A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
119 pág.
Direito do Trabalho - Resumo completo

Pré-visualização | Página 10 de 41

fordistas foram incompletas) e tem capitalismo periférico eforam essas características que fizeram com que o país não recebesse na pratica o Fordismo. A terceirização pega um pais qualificado e relega a um salario mais baixo e para um emprego menos qualificado. 
	No Brasil nós chamamos de terceirização o que ela não é. Terceirização é a situação na qual certa quantidade empresária contrata uma empresa especializada em algo que não é o seu forte para que essa preste um serviço a essa. Quando o país começou a tratar da terceirização, ele começou a achar que terceirizar é buscar em uma empresa a mão de obra. A intermediação de mão de obra é uma fraude, porque a mão de obra utilizada é fingida que é um vinculo empregatício que não é real, pois ela é buscada em outra empresa. O problema é que se cria uma empresa que não presta serviço nenhum a ninguém, ela simplesmente aluga seres humanos. 
	Mauricio Godinho chama de terceirização de serviços o que o professor chama de terceirização e o que ele chama de intermediação de mão de obra o autor chama de terceirização de mão de obra. 
	Terceirizar é algo licito e intermediar é algo ilícito. Porém cuidado em que algumas situações em que a lei poderá prever intermediar a mão de obra, como, por exemplo, na lógica de trabalhos avulsos com as leis 8630 e 12.023. 
	Existem doutrinas que dizem que a 1ª lei que versou sobre terceirização no ambiente de trabalho é a lei 6019 de 1974, porém o professor discorda. Essa lei prevê que poderão existir as empresas de trabalho temporário que é uma empresa que ai ser procurada pelas demais quando essa outra empresa enfrentar o problema de querer aumentar a produção aumentando assim a mão de obra para atender a demanda OU a empresa teve uma acidente grave e os trabalhadores terão que ficar ausentados, buscando em outra empresa apenas trabalhadores substitutos para substituir a mão de obra efetiva. Essa lei autoriza uma intermediação de mão de obra. A empresa contrata empregados em nome próprio e cede mão de obra para a empresa contratante que será adicional ou substitutiva a mão de obra da empresa que contratante. Essa intermediação durará no máximo três meses com prazo determinado. A lei trata de intermediação de mão de obra, procurando limitar essa possibilidade. A empresa de trabalho temporário contrata empregados como empregados próprios. Essa é uma forma de trabalhar bastante precária porque ora você está empregado e ora desempregado, estando ora na economia formal e ora na economia informal. A mão de obra poderá ser contratada por prazo determinado ou por uma empresa que adotará a intermediação de mão de obra por prazos curtos. Essa lei também cogita ‘’férias promocionais’’, mas não devemos esquecer que o prazo é curto sendo apenas de três meses sendo vista como uma contradição na lei. 
	Para o professor a lei 7102 de 1983 seria a lei que marca a primeira legislação que tratará de terceirização porque diz que qualquer instituição financeira poderá contratar empresas de vigilância patrimonial. O TST faz a sumula 256 que falava que é proibido intermediar mão de obra e contratar mão de obra com interposta a pessoa com exceção da lei 7102 (terceirização) e lei 6019 (contratação por interposta a pessoa). Essa súmula nunca tratou de terceirização e que tinham erros que levaram ao seu cancelamento. O TST percebeu que a súmula não previa diferenciação de uma intermediação e terceirização, chegando a seu cancelamento. 
	Já a súmula 331 do TST faz a diferença entre intermediação de mão de obra e terceirização. Em seu inciso I ‘’ a contratação de trabalhadores por empresa interposta é ilegal’’ salvo em caso da lei 6019 de 1974, sendo o inciso trata da proibição de intermediação de mão de obra. Em caso de haver essa contratação, poderá se dizer que não existirá vinculo de trabalho já que essa contratação é ilegal. Nessa súmula ele diz que se o banco contrata uma empresa dita terceirizada para que essa contrate empregados em nome próprio para que o banco use essa mão de obra como própria ele vira o empregador real. 
