Redes e Sistemas de Telecomunicações
255 pág.

Redes e Sistemas de Telecomunicações


DisciplinaPropagação e Antenas126 materiais1.649 seguidores
Pré-visualização48 páginas
de duas
linhas até telas complexas dos telefones mais avançados. O protocolo
WAP foi desenvolvido para minimizar ao máximo o consumo de banda e
maximizar o número de tipos de redes wireless que podem enviar conteú-
dos WAP.
Exemplo da Arquitetura WAP para Chamadas
Originadas
WAP poderá fornecer múltiplas aplicações para negócios e mercados de
clientes tais como banking, acesso a dados corporativos e interface com
serviço de mensagens.
O pedido de um dispositivo móvel é enviado como um URL através da
rede do operador para um gateway WAP que é a interface entre a rede do
operador e a Internet (veja figura 2.14).
Arquitetura do gateway WAP
WDP
O protocolo de datagrama WAP (Datagram Protocol (WDP)) é a camada
de transporte que envia e recebe mensagens via qualquer transportador de
rede disponível, incluindo-se SMS, USSD, CSD, CDPD, IS\u2013136 packet
data, e GPRS.
9900 Redes e Sistemas de Telecomunicações
Figura 2.14
WTLS
A camada opcional de transporte wireless (Wireless Transport Layer Secu-
rity (WTLS)), possui facilidades de criptografia que oferece o serviço de
transporte seguro requerido por muitas aplicações como as voltadas para o
e-commerce.
WTP
O protocolo da camada de transação WAP (Transaction Protocol (WTP))
fornece suporte à transação, adicionando confiabilidade ao datagrama for-
necido por WDP.
SNMP
JAVA
Logging Subscriber DB Applications
Internet
Firewall etc.
Bearers
Wireless 9911
WSP
A camada do protocolo de sessão (WAP Session Protocol (WSP)) fornece
a camada de sessão que permite troca eficiente de dados entre aplica-
ções.
Interface HTTP
A interface HTTP recupera o conteúdo WAP da Internet quando requisita-
do por um dispositivo móvel.
O conteúdo WAP (WML e WMLScript) é convertido para uma forma binária
compacta para transmissão pelo ar. O software do microbrowser WAP
dentro do dispositivo móvel interpreta o código de byte e mostra o conteú-
do interativo WAP.
O Futuro do WAP
O crescente interesse e desenvolvimento na área de wireless nos tempos
recentes tem provocado em todos os segmentos do mercado de wireless
(operadores, fabricantes, desenvolvedores de conteúdos, etc.) um esforço
de cooperação no sentido de buscar os padrões e protocolos. Esse esforço
fica bem caracterizado na formação do WAP Forum, que vem fornecendo
idéias contínuas para o desenvolvimento de uma série de protocolos que
fornecem um ambiente comum para o desenvolvimento de serviços tele-
fônicos avançados bem como de acessos à Internet dentro do mercado
wireless. Os players da indústria, desde os desenvolvedores até os opera-
dores, podem explorar a grande oportunidade que o WAP apresenta.
Como a tecnologia da telefonia fixa, a Internet foi um sucesso, pois permi-
tiu que milhões de usuários pudessem usufruir desse novo cenário de dis-
ponibilização da informação. Entretanto, os usuários móveis, que até então
não haviam forçado a indústria a fornecer as mesmas funcionalidades do
ambiente fixo, estão mudando e agora estão fazendo bastante pressão
nesse sentido. Inicialmente, esperava-se que os serviços rodassem em um
mecanismo de transporte bem estabelecido como o SMS, o qual ditaria a
natureza e a velocidade das aplicações. De fato, o GSM não oferecia taxas
de velocidade que possibilitassem a multimídia móvel e a Web browsing.
Com o advento do "general packet radio services (GPRS)", como também
de outros mecanismos de transportes emergentes, a realidade das veloci-
dades de acesso equivalentes ou superiores às do cenário do ambiente
fixo se tornara mais exeqüível.
9922 Redes e Sistemas de Telecomunicações
O GPRS é visto como o perfeito parceiro para o WAP, com seus diferentes
time slots servindo para gerenciar pacotes de dados em um modo que pre-
vine os usuários de serem penalizados pela espera de conexões circuit-
switched.
