A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
352 pág.
CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS

Pré-visualização | Página 16 de 21

PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
SUBVENÇÃO GOVERNAMENTALSUBVENÇÃO GOVERNAMENTAL
 Para reconhecer uma subvenção é
necessário que se tenha razoavelmente
condições de quantificadas em dinheiro o
valor da transação.
Apostila Apostila –– pág. 71pág. 71
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
SUBVENÇÃO GOVERNAMENTALSUBVENÇÃO GOVERNAMENTAL
 As subvenções recebidas e que não exigem
condições de desempenho futuro devem ser
reconhecidas como receitas, desde que os
valores sejam líquidos e certos.
 Atenção: Se exigir prestação pública de
contas não pode ser PME.
Apostila Apostila –– pág. 71pág. 71
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
SUBVENÇÃO GOVERNAMENTALSUBVENÇÃO GOVERNAMENTAL
 As subvenções que impõem condições de
desempenho futuro precisam ser
reconhecidos como receitas apenas
quando as condições exigidas forem
atendidas.
 As subvenções recebidas antes de
atendidos os critérios anteriormente
descritos devem ser reconhecidas como
passivo.
Apostila Apostila –– pág. 71pág. 71
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
SUBVENÇÃO GOVERNAMENTALSUBVENÇÃO GOVERNAMENTAL
 A entidade irá avaliar as subvenções pelo
valor justo do ativo recebido ou a receber.
 Contabilização.
 AtençãoAtenção: ativos depreciáveis, amortizáveis
ou exauríveis.
Apostila Apostila –– pág. 71pág. 71
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
DIVULGAR AS SEGUINTES DIVULGAR AS SEGUINTES 
INFORMAÇÕESINFORMAÇÕES
 Natureza e os valores das subvenções
recebidas;
 Situações não atendidas ou contingências
relacionadas às subvenções não
reconhecidas no resultado;
 Relacionar todas as formas de assistência
governamental que a entidade tenha
diretamente se beneficiada.
Apostila Apostila –– pág. 71pág. 71
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
ADOÇÃO INICIAL ADOÇÃO INICIAL –– CPC 37CPC 37
Balanço de Abertura
20082008 20092009 20102010
31/12/2010
Apresentar 
DC IFRS
01/01/2009
Data de 
Transição
Balanço de 
Abertura
Apostila Apostila –– pág. 80pág. 80
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
ADOÇÃO INICIAL DO PMEADOÇÃO INICIAL DO PME
São procedimentos importantes:
a) Reconhecer todos os ativos e passivos
cujos reconhecimentos são exigidos;
b) Não reconhecer itens que não são
exigidos;
c) Reclassificar itens que assim são exigidos;
d) Aplicar o PME para todos os ativos e
passivos;
Apostila Apostila –– pág. 80pág. 80
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
ADOÇÃO INICIAL DO PMEADOÇÃO INICIAL DO PME
e) Os reconhecimentos de ajustes para
adequação de anos anteriores devem ser
realizados diretamente nos lucros ou prejuízos
acumulados;
Apostila Apostila –– pág. 80pág. 80
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
ADOÇÃO INICIAL DO PMEADOÇÃO INICIAL DO PME
Proibições (no Balanço de Abertura)Proibições (no Balanço de Abertura)
- Estimativas: não devem ser alteradas as
existentes no BRGAAP, exceto se
constatado erro.
- Ativos e Passivos Financeiros: os que
foram desreconhecidos há mais de cinco
anos.
Apostila Apostila –– pág. 80pág. 80
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
ADOÇÃO INICIAL DO PMEADOÇÃO INICIAL DO PME
Proibições (no Balanço de Abertura)Proibições (no Balanço de Abertura)
- Contabilidade de Hedge: não incorporar
no Balanço de Abertura uma vinculação de
proteção que não se qualifica como hedge
(proteção).
