparente de Normas Penais Incriminadoras (ou concurso)
Conflito aparente de
normas penais
unidade de fato
pluralidade de normas penais incriminadoras
 Quando duas ou mais normas parecem regular o mesmo fato. unidade
de fato X pluralidade de normas. Obs. doutrinas penais.
 O conflito das normas penais não é real, porque a doutrina dá a
solução.
Princípios Solucionadores do Conflito
especialidade
consunção (absorção)
subsidiariedade
alternatividade
especialidade:
 A norma penal incriminadora especial (a que contempla toda
generalidade da mesma norma e acrescenta dados especializantes)
prevalece sobre a norma geral. "non pis in idem"
consunção (absorção):
1º.O crime maior absorve o menor
2º.O crime consumado absorve o crime tentado
3º.A autoria absorve a participação
4º.O crime fim absorve o crime meio
subsidiariedade:
 Anulação da Lei subsidiária pela Lei principal. Quando não há no fato
algum elemento do tipo geral.
obs.dji: Art. 132 e 146 do C.P.
alternatividade:
crime progressivo - Art. 129 - Art. 121 - Art. 157 CP.
(Revista Realizada por Suelen Anderson - Acadêmica em Ciências
Jurídicas - 17 de outubro de 2009)
Tempo do Crime e Conflito Aparente de Normas
"Art. 4º Considera-se praticado o crime no momento da ação ou
omissão, ainda que outro seja o momento do resultado.
Teorias sobre o momento do crime
a) Atividade: o crime reputa-se praticado no momento da conduta
comissiva ou omissiva.
b) Resultado: o crime é praticado no momento da produção do resultado.
c) Ubiqüidade ou mista: o crime considera-se praticado no momento da
conduta e no momento do resultado.
Referências
e/ou
Doutrinas
Relacionadas:
Ação Penal
Analogia
Aplicação da Norma
Jurídica
Aplicação da Lei
Penal
Aplicação da Pena
Arrependimento
Posterior
Circunstâncias
Classificação dos
Crimes
Comunicabilidade e
Incomunicabilidade
de Elementares e
Circunstâncias
Conatus
Concepção do
Direito Penal
Concurso
Concurso de Crimes
Concurso de Pessoas
Conduta
Conflito
Conflito de Normas
no Espaço
Contagem do Prazo
Crime
Crime Complexo
Crime Consumado
Crime Continuado
Crime Impossível
Crime Preterdoloso
ou Preterintencional
Crimes Culposos
Crimes Dolosos
Teoria adotada: o Código Penal adotou a teoria da atividade. Como
conseqüência principal, a imputabilidade do agente deve ser aferida no
momento em que o crime é praticado, pouco importando a data em que
o resultado venha a ocorrer.
Exemplo: um menor com 17 anos e 11 meses esfaqueia uma senhora, que
vem a falecer, em conseqüência desses golpes, 3 meses depois. Não
responde pelo crime, pois era inimputável à época da infração. No caso
de crime permanente, como a conduta se prolonga no tempo, o agente
responderia pelo delito. Assim, se o menor, com a mesma idade da
hipótese anterior, seqüestrasse a senhora, em vez de matá-Ia, e fosse
preso em flagrante 3 meses depois, responderia pelo crime, pois o estaria
cometendo na maioridade.
Em matéria de prescrição, o Código Penal adotou a teoria do resultado.
O lapso prescricional começa a correr a partir da consumação, e não do
dia em que se deu a ação delituosa (CP, art. 111, I).
Conflito aparente de normas
Conceito: é o conflito que se estabelece entre duas ou mais normas
aparentemente aplicáveis ao mesmo fato. Há conflito porque mais de uma
pretende regular o fato, mas é aparente, porque, com efeito, apenas uma
delas acaba sendo aplicada à hipótese.
Elementos: para que se configure o conflito aparente de normas é
necessária a presença de certos elementos:
unidade do fato (há somente uma infração penal);
pluralidade de normas (duas ou mais normas pretendendo regulá-lo);
aparente aplicação de todas as normas à espécie (a incidência de todas é
apenas aparente);
d) efetiva aplicação de apenas uma delas (somente uma é aplicável, razão
pela qual o conflito é aparente).
