A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Teoria contigencial

Pré-visualização | Página 2 de 3

e horizontal 3- Trabalho feito por equipes, relacionamento intenso de confiança entre os funcionários 4- Recompensas sociais e simbólicas, como também materiais.
Sistema 2 e 3: Autoritário Benevolente e o Consultivo. Não são os extremos, cada um tende a um extremo. 
Sistema social cooperativo
Segundo Bernard, as organizações são sistemas sociais baseados na cooperaçãode pessoas:Interação entre pessoas, desejo de cooperação e finalidade comum.
Processo decisório
A organização é um istema de deisões em que cada pessoa participa consciente e racionalmente.Todos os funcionários em todos os departamentos tomam decisões, isso não cabe estritamente a diretoria ou aos gerentes. Os elementos: Tomador de decisão, objetivos, preferÊncias, estratégia, situação e resultado. A subjetividade está presente nas decisões tomadas por qualquer pessoa.DECORRÊNCIAS: Racionalidade limitada, relatividade das decisões, hierarquização das decisões, influência organizacional
Decisões tomadas pela organização:Divisãode tarefas, adrões de desempenho, sistemas de aturoidade, canais de comunicação e treinamento.
Homem administrativo
O comportamento administrativo não é otimizante, mas é satisfaciente.Segundo Simon, o homem se contenta com que está ao seu alcance.
Comportamento organizacional 
É o estudo da dinâmica das organizações e como os grupos e indivíduos se comportam dentro delas. T.do Equilíbrio Organizacioal – Sistema que recebe contribuições dos participantes sob forma de trabalho e em troca oferece incentivos(Incentivos > contribuições).Em caso dos incentivos ficarem menor do que as contribuições prestadas pelos participantes, diminuiria a motivação e o desempenho destes. 
Tipos de participantes: Empregados, investidores, fornecedores e clientes.
Aceitação da Autoridade
Segundo Bernard, a autoridade é a aceitação ou o consentimento dos bubordinados, e não repousa no poder de quem a possui.
Conflito entre objetivos organizacionais e individuais
É inevitável esse conflito, uma vez que na maioria das vezes existe uma incompatibilidade entre os dois objetivos.Segundo Argyris, nas organizações formais, as tarefas são organizadas a exigir o mínimo das pessoas, eliminando o sentido social e psicológico da tarefa, fazendo com que a pessoa consiidere o trabalho um desprazer.Simplismente, a pessoa não encontra sentido na tarefa que está desempenhando, e por isso, a motivação desse funcionário decresce, até o ponto de se sentir imprestável.
*Negociação
Diagrama de Pareto(Ferramenta de qualidade)
A lei de Pareto(princípio 80-20), afirma que para muitos acontecimentos, 80% das consequências advém de 20% das causas.Ex: Uma livraria não pode não pode ter todos os livros do mercado, portanto ela aplica essa regra e foca 20% dos livros que geram 80% da receita.Mais de 80% das descobertas científicas, são feitas por menos de 20% dos cientistas.
O diagrama é um gráfico que ordena as frequências das ocorrencias da maior para menor.Há muitos problemas sem importância diante de outros mais graves.O principal objetivo do diagrama, é identificar a causas ou problemas realmente mais importantes,possibilitando a concentração de esforços sobre eles.
Gestão da qualidade total *
CEP – Controle Estatístico do Processo
Um modelo de gerenciamento - o ciclo PDSA (plan, do, study, act), que Deming transformaria em PDCA (plan, do, check, act)
Segunda Guerra Mundial:
necessidade de material bélico confiável 
necessidade de material bélico intercambiável
incapacidade dos fabricantes em atenderem aos prazos de entrega
 
