A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
INTERPRETAÇÃO ISOLADA DOS QUOCIENTES_ EXERCICIO 3 (3)

Pré-visualização | Página 1 de 1

INTERPRETAÇÃO ISOLADA DOS QUOCIENTES
			
Participação dos Capitais de Terceiros
 O quociente de 0,98 encontrado indica que para cada R$ 1,00 de Capitais Próprios existem, aplicados na empresa, R$ 0,98 de Capitais de Terceiros.
 A folga de R$ 0,02 indica que a empresa não se encontra em mãos de terceiros.
 Embora a diferença entre os Capitais Próprios e os Capitais de Terceiros seja pequena, o quociente revela que a CIA. Estudando eu Passo opera com Capitais Próprios em proporção maior do que com Capitais de Terceiros, apresentando uma situação satisfatória sob o ponto de vista do endividamento.
Composição do Endividamento
 O quociente de 0,59 indica que para cada R$ 1,00 de dívida totais existem R$ 0,59 de obrigações vencíveis a curto prazo, isto é, a CIA. Estudando eu Passo terá de repor, a curto prazo, apenas 59% dos Capitais tomados de terceiros.
 Considerando que é normal as obrigações de curto prazo serem superiores às obrigações de longo prazo, podemos concluir que o quociente revela uma situação favorável, pois 41% do recursos tomados de terceiros serão pagos após um ano, tempo necessário para que a empresa gere recursos para saldá-los.
Imobilização do Patrimônio Líquido
 O quociente de 0,59 revela que para cada R$ 1,00 do Patrimônio Líquido a empresa imobilizou R$ 0,59.
 O quociente, sendo inferior a um, indica a existência do Capital Circulante Próprio, utilizado para financiar parte do Capital em Giro (AtivoCirculante mais Ativo Realizável a Longo Prazo), constituindo ponto altamente positivo para a situação financeira da empresa.
Imobilização dos Recursos Não-Correntes
 O quociente de 0,59 indica que para cada R$ 1,00 de Patrimônio Líquido, mais Exigível a Longo Prazo, a empresa imobilizou R$ 0,59.
 Na análise do quociente anterior verificamos que os investimentos efetuados no Ativo Permanente (Investimento, Imobilizado e Diferido), consumiram apenas 59% do Patrimônio Líquido. A análise do presente quociente apresenta situação ainda melhor, pois no denominador adicionamos, ao Patrimônio Líquido, o total do Exigível a Longo Prazo.
 Assim, o quociente revela que os recursos não-correntes foram suficientes para cobrir todo o Ativo Permanente e ainda parte do Capital em Giro na empresa.
							
Liquidez Geral
 O quociente 1,41 indica que a empresa possui, no Ativo Circulante e Realizável a Longo Prazo, recursos financeiros suficientes para cobrir todas as suas obrigações de curto prazo e de longo prazo, tendo ainda uma folga de R$ 0,41 para cada real de dívida.
 Esta folga de R$ 0,41 decorre da existência do Capital Circulante Próprio, que ficou evidenciado pela análise do Quociente de Imobilização do Patrimônio Líquido.
Liquidez Corrente
 O quociente de 2,04 revela que a empresa possui, no Ativo Circulante, recursos suficientes para pagar todas as obrigações de curto prazo e ainda sobrar uma folga de R$ 1,04 para cada real de dívida.
 Essa folga de R$ 1,04 revela a existência do Capital Circulante Líquido, evidenciando que a empresa em análise não utilizou Capitais de Terceiros em excesso, e consequentemente não precisará transferir todo o seu lucro para terceiros.
 Se a empresa não tiver suficiente dinheiro em Caixa para cobrir obrigações de curtíssimo prazo, ela poderá levantar recursos em qualquer instituição financeira, uma vez que o quociente de 2,04 revela a existência de garantia aos credores para este tipo de operação.
Liquidez Seca
 Este quociente revela que a empresa possui recursos em seu Ativo Circulantes Líquidos (disponibilidades mais direitos de conversibilidade garantida) suficientes para saldar seus compromissos de curto prazo.
 Se a análise do quociente de Liquidez Corrente já revelou uma situação de solvência bastante satisfatória este quociente - que indica com maior precisão a situação de solvência da empresa - revela também uma ótima situação de liquidez.
Liquidez Imediata
 O quociente de 0,20 indica que, para cada R$ 1,00 de dívida a curto prazo, existem R$ 0,20 no Caixa da empresa.
 Para melhor aquilatar a validade intrínseca deste quociente, será necessário analisar outros dados, principalmente os prazos de vencimentos das obrigações.
 No caso da CIA. Estudando eu Passo, pela própria situação favorável revelada pelos demais quocientes de liquidez, podemos considerar satisfatório o quociente de 0,30 encontrado.
Giro do Ativo
 O quociente de 1,07 indica que os investimentos totais efetuados na empresa giraram mais de uma vez. Portanto, para saber se este quociente é satisfatório ou não, deve-se analisar o Quociente de Margem Líquida.
Margem Líquida
 O quociente de 0,18 obtido indica que para cada real em vendas a empresa obteve R$ 0,18 de lucro líquido. Conjugando o resultado deste quociente com o resultado do quociente anterior, podemos dizer o que o volume de vendas efetuado foi suficiente para cobrir os custos, restando ainda uma pequena margem de lucro.
Rentabilidade do Ativo
 O quociente de 0,19 revela que para cada real investido no Ativo houve uma lucratividade de R$ 0,19. Para melhor aquilatar a importância deste quociente de 0,19, vamos calcular o prazo de retorno do Capital Total investido na empresa ara saber em quantos anos a empresa terá duplicado o valor do seu Ativo.
a) Multiplica o quociente por 100:
 0,19 x 100 = 19%
b) Por meio de regra de três, calculamos o prazo de retorno do capital investido:
 1 ano = 19%
 x anos = 100%
 onde: x = 100 x 1 / 19 = 5,26 anos
 Concluímos que, utilizando exclusivamente os lucros apurados, a CIA. Estudando eu Passo precisará de 05 anos e 03 meses para dobrar os investimentos efetuados em seu Ativo.
 Para saber se este quociente é satisfatório, há necessidade de compará-lo como os quocientes-padrão.
Rentabilidade do Patrimônio Líquido
 O quociente de 0,38 indica que a CIA. Estudando eu Passo obteve R$ 0,38 de lucro líquido para cada real de Capital Próprio investido. Para melhor aquilatar a importância do quociente de 0,38, vamos calcular o prazo de retorno do Capital investido.
a) Multiplica o quociente por 100:
 0,38 x 100 = 38%
b) Por meio de regra de três, calculamos o prazo de retorno do capital investido:
 1 ano = 38%
 x anos = 100%
 onde: x = 100 x 1 / 38 = 2,63 anos
 Pelos cálculos efetuados, concluímos que os proprietários da CIA. Estudando eu Passo terão de volta o valor do Capital que investiram na empresa em 2 anos e 07 meses.
 Em outras palavras, significa que a empresa precisa de no mínimo de 2,5 anos para dobrar o valor do Capital Investido, utilizando apenas os lucros apurados. Independentemente da comparação com padrões, o quociente representa situação satisfatória.