Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
3 - Colo de útero

Pré-visualização | Página 2 de 2

a função estrutural na célula, e as 
jogam para a periferia 
• Sem esse arcabouço celular, instala-se um halo citoplasmático
• A célula com essas características é denominada coilócito (“célula que tem buraco”) 
e é praticamente patognomônico das lesões de baixa grau 
- Características macroscópicas:
• Quando se trata de lesão de baixo grau, há duas formas colposcópicas: a lesão 
vegetante e a lesão plana 
- Conduta: 
• O NIC I é assintomático e chama a atenção clínica através do resultado anormal do 
Papanicolau
• Esses casos são acompanhados por colposcopia, durante a qual o ácido acético é usado 
para realçar a localização de lesões e áreas a serem biopsiadas
• Mulheres com L SIL documentada via biópsia são tratadas de maneira conservadora, com 
observação cuidadosa 
• É realizado o acompanhamento por 4 a 6 meses e então repete-se o exame 
• Em mais de 70% dos pacientes essa lesão regride espontaneamente por conta do 
sistema imunológico 
- Persistência da Lesão:
• Se essa lesão não regredir trata-se de um quadro chamado de persistência, o que é um 
sinal de alerta, ou seja, tendência de evoluir para uma lesão de alto grau 
• Essa lesão pode persistir por 2 motivos:
• Falha no sistema imune 
• Infecção mista de HPV (subtipos de alto grau + subtipos de baixo grau)
• Quanto menor a imunidade da mulher, maior a chance infecção por tipos mistos de HPV 
(ex: pacientes HIV+) 
• Nesses casos, para se descobrir se há uma infecção mista de HPV, existem 2 principais 
métodos:
• Imunohistoquímica: 
• Busca pela proteína p16
• Quanto maior o risco de HPV de alto grau, maior a expressão da p16
• Captura híbrida para DNA-HPV: 
• Exame molecular capaz de diagnosticar o vírus do HPV ainda que não tenham 
aparecido os primeiros sintomas da doença
• Nesse exame é raspado uma amostra e separada em grupo A (HPV de alto risco) e 
grupo B (HPV de baixo risco)
• Mas perceba que não diz qual o tipo de HPV, apenas informa se é de alto ou baixo 
risco 
• Em países mais desenvolvidos a captura híbrida é utilizada até mesmo como uma 
exame preventivo, devido a sua acessibilidade 
LESÃO DE ALTO GRAU 
- Lesão corresponde ao NIC II e III
- Características Microscópicas:
• Em NIC II:
• A displasia estende-se para o terço médio do 
epitélio e toma a forma de maturação 
retardada dos queratinócitos
• Também está associada a alguma variação na 
célula e tamanho nuclear, heterogeneidade da 
cromatina nuclear e presença de mitoses 
acima da camada basal que se estende para o 
terço médio do epitélio
• A camada superficial de células mostra alguma 
diferenciação e, ocasionalmente, demonstra as 
alterações coilocitóticas descritas 
• Em NIC III: 
• É marcado pela perda quase completa de 
maturação, variação ainda maior na célula e 
tamanho nuclear, heterogeneidade da 
cromatina, orientação desordenada das células 
e mitoses normais ou anormais
• Essas alterações afetam praticamente todas as 
camadas do epitélio
• A alteração coilocitótica geralmente está 
ausente 
- Características macroscópicas:
• São esbranquiçadas e planas (lesões acetobrancas)
• se jogar ácido acético na lesão ela fica branca (teste de Schiller)
- Conduta:
• Diferentemente das lesões de baixo grau, as lesões de alto grau devem ser retiradas e não 
apenas acompanhadas
• Uma das formas de fazer isso é a cirurgia de alta freqüência (CAF), que pode ser feita até 