Apostila Apostila –– pág. 80pág. 80
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
ADOÇÃO INICIAL DO PMEADOÇÃO INICIAL DO PME
Das situações a seguir a entidade pode
usar uma ou mais isenções na elaboração
de suas primeiras demonstrações contábeis
em IFRS:
Apostila Apostila –– pág. 80pág. 80
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
ADOÇÃO INICIAL DO PMEADOÇÃO INICIAL DO PME
CombinaçãoCombinação dede negóciosnegócios:: não aplicar a
Seção 19 Combinação de Negócios e Ágio
por Expectativa de Rentabilidade Futura
para as operações efetivadas antes da data
de transição.
Apostila Apostila –– pág. 80pág. 80
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
ADOÇÃO INICIAL DO PMEADOÇÃO INICIAL DO PME
Transações de pagamentos baseado em
ações: não será necessário aplicar a Seção
26 Pagamento Baseado em Ações para os
títulos patrimoniais concedidos e passivos
que foram liquidados antes da Data de
Transição para IFRS.
Apostila Apostila –– pág. 80pág. 80
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
ADOÇÃO INICIAL DO PMEADOÇÃO INICIAL DO PME
Custo atribuído é possível mensurar o ativo
imobilizado e propriedade para
investimento na data de transição pelo seu
valor justo e utilizar esse valor justo como
seu custo atribuído nessa data.
Apostila Apostila –– pág. 80pág. 80
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
ADOÇÃO INICIAL DO PMEADOÇÃO INICIAL DO PME
Contabilização do custo atribuído: (ver ICPC 10)
 D = Imóvel
 C = Ajuste de Avaliação Patrimonial.
 Assim que os bens forem sendo depreciados ou amortizados a 
conta de Ajuste de Avaliação Patrimonial vai sendo baixada 
contra Lucros ou Prejuízos Acumulados.
 É preciso ficar atento a tributos diferidos.
 É possível utilizar a reavaliação já existente para fins de custo 
atribuído.
Apostila Apostila –– pág. 80pág. 80
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
ADOÇÃO INICIAL DO PMEADOÇÃO INICIAL DO PME
Variações de conversão cumulativas a
entidade pode optar em considerar todas as
variações de conversão cumulativas de todas
as operações no exterior como sendo zero.
Apostila Apostila –– pág. 80pág. 80
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
ADOÇÃO INICIAL DO PMEADOÇÃO INICIAL DO PME
Demonstrações contábeis separadas
contabilizar todos os investimentos em controladas,
coligadas e controladas em conjunto pelo:
- Custo ou Custo atribuído menos a
desvalorização; ou
- Valor justo através do resultado.
Apostila Apostila –– pág. 80pág. 80
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
ADOÇÃO INICIAL DO PMEADOÇÃO INICIAL DO PME
 Instrumentos Financeiros Compostos: O
PME (Item 22.13) exige a separação
instrumento financeiro composto em
componentes de passivo e PL na data de
emissão. Não será necessário separar esses
dois componentes se o passivo não estiver
em aberto na data de transição.
Apostila Apostila –– pág. 80pág. 80
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
ADOÇÃO INICIAL DO PMEADOÇÃO INICIAL DO PME
Tributos diferidos sobre o lucro não é
necessário reconhecer na data de transição
ativos e passivos fiscais diferidos
relacionados com as diferenças entre as
bases fiscais e os valores contábeis de
quaisquer ativos ou passivos onde envolva
custo ou esforço excessivo.
Apostila Apostila –– pág. 80pág. 80
IFRS: IFRS: CONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESASCONTABILIDADE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
ADOÇÃO INICIAL DO PMEADOÇÃO INICIAL DO PME
Acordos de concessão de serviços não
será necessário aplicar na adoção inicial o
tratamento previsto no PME ( itens 34.12 a
34.16) que iniciaram antes da data de
transição.
Apostila Apostila –– pág. 80pág. 80
IFRS: