Limitações ao poder constituinte derivado- Thiago Varella
2 pág.

Limitações ao poder constituinte derivado- Thiago Varella


DisciplinaDireito Constitucional I76.493 materiais1.771.556 seguidores
Pré-visualização1 página
Limitações ao poder constituinte derivado (ou de reforma)
Formal \u2013 devemos analisar se as emendas seguem as formas determinadas pela lei.
Iniciativa \u2013 artigo 60, incisos I, II e III, CFRB. O inciso terceiro representa o princípio federativo, ou seja, o princípio que determina que os estados da federação devem participar de formações de emendas constitucionais.
Segundo José Afonso da Silva, o projeto de emenda constitucional pode ser de iniciativa popular. O PPEC seria assegurado pelo artigo 61, § 2º, CF e pelo artigo 1º, § único (todo poder emana do povo). Esta é a doutrina adotada pelo Varela, mas ele defende que esta não é a resposta mais segura para ser colocada em uma prova. A outra vertente da doutrina afirma que, em vista do artigo 61, caput, a iniciativa popular seria válida para leis complementares e ordinárias. Um dos representantes da segunda corrente é o Ministro Gilmar Mendes, apesar de não haver jursprudência do STF a respeito.
Circunstancial \u2013 artigo 60, § 1º. Em determinada circunstância, a constitnuição não pode ser emendada. A situação material é irrelevante. Os casos são intervenção federal, estado de defesa (estado decretado em locais restritos e determinados quando o estado de calamidade de grandes proporções da natureza ameaça a paz e a segurança nacionais) ou estado de sítio (ineficácia do estado de defesa, instabilidade institucional ou estado de guerra \u2013 artigo 137, CF).
Procedimental \u2013 ou limitações formais propriamente ditas. Trata-se do procedimento necessário à emenda constitucional, ou seja, se o país não está em estado de defesa ou estado de sítio, qual seria o caminho para uma emenda constitucional? O artigo 60, §§ 2º e 3º, CF, determina como as propostas devem ser debatidas. O § 2º determina que deve ser votada em cada casa do Congresso Nacional (câmara dos deputados e senado federal), em dois turnos (duas votações em cada casa), com a aprovação de mais de 3/5 de cada casa em cada turno. A PEC, quando apresentado pela câmara, será votada inicialmente votada pela câmara. Quando apresentado pelo senado, começará votada senado. Quando apresentado pelo presidente da república ou pelo STF, será votada inicialmente pela câmara. Nesses casos, não existe sanção ou veto do presidente da república com relação a PEC. A constituição serve para limitar o poder político e, portanto, não é necessária a concordância do líder do poder político. O detentor do poder político derivado é o CONGRESSO.
Artigo 60, § 5º: um projeto de emenda constitucional rejeitado em uma das casas do Congresso Nacional não pode ser reapresentado na mesma sessão legislativa (\u2260 sessão ordinária.
Temporal \u2013 durante determinado lapso temporal, a Constituição não aceitará modificações ao seu texto. Na CRFB, há uma parte permanente (artigos 1º a 250) e uma parte provisória (ADCT \u2013 ato das disposições constitucionais transitórias). No artigo 3º, ADCT, é previsto o prazo de cinco anos, contados da promulgação da Constituição, no qual estará vedada a revisão constitucional. O artigo trasitório determina também que esta revisão deveria ser feita após esse prazo, contando com o voto da maioria absoluta (primeiro número inteiro maior que a metade \u2013 José Afonso da Silva) e em sessão unicameral (as duas casas do Congresso em uma única sessão). Houve uma discussão no STF para determinar se o plebiscito previsto pelo artigo 2º, ADCT, anularia esta revisão. Não anulou, mas a revisão não foi bem sucedida e aprovou apenas 6 ECR (emendas constitucionais de revisão), sendo que uma delas foi revogada por uma EC (emenda constitucional). Hoje, a única forma de realizar modificações no texto constitucional é através de emendas constitucionais e o artigo 3º da ADCT não pode mais ser utilizado, justamente por ser transitório ou temporal.
Material \u2013 as emendas, apesar de poderem ir contra o texto constitucional, possuem limitações ao seu conteúdo. Essas limitações estão nas cláusulas pétreas.
Explícitas \u2013 o artigo 60, § 4º, CF, determina expressamente quatro assuntos que não devem sequer ser objeto de deliberação. Essas são cláusulas pétreas e tratam de quatro assuntos: a forma federativa do Estado; o voto direto (há uma exceção constitucional), secreto, universal (o contrário do sufrágio restrito \u2013 voto censitário, sufrágio resgrito em razão de sexo, ou capacitário p.e.) e periódico (os mandatos têm prazo de duração. Uma emenda não pode transformar um cargo público eletivo em vitalício); a separação dos poderes e os direitos e garantias individuais (a jurisprudência bem abrangente e garante também os direitos de expressão individual \u2013 direito a férias, p.e. Índice da constituição, título II).
Direitos fundamentais > direitos individuais \u2192 gênero e espécie.
Implícitas \u2013 foram sistematizadas pelo professor Nelson de Sousa Sampaio. Entende-se que certas limitações não precisam estar na Constituição já que elas decorrem de um sistema lógico. A Constituição enquanto sistema de limitação do poder do Estado trás consigo essas limitações. O art. 60 seria uma cláusula pétrea implícita. Estas limitações são quatro: relativas ao titular do poder constituinte originário (povo); relativas ao titular do poder constituinte derivado (Congresso Nacional); relativa ao processo de emenda e relativo ao poder constituinte decorrente.
- Relativas ao poder constituinte originário: só o povo é titular do p.c.o. e só ele pode se reunir em assembleia nacional constituinte.
- Relativas ao poder constituinte derivado: só o Congresso Nacional tem esse poder e o recebeu do povo. Só eles têm legitimidade para fazer modificações no texto constitucional já que eles são os representantes do povo e não podem abrir mão desse poder para ninguém.
- Relativa ao processo de emenda \u2013 uma emenda constitucional que modifique o processo de emenda mudando, por exemplo, o art. 60 § 2º, determinando que a aprovação deve ser feita por maioria absoluta, e não por 3/5, vai transformar a CF de rígida para flexível. O mesmo se aplica a uma mudança de 3/5 para 4/5, já que passaria de rígida para imutável, contrariando, nos dois casos, a Assembleia Nacional Constituinte.
- Relativa ao poder constituinte decorrente \u2013 este é o poder que têm os estados da federação de modificar suas constituições estaduais. Ele só pode ser exercido após o surgimento da constituição da república federativa uma vez que as constituições estaduais devem estar de acordo com aquela.