As forças armadas americanas formularam o seu próprio CEP e obrigaram os fornecedores ao seu uso (as normas Z-1);30.000 engenheiros e inspetores treinados no uso do CEP-militar 
No Japão, havia grande admiração pela superioridade do esforço de guerra americano que os havia esmagado
Em 1950, Deming foi convidado pela JUSE (União Japonesa de Cientistas e Engenheiros) para um ciclo de conferências de 8 dias sobre o CEP, com ênfase:
no uso do ciclo PDCA
na importância da sensibilidade (feeling) quanto à dispersão estatística
no controle dos processos pelo uso de gráficos
Estados Unidos:
Primeira metade do século XX:
Mercados: em expansão
Consumidores: ávidos por produtos de massa
Inovação tecnológica: incremental
Ambiente regulatório dos negócios: estável (o welfare state)
Segunda metade do século XX:
Mercados: saturados
Consumidores: demanda por produtos diversificados e de mais qualidade
Inovação tecnológica: explosão
Regulação pelo Estado: cada vez menor
A busca por eficiência com ênfase nas tarefas cedeu lugar a uma busca por flexibilidade com ênfase nos processo, porque, sob circunstâncias de mudança, a soma dos ótimos locais não necessariamente corresponde ao ótimo global.
Duas grandes características da QGT: aprendizagem contínua (kaizen) e - documentação, manuais e normas.
A GQT é a mãe da logística 
Os atores ao longo do processo (dentro da empresa os trabalhadores, e fora dela os fornecedores e clientes) deixam de ser substituíveis, posto que sua integração torna-se um fator primordial.Ao longo do processo torna-se vital não apenas o fluxo de materiais e energia a serem transformados, mas também o fluxo de informações.
Normas:
As empresas queriam alguma forma de mostrar a sociedade, a qualidade da gestão dentro da empresa, através do uso de certificações.A partir disso, surgiu a iso 9000 
Em 1987, foi editada a primeira versão da família ISO-9000 das normas que certificam a qualidade intrínseca dos sistemas de gestão das empresas.Para que? Para que a que a sociedade as enxergue como detentoras de um atestado público de garantia quanto à qualidade de seus produtos.A ISO-9000 funda-se no compromisso com a melhoria contínua (kaizen), ao invés do estabelecimento de metas.E só tardiamente (a partir de 2000) foram incluídas recomendações gerenciais nas normas ISO-9000, como a Questão ambiental (anos 90).Para certificar as empresas com gestão da qualidade total no âmbito ambiental, posteriormente, surgiu a ISO- 1400, que assegurou intensivamente as questões ambientais.
Logística:
 MRP (inicialmente material requirements planning, depois manufacturing resource planning)
 MRP: modelagens sofisticadas de previsão da demanda, para um planejamento de fluxos descontínuos – quer dizer, uma otimização dos estoques.
ERP (enterprise resource planning): uma extensão do MRP à totalidade da empresa pela unificação da base de dados da logística a todas as demais (planejamento da produção, manutenção, contabilidade e finanças, RH etc.), com subordinação das decisões locais a uma óptica global.O ERP é um herdeiro do taylorismo (a one best way agora revestida de “melhores práticas mundiais”) que transborda o escopo administrativo e passa a prescrever o trabalho dos gerentes. 
Fragilidade: Reside e supor que o futuro possa ser previsto 
JIT (just in time)
Já o JIT representa um desenvolvimento da capacidade de resposta às oscilações da demanda sem se depender de quaisquer previsões, com os ritmos e os volumes de produção sendo ditados em tempo real pelos pedidos dos clientes.O JIT é então uma gestão de fluxos contínuos e de um ideal de eliminação dos estoques, substituídos por uma mobilização rápida de suprimentos.
Fragilidade: Meramente reativo.
Teoria do desenvolvimento organizacional 
É um desdobramento da T.Comportamental em direção á abordagemsistêmica.O DO resultou dos esforçps da TO para promover a mudança e aflexibilidade organizacional.
Processo e estrutura
A teoria de sistemas aglutinou aspectos estruturais e comportamentais,possiblitando o surgimento do DO.A estrutura envolve elementos estáticos e refere-se ao arranjo dos seus componentos.Enquanto que o processo,é dinâmico e refere-se ás normas culturais.
A partir do DO surgiu a teoria da contigência. 4 váriaveis: ambiente, organização, grupo e indivíduo.Os autores estudam as situações, com intuito de intervir quando necessário, alterando aspectos culturais e estruturais.
Cultura organizacioonal 
Em suma, é o conjunto de hábitos, crenças, valores e tradições, interações e relacionamentossociais