Solução do conflito aparente de normas: como dissemos há pouco, o
conflito que se estabelece entre as normas é apenas aparente, porque, na
realidade, somente uma delas acaba regulamentando o fato, ficando
afastadas as demais. A solução dá-se pela aplicação de alguns princípios,
os quais, ao mesmo tempo em que afastam as normas não incidentes,
apontam aquela que realmente regulamenta o caso concreto. Esses
princípios são chamados de "princípios que solucionam o conflito
aparente de normas".
Princípios que solucionam o conflito aparente de normas: são quatro:
a) especialidade;
b) subsidiariedade;
c) consunção;
d) alternatividade.
Especialidade - "Lex specialis derogat generali"
Conceito de norma especial: especial é a norma que possui todos os
elementos da geral e mais alguns, denominados especializantes, que
trazem um minus ou um plus de severidade (Nesse sentido, Damásio E.
de Jesus, Direito penal, ci1., 25. ed., p. 109, e Nélson Hungria,
Comentários, ci1., 4. ed., v. 1,1. 1, p. 138.). É como se tivéssemos duas
caixas praticamente iguais, em que uma se diferenciasse da outra em
razão de um laço, uma fita ou qualquer outro detalhe que a tome especial.
Culpabilidade
Desistência
Voluntária e
Arrependimento
Eficaz
Direito Normativo
Direito Penal
Direito Penal no
Estado Democrático
de Direito
Efeitos da
Condenação
Eficácia da Norma
Jurídica
Eficácia de Sentença
Estrangeira
Elementares
Erro de Tipo
Estado de
Necessidade
Estrito Cumprimento
de Dever Legal
Exercício Regular do
Direito
Exigibilidade de
Conduta Diversa
Extinção da
Punibilidade
Extraterritorialidade
da Lei Penal
Brasileira
Fato Típico
Fontes do Direito
Penal
Função Ético-Social
do Direito Penal
Heteronomia da
Norma Jurídica
Ilícito Penal
Ilicitude
Imputabilidade
Imputabilidade Penal
Interpretação da Lei
Penal
Irretroatividade da
Lei Penal
Legítima Defesa
Leis de Vigência
Temporária
Entre uma e outra, o fato se enquadra naquela que tem o algo a mais. O
infanticídio tem tudo o que o homicídio tem, e mais alguns elementos
especializantes: a vítima não pode ser qualquer "alguém", mas o próprio
filho da autora + o momento do crime deve se dar durante o parto ou
logo após + a autora deve estar sob influência do estado puerperal. O
tráfico internacional de entorpecentes se distingue do contrabando porque
se refere, especificamente, a um determinado tipo de mercadoria
proibida, qual seja, a substância entorpecente. A subtração de incapazes
se diferencia do seqüestro porque pressupõe que a vítima seja,
especificamente, menor de 18 anos ou interdito, e deve ser subtraída de
quem tem a sua guarda em virtude de lei ou ordem judicial. O estupro é o
constrangimento ilegal com uma finalidade específica: submeter a mulher à
conjunção carnal (embora também se possa cogitar do princípio da
subsidiariedade nesse caso, como adiante se verá). Tem-se assim, um
único fato, o qual na dúvida entre uma caixa comum (a norma genérica) e
uma com elementos especiais, opta pela última.
Conseqüência: a lei especial prevalece sobre a geral, a qual deixa de
incidir sobre aquela hipótese.
Comparação: para se saber qual norma é geral e qual é especial, não é
preciso analisar o fato concreto praticado, sendo suficiente que se
comparem abstratamente as descrições contidas nos tipos penais. Com
efeito, da mera leitura das definições típicas já se sabe qual norma é
especial. Na arguta observação de Damásio, " ... 0 princípio da
especialidade possui uma característica que o distingue dos demais: a
prevalência da norma especial sobre a geral se estabelece in abstracto,
pela comparação das definições abstratas contidas nas normas, enquanto
os outros exigem um confronto em concreto das leis que descrevem o
mesmo fato" (Direito penal, 23. ed., Saraiva, v. 1, p. 109.).
Outro dado de relevo é o de que a comparação entre as leis não se faz
da mais grave para a menos grave, nem da mais completa para a menos
completa. A norma especial pode descrever tanto um crime mais leve
quanto um