O Ambiente Competitivo do WAP
A competição para os protocolos WAP certamente virá de diversas fontes
como as que seguem:
Subscriber Identity Module (SIM) toolkit
O uso de SIMs ou smart cards em dispositivos wireless já está difundido de
forma abrangente em alguns setores de serviços.
Windows CE
É um sistema operacional multitasking, multithreaded da Microsoft projeta-
do para ser incluído ou embutido em dispositivos móveis e de porte restri-
to.
JavaPhone
Sun Microsystems está desenvolvendo o PersonalJava e a API JavaPho-
ne, que podem ficar embutidos em uma máquina virtual Java no handset.
Aparelhos celulares deverão ser construídos de forma a poderem efetuar
download em features e funções da Internet. Assim, os clientes não mais
necessitarão adquirir um novo telefone para obter vantagens adicionais de
novas features.
As vantagens que o WAP pode oferecer sobre esses outros métodos são
as seguintes:
! Arquitetura aberta independente do fabricante.
! Independente do padrão de rede.
! Mecanismo de transporte otimizado para mecanismos de transporte
wireless.
! Aplicação baixada do servidor, permitindo criação rápida de serviço,
bem como de sua introdução.
Wireless 9933
Wireless Broadband Modems
Definição
O acesso à Internet por meio wireless e em banda larga é feito por meio de
Modems Wireless de Banda Larga (Wireless Broadband Modems), que
oferecem performance similar aos modems a cabo que operam em siste-
mas de televisão a cabo (Cable Television Systems (CATV)). Esta alterna-
tiva se torna mais atrativa quando se pode implementar o transmissor ca-
paz de cobrir de uma vez só toda uma região de uma dada cidade. Um
sistema broadband wireless pode ter até 30 Mbps de capacidade em um
canal de 6 MHz.
Um sistema wireless pode prover acesso até 16 km, 32 km, ou 50 km de
raio dependendo da banda de freqüência usada. Isso faz com que o pro-
vedor de serviço possa trabalhar com elevado nível de competitividade
com sistemas de CATV no nível de pequenos e médios negócios, bem
como naqueles usuários finais de alta capacidade.
O Básico de Transmissão Internet
Ainda que não seja necessário compreender como a Internet funciona, as
diferenças básicas entre a Internet e a transmissão contínua de dados
deve ser compreendida. Existem duas diferenças-chave:
! Os conceitos de transferência contínua de dados, tais como largura de
banda alocada para o usuário, tornam-se irrelevantes, pelo menos para
tráfego Internet que fornece banda por demanda, exceto nos casos em
que realmente se transferem pacotes em burst. Podem vir a ocorrer
delays no recebimento de um arquivo ou burst de dados se existirem
muitos usuários. Esses delays, que aumentam com a carga de dados,
são a medida da qualidade de serviço (QoS).
! A maioria das formas de transferência de dados requerem os
acknowledgments (ACKs) do protocolo IP. Os delays ou latência no
retorno dos ACKs de volta à fonte da informação tornam vagarosa a
transferência de arquivos em downstream.
A comunicação downstream usa o TCP/IP. O computador do cliente reco-
nhece o recebimento de pacotes pelo envio de um sinal ACK em upstream.
O TCP usa uma forma de controle de fluxo de dados chamada de "sliding-
9944 Redes e Sistemas de Telecomunicações
window protocol", que permite bursts muito rápidos em downstream ade-
quados à alta taxa de transmissão do canal downstream. Isso otimiza a
comunicação burst onde a latência ou delay no recebimento do ACK im-
pacta a velocidade downstream.
Os efeitos do TCP/IP em sistemas de cable modem são os seguintes:
! TCP/IP é muito mais tolerante a perdas ocasionais da comunicação
downstream causada pela interferência do que o sinal de televisão pelo
fato de poder solicitar retransmissões.
! Uma via de retorno é necessária para reconhecer os pacotes transmiti-
dos como também os arquivos requisitados.
! O tráfego é assimétrico, isto é, tem-se uma via downstream wireless de
10 Mbps produzindo rápida transferência de arquivos, mesmo com uma
pequena banda de retorno de 14.4 Kbps