	Em suma, a súmula 331 intermediar mão de obra não poderá salvo na lei 6019 de 1974. A crítica é que essa lei não é o único caso de intermediação porque existirá também o trabalho avulso. 
	Em seu inciso III permite a terceirização. 
- Efeitos da terceirização e da intermediação da mão de obra:
Terceirização propriamente dita ou terceirização de serviços => certa empresa tomadora do serviço(PUC) contrata uma empresa terceirizada (SODEXO); por primazia da realidade a empresa terceirizada é contratada, a PUC teve o animo de contratar por interposta a pessoa, a SODEXO vai administrar, gerenciar e disciplinar.
Sumula 331 em seu inciso 4 – esse terceirizado é empregado sim no aspecto formal e real da terceirizada. Esse empregado cujo empregador é a terceirizada, a empresa tomadora foi a beneficiária final do serviço que o terceirizado presta. Essa sumula diz que a empresa tomadora mesmo não sendo empregadora, já que é beneficiária final do trabalho do ser humano (sob o aspecto ético), tem uma responsabilidade subsidiária para que o trabalhador receba chefiado e terceirizado, mas em prol da empregadora. Não existe uma lei no Brasil a respeito da terceirização. 
	Em suma, se acontecer uma terceirização licita, valida, nos moldes dessa sumula inciso de numero 3 a empresa tomadora que de fato não é a empregadora, terá uma responsabilidade subsidiaria presente no inciso 4. 
	A lei 6019 de 1974 diz que a empresa tomadora de mão de obra contrata uma empresa de trabalho temporário e essa empresa é uma empresa que contrata empregados em nome próprio. Mas essa empresa de trabalho temporário é sui generis, porque ela fornece a mão de obra à empresa tomadora. Essa empresa tomadora de mão de obra terá uma responsabilidade subsidiária, porque é uma intermediação de mão de obra licita. Esse empréstimo de mão de obra é por máximo de três meses, passando desse tempo virará um empregado da empresa tomadora, criando um vinculo empregatício.
	Em suma, a empresa dita tomadora agiu nos dois casos: contratar junto à outra empresa os seus serviços ou contratar a mão de obra necessária. Nos dois casos a empresa tomadora terá responsabilidade subsidiária. 
	O caso de uma terceirização ilícita é nada mais é quando ela desvirtuada vira uma intermediação de mão de obra. Nesse caso ocorre o seguinte, a empresa tomadora celebra um contrato de prestações de serviços com uma empresa terceirizada OU quando contrata dessa empresa alguns empregados em nome próprio. Por mais que isso parece uma terceirização, quando se analisa a primazia da realidade, ao contratar os empregados trabalham subordinados à empresa tomadora. Isso é chamado de intermediação de mão de obra com terceirização ilícita. Na terceirização ilícita, a tomadora se torna a empregadora e a terceirizada que seria uma falsa tomadora mantem a responsabilidade total dos débitos. 
PROVA: 
Numa terceirização propriamente dita a tomadora buscana terceirizada a prestação de um serviço . A terceirizada prestará um serviço a tomadora, contratando empregados que ela seleciona e dirige. Sendo uma empregadora formal. Isso condiz com o que se passa na realidade. Se ela deixar d pagar algo a seus empregados, ela terá responsabilidade subsidiária.
Intermediação de mão de obra quando a empresa tomadora busca mão de obra que ela quer dirigir pro no máximo 3 meses. A empresa de trabalhador temporário é a empresa real e formal de seus empregados e a tomadora da mão de obra tem responsabilidade de apenas subsidiar. 
Nas situações ilícitas, ou também chamada de intermediação de mão de obra,contrata uma empresa que diz terceirizada que contrata empregados como se fosse próprio, porém subordinados à empresa tomadora. A dita terceirizada é a empregadora real e a empresa que firmou como se empregadora fosse, praticou uma fraude que atrai uma responsabilidade solidária dela com a tomadora real, participando do ato ilícito e da manobra fraudulenta (sumula 331 inciso 4). 
Inciso I –