A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
casos produção de conteudo juridico

Pré-visualização | Página 1 de 2

1 caso- José Manuel contratou um contador para fazer a sua declaração de imposto de renda. O
contador lhe solicitou todos os documentos e informações necessários e conferiu todos os
dados, com base em possíveis cruzamentos de informações. Como resultado da
declaração apresentada, restou apurado o dever de recolher pouco mais de três mil reais.
O contador entrega a José Manuel a declaração impressa e em versão digital,
acompanhada da guia de recolhimento da primeira parcela, dentro do prazo legal e
orienta ele a recolher as demais parcelas. José Manuel recebe e paga a primeira parcela,
mas se esquece de fazer qualquer pagamento nos meses seguintes.
José Manuel se habilita em um certame público para prestar serviços públicos como
temporário em virtude de grande evento esportivo que ocorrerá em sua cidade, conduzido
pelas forças armadas. Para isso, lhe é solicitada a entrega de certidões que comprovem
sua regularidade fiscal. José Manuel solicita este documento à receita federal e recebe a
informação de que em seu nome consta dívida ativa inscrita pelo não pagamento de
imposto de renda declarado.
Insurge-se e entra em contato com seu contador que lhe relembra que deveria pagar as
demais parcelas pela declaração feita recentemente, mas ele reclama pois a RFB
inscreveu seu nome sem sequer lhe notificar antes. Indaga-se:
1) o caso concreto trata de que espécie de lançamento?
2) A inscrição é regular ou deveria haver alguma notificação prévia?
R- trata-se do lançamento por homologação quando o sujeito passivo se antecipar sem a necessidade de previo exame da administração; extingue o crédito, se a lei não constar prazo é de 5 anos conforme 4 inciso do artigo 150 CTN; ele sujeito passivo empreende em busca de resolver a obrigação com o fisco.
2- NÃO a necessidade de anterior exame por parte do ente público.
Caso2- 10/05/2010, a fiscalização estadual lavrou auto de infração e notificou a empresa
COMÉRCIO DE BRINQUEDOS EDUCATIVOS ABC LTDA.
para recolher ICMS
relativo a fatos geradores ocorridos no período de 01/06/2008 a 31/12/2008. Este tributo
deveria ter sido recolhido, conforme legislação estadual até o dia 10 do mês subsequente
à data da ocorrência do fato gerador. A notificada impugnou, sem sucesso, a autuação e
recorreu tempestivamente ao Conselho de Contribuintes, em 20/06/2010.
Em face da sobrecarga de processos na 2a. instância administrativa, o recurso restou
paralisado, sem qualquer despacho nem petição das partes, até 20/09/2010, vindo a ser
julgado, também desfavoravelmente ao contribuinte, em 10/10/2010. Publicada a decisão
(e o aresto unânime) em 15/10/2010, foi a sociedade dela notificada, esgotando-se o
prazo para pagar o débito em 22/10/2010.
Não advindo pagamento nem pedido de parcelamento, foi o crédito tributário inscrito em
dívida ativa, em 22/11/2016, vindo, contudo, a execução fiscal a ser ajuizada somente em
29/11/2016. Citada, a executada ofereceu bens suficientes à penhora e, efetuada esta,
ajuizou embargos à execução, alegando haver ocorrido a decadência e, ad
argumentandum, a prescrição. Pergunta-se:
a) Procede a alegação de decadência? Se positivo, quando ocorreu?
b) Procede a alegação de prescrição? Se positivo, em que data teria ocorrido?
c) Quais as causas de suspensão e as de interrupção do prazo prescricional da ação
de cobrança do crédito tributário? (Mencione os dispositivos legais)
d) Esgotado o prazo prescricional dessa ação, o que se extingue?
e) A prescrição pode ser reconhecida de ofício pelo juízo?
R-a) contasse o prazo aparti do exercício seguinte do nascimento da obrigação do sujeito passivo neste caso 01/01/2009; podendo ser reconhecida de ofício pelo órgão julgador. Transcorrido 8 anos entre o fato tributável e a execução embargada que ainda não deu segmento . Quanto aa decadência ocorreu, não podendo a fazenda pública lançar tal tributo. Já a prescrição vem disciinada no artigo 174° CTN contando da data do nascimento do direito do fisco, crédito, que conta 5 anos para a prescrição desde direito a declamar direito, neste caso havendo transcorrido entre a execução e o nascimento 8 anos prescreve também.
