MPSMestLog28-04-10

MPSMestLog28-04-10


DisciplinaPlanejamento e Controle da Produção1.508 materiais7.507 seguidores
Pré-visualização4 páginas
*
1
DEI - PUC/Rio
Planejamento e controle da produção
Desagregação e Programa Mestre da Produção (MPS)
30/04/2010
*
Demanda Independente
Demanda por itens acabados (itens pais)
Definida pelo mercado
Usa técnicas de previsão de demandas
Demanda Dependente
Demanda por componentes (itens filhos)
Calculada em função dos níveis de rodução de seus pais 
Cada componente pode ter vários diferentes pais
DEI - PUC/Rio
Demandas Dependentes e Independentes
30/04/2010
1
*
O que é Programação Mestre da Produção?
No Planejamento Agregado determinou-se:
Recursos comuns que estarão disponíveis para a produção em cada período do horizonte de planejamento.
Nível dos estoques em cada período.
 Com o MPS vamos determinar quanto de cada produto final teremos que produzir em cada período.
 
2
DEI - PUC/Rio
Desagregação e Programação Mestre da Produção (MPS)
30/04/2010
*
3
DEI - PUC/Rio
Desagregação e Programação Mestre da Produção 
 O que é?
Desagregação é: 
Alocação da capacidade agregada a produtos individuais e a períodos menores.
Ligação entre o Planejamento Agregado (que dá origem ao plano anual de produção) e os planos táticos como o planejamento de necessidades de materiais - MRP (que dá origem ao plano de materiais).
30/04/2010
*
4
DEI - PUC/Rio
Desagregação e Programação Mestre da Produção 
 Desagregação
Distribuição da capacidade entre produtos e sub-períodos.
Cad. de ripas
Cad. de copa
Cad. de escrit.
Agregado
Abril
Maio
1
2
3
4
5
6
7
8
30
35
60
100
100
100
100
520
780
30
30
30
35
35
35
60
60
60
100
100
100
100
30/04/2010
*
5
DEI - PUC/Rio
Desagregação e Programação Mestre da Produção 
 Ligação entre planos
Desagregação da capacidade de produção fornece as metas de vendas para cada período de cada produto final no programa mestre.
O programa mestre da produção (MPS) fornece as necessidades dos produtos finais para o planejamento de materiais.
30/04/2010
*
6
DEI - PUC/Rio
Desagregação e Programação Mestre da Produção 
Previsão desagregada como entrada para o MPS
Plano de necessidades de materiais
Explosão do MRP
Programa Mestre de Produção autorizado (MPS)
Outras fontes de demanda
Lista de materiais
Projetos de engenharia e de processo
Registros de estoques
Transações de estoques
Previsão desagregada e pedidos firmes
30/04/2010
*
7
DEI - PUC/Rio
 150
Programação Mestre da Produção 
Desenvolvimento do plano para um produto
Item: Cadeira de ripas Lote: 150 unids. Lead time:1 semana
Estoque Proj.
Qtde. MPS
Em mão:
55
Abril
Maio
1
2
3
4
5
6
7
8
137
107
77
42
7
122
87
150
Início MPS
150
 150
 17
30/04/2010
*
8
DEI - PUC/Rio
Programação Mestre da Produção 
Disponível para venda (ATP)
O programa mestre é feito com base nos pedidos firmes e em previsões. Portanto, as quantidades que ele recomenda produzir incluem material que deverá estar disponível para vendas futuras.
Esse excesso material que ainda não foi comprometido para atendimento de pedidos firmes é chamado \u201cdisponível para prometer\u201d, ou \u201cAvailable To Promise - ATP\u201d, ou \u201cdisponível para vendas\u201d. 
30/04/2010
*
 0 
9
DEI - PUC/Rio
Programação Mestre da Produção
Cálculo do ATP
Item: Cadeira de ripas Lote: 150 unids. Lead time:1 semana
Previsto
Em carteira
Estoque Proj.
Qtde. MPS
Em mão:
55
Abril
Maio
1
2
3
4
5
6
7
8
Início MPS
ATP 
150
30/04/2010
*
9
DEI - PUC/Rio
Programação Mestre da Produção
Cálculo do ATP
Item: Cadeira de ripas Lote: 150 unids. Lead time:1 semana
Previsto
Em carteira
Estoque Proj.
Qtde. MPS
Em mão:
55
Abril
Maio
1
2
3
4
5
6
7
8
30
30
30
30
35
35
35
35
27
24
8
17
137
107
77
42
7
122
87
150
Início MPS
150
17
ATP(cum) 
258
108
108
108
108
108
258
38
 0
150
150
VOLTAR
30/04/2010
*
8
DEI - PUC/Rio
Programação Mestre da Produção
Disponível para venda (ATP)
De certa forma, conforme Richard Ling (citado por VBW,1997, p.217), pedidos firmes vão \u201cconsumindo\u201d as disponibilidades na medida em que são recebidos. 