mesmo no consultoria 
• Outra forma é a conização, que utiliza uma incisão mais profunda e requer centro cirúrgico 
e anestesia 
• Esfregaços e exame clínico de acompanhamento são obrigatórios durante a vida em 
pacientes com lesão de alto grau, visto que essas mulheres permanecem em risco para 
cânceres vaginal, vulvar e de colo do útero associados ao HPV 
CÂNCER DE COLO UTERINO
- Tripé clássico da propedêutica do colo uterino: 
1. Citopatologia do colo uterino
2. Colposcopia 
3. Histopatologia do colo uterino 
• OBS: existe ainda a vacina contra o HPV, mas ela não foi oficialmente adicionada a esse 
tripé 
- Os carcinoma de colo uterino podem ser divididos de acordo com sua origem:
• Carcinoma escamoso / epidermóide (CEC): originado das células escamosas da ZT — 
70% 
• Adenocarcinoma: originados em endocérvix — 30% 
- obs: antigamente o papanicolau era realizado apenas na ZT. Mas como 30% dos carcinomas 
de colo uterino podem se originar na endocérvix, atualmente é obrigatório a realização do 
exame em ambas as regiões 
- Todos esses tipos de carcinomas são causados por HPV 
- Carcinoma VS. NIC 
• A principal diferença entre o carcinoma e a neoplasia intraepitelial é que o carcinoma 
ultrapassa a membrana basal
- Carcinoma Microinvasor VS. Carcinoma Invasor
• O carcinoma escamoso pode se manifestar de duas formas gerais:
1. Carcinoma escamoso microinvasor: quando a lesão tem menos de 7mm de diâmetro e 
menos de 5mm de largura
2. Carcinoma escamoso invasor: quando a lesão ultrapassa essas dimensões 
• Essa distinção é importante pois vai influenciar totalmente no prognóstico 
CARCINOMA ESCAMOSO INVASOR
- O carcinoma de células escamosas tem um pico de incidência por volta dos 45 anos, 10-15 
anos após a detecção do precursor NIC
- Os tumores que circundam o colo do útero e penetram o estroma subjacente produzem um 
colo do útero em barril, que pode ser identificado por meio de palpação direta 
- Classificação histológica:
• Além das classificações já apresentadas, o carcinoma escamoso invasor pode ser 
subclassificado em alto grau ou baixo grau, dependendo da análise histológica 
- Classificação macroscópica:
• Pode ser classificado em 3 formas:
1. Lesão exofítica (A) 
2. Lesão endofítica (B) 
3. Lesão ulcerada (C) - pode ser confundida com cervicite ulcerada 
- Classificação microscópica:
1. Lesão de grandes células queratinizante (A) 
2. Lesão de grandes células não queratinizante (B) 
3. Lesão de pequenas células (C) - forma mais agressiva 
- Estadiamento do carcinoma escamoso invasor:
• Estadio 1 = câncer limitado ao colo (90% de sobrevida)
• TTO: conservador ou cirurgias pouco invasivas 
• Estadio 2 = câncer no terço superior da vagina e se estende para os limites do colo do 
útero (70% de sobrevida)
• TTO: pan-histerectomia (tira trompas, ovários, útero e esvaziamento pélvico) 
• Estadio 3 = câncer se estende ao terço inferior da vagina e pelve (40% de sobrevida)
• TTO: pan-histerectomia (tira trompas, ovários, útero e esvaziamento pélvico) 
• Estadio 4 = câncer infiltra órgãos adjacentes, como bexiga e reto (20 - 30% de sobrevida) 
• TTO: quimioterapia, radioterapia e TTO paliativo
• OBS: O estadiamento é o melhor critério para prognóstico 
ADENOCARCINOMA ENDOCERVICAL
- Aspecto macroscópico:
• A lesão geralmente ocorre dentro do canal cervical (infiltrativa), uma vez que não há como 
fazer uma lesão endofítica ou exofítica 
- Aspecto clínico:
• A grande marca clínica é a mucorreia
Página12