Caso3- Em 2013, determinado Município concedeu isenção do ISSQN, por 10 (dez) anos, para as
empresas prestadoras de serviços que viessem se instalar naquele território, gerando, em
cada uma delas 25 (vinte e cinco) empregos diretos.
Várias dessas empresas, atraídas por esse incentivo fiscal, lá se instalaram. E no ano de
2016, surgiu uma outra norma jurídica revogando essa isenção do ISSQN.
Responda:
a) Este caso concreto refere-se a qual espécie de isenção?
b) Pode esta isenção ser revogada? Qual(is) princípio(s) deve(m) ser observado(s)?
c) É possível o ajuizamento de alguma ação para evitar a revogação da isenção
mencionada no caso concreto? Caso positivo, qual(is)?
a) 	Segundo a doutrinadora Regina Helena em seu livro curso de direito tributário constituição e código tributário nacional: subjetivas quando diz respeito a pessoa, objetiva quando diz respeito a objetos. Neste caso é pessoa jurídicas;
b) 	Diz ela sobre tal modalidade de isenção por tempo certo “não pode ser extinta pela pessoa política tributante"
c) Um simples embargo ou notificação ao ente impugnante já serve como garantia de direito, a segurança jurídica.
Caso4- Diante de ato de autoridade pública supostamente eivado de ilegalidade, CREMILDO
BULGAR impetra Mandado de Segurança com pedido de liminar para suspender a
exigibilidade do crédito tributário referente ao imposto de renda, que monta em R$
20.000,00. Deferida a liminar, o Juízo de Primeiro Grau leva 3 anos para julgar o mérito,
e, ao fazê-lo, denega a segurança. O contribuinte, então, interpõe Apelação, acreditando
que, ao ser recebida no duplo efeito, esta preservará os efeitos da liminar. A Fazenda, por
sua vez, ajuíza a competente execução fiscal para a satisfação do seu crédito, que a esta
altura já alcança R$ 24.000,00, por estar acrescido de juros de mora e devidamente
corrigido monetariamente. Na execução, o contribuinte alega que a mesma deve ser
extinta em face da existência de mandado de segurança ainda não transitado em julgado.
Pergunta-se:
a) Nas condições apresentadas, a Execução Fiscal deve ser extinta sem resolução de
mérito?
b) Quais os efeitos da sentença denegatória da segurança?
c) No caso em tela é cabível a incidência de juros e correção monetária?
A) deferida o mandato retroage em particular ao momento da impugnação por ele feita não recaindo os juros e a mora, deferindo recai a correção monetária e todos os acréscimos.
Caso5- Em dificuldade para saldar seus débitos, inclusive tributários, a sociedade comercial
Irmãos Tavares & Cia. Ltda., decidiu cerrar suas portas sumariamente, deixando de dar
baixa regular em seus registros e obrigações comerciais e fiscais. Tomando conhecimento
do fato, fiscais da Receita Federal verificaram não ter sido recolhido o Imposto de Renda
dos dois últimos exercícios, tendo em consequência procedido ao lançamento. Notificada
regularmente a empresa, na pessoa de seu sócio- gerente, deixou de defender-se
administrativamente, correndo o processo administrativo-fiscal à revelia e culminando
com a inscrição do crédito tributário em dívida ativa e imediato ajuizamento da execução
fiscal. Alertado por seu antigo contador, o sócio- gerente aliena vários bens sociais.
Pergunta-se:
a) São válidos esses atos de alienação? Em que circunstâncias?
b) Pode a Fazenda Pública requerer a falência da sociedade?
c) É possível ao fisco determinar à instituição bancária que lhe forneça os dados das
movimentações da sociedade e do sócio gerente para buscar identificar as irregularidades,
independente de autorização judicial?
A) São válidos podendo ele dar como garantia, deixando assim de vigorar o crédito tributário.
B) 	Pode ela requerer a execução com base nos bens da sociedade porém decretar falência ela mesma não pode segundo a doutrina tendo lei favorável a tal posição.
C) 	Podendo sim o fisco fazer o levantamento porém não fora da égide legal.
Caso6- Durante os anos de 1989 a 1994 o Governo

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.