A idéia é que, uma vez feito o programa, os recebimentos do MPS são mantidos fixos e apenas os demais dados do registro são alterados para refletir os fatos ocorridos.
30/04/2010
*
8
DEI - PUC/Rio
Programação Mestre da Produção
Disponível para venda (ATP)
Suponhamos que vendas receba um pedido de 100 unidades para entrega o mais cedo possível. Olhando para o ATP cumulativo vê-se que é possível atender o pedido a partir da segunda semana usando as 91 unidades que estarão disponíveis a partir da semana 2 e 9 das 17 unidades disponíveis ao início da semana 1.
30/04/2010
*
Programação Mestre da Produção
Atualização após a aceitação do pedido
Item: Cadeira de ripas Lote: 150 unids. Lead time:1 semana
Previsto
Em carteira
Estoque Proj.
Qtde. MPS
Em mão:
55
Abril
Maio
1
2
3
4
5
6
7
8
30
30
30
30
35
35
35
35
127
24
8
17
40
10
-20
-55
-90
25
-10
150
Início MPS
150
ATP(cum)
38
150
150
ANTES
*
10
DEI - PUC/Rio
Programação Mestre da Produção
Acompanhamento do plano
Repare que a atualização foi feita usando uma lógica de cálculo do ATP diferente da utilizada por ocasião da determinação do programa. Isto porque o pedido adicional de 100 unidades será atendido com parte da disponibilidade existente na semana 1. A projeção de estoque negativa indica que o pedidos firmes consumiram mais do que as previsões. A projeção de -7 no período final pode ser uma indicação para alteração do MPS pois indica que se as previsões de venda para as semanas 2 e 4 a 8 se realizarem irá haver atrasos nas entregas das semanas 4 a 6 e falta de 7 na semana 8.
30/04/2010
*
10
DEI - PUC/Rio
Programação Mestre da Produção
Utilidade dos resultados
Mostram para que será utilizada a capacidade providenciada no planejamento agregado.
Resultados:
Datas e tamanhos de lotes para ordens de fabricação de produtos finais;
Mais detalhes sobre os recursos necessários para a produção.
Perfis de carga nas oficinas.
Prazos realistas para vendas.
30/04/2010
*
11
DEI - PUC/Rio
Programação Mestre da Produção
Necessidade de verificação
Mesmo tendo observado: Produção agregada em cada período = previsto no Plano de Produção (planejamento agregado):
utilizou-se lotes maiores do que a necessidade estrita.
cada produto carrega de forma diferente as oficinas.
Portanto, programa pode não ser viável. Há que verificar! Essa verificação é geralmente chamada de \u201cplanejamento grosseiro de capacidade\u201d (\u201crough-cut capacity planning\u201d)
30/04/2010
*
12
DEI - PUC/Rio
Programação Mestre da Produção
Processo permanente
Plano de produção autorizado
Programa mestre da produção previsto
Planejamento de necessidades de materiais
Programa mestre de produção autorizado
Não
Sim
Ciclo de revisão do programa mestre de produção
30/04/2010
*
13
DEI - PUC/Rio
Programação Mestre da Produção
Nível de aplicação
Ligações com as prioridades competitivas:
Fabricação para estoque e entrega sob pedido (caso visto);
Fabricação para estoque montagem sob encomenda;
Fabricação ou montagem sob encomenda.
Produtos finais
Matérias primas
Sub-montagens
30/04/2010
*
14
DEI - PUC/Rio
Programação Mestre da Produção
Congelamento do plano
Congelamento do MPS. \u201cImpossível mudar o passado e custoso mudar o futuro próximo\u201d
Cerca de tempo para demanda: mudanças só com autorização da gerência.
Cerca de tempo para planejamento: só com autorização do programador.
congelado p/ produção
congelado p/ vendas
30/04/2010
*
15
DEI - PUC/Rio
Programação Mestre da Produção
Planejamento grosseiro da capacidade
Dar uma idéia inicial da factibilidade do MPS
Lista de capacidades (Capacity Bills)
Usa lista de capacidades necessárias nas estações críticas análoga à de materiais. Calcula a capacidade total necessária em cada oficina para a quantidade demandada.
Perfís de Recursos (Resource Profiles)
Usa lista de capacidades para definir perfís de carga para cada estação crítica ao longo do tempo de produção do item.
Método dos fatores globais (Capacity Planning using Overall Factors - CPOF)
Mais grosseira. Usa médias de cargas que os produtos geram nas estações críticas.
30/04/2010
*
Transparências e notas preparadas por