QUÍMICA ORGÂNICA-Nomenclatura
53 pág.

QUÍMICA ORGÂNICA-Nomenclatura


DisciplinaQuímica do Petróleo I80 materiais442 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Incorreto : 1-etil-4-metil-ciclo-hexeno
3 4
2 CH2 \u2014 CH3
CH3
1
Prof. Marco Aurélio Oliveira Lima
Os compostos aromáticos também podem apresentar grupos 
orgânicos ligados ao anel aromático, portanto devem ser 
considerados na nomenclatura também. 
Eles obedecem as mesmas regras dos hidrocarbonetos 
ramificados, ou seja, a regra dos menores números 
(numerar os carbonos do ciclo, no sentido horário ou anti-
horário, para dar aos grupos orgânicos os menores 
números possíveis.
Prof. Marco Aurélio Oliveira Lima
CH3
Havendo apenas um grupo 
orgânico ligado a um ciclo, não é 
necessário indicar a posição desse 
grupo, pois sempre estará ligado no 
carbono número 1.
Correto : metil-benzeno ou TOLUENO
Incorreto: 1-metil-benzeno
Tolueno : composto ativo da cola de sapateiro, causa 
dependência e alucinações. 
Prof. Marco Aurélio Oliveira Lima
CH3
CH3
CH3
CH3
CH3
CH3
1,2-dimetil-benzeno
4
1
2
3
1
1
1,3-dimetil-benzeno
1,4-dimetil-benzeno
Compostos aromáticos com mais de um grupo orgânico 
ligado ao anel aromático, obedecem as mesmas regras dos 
hidrocarbonetos ramificados, ou seja, a regra dos menores 
números (numerar os carbonos do ciclo, no sentido 
horário ou anti-horário, para dar aos grupos orgânicos os 
menores números possíveis.
2
2
3
Prof. Marco Aurélio Oliveira Lima
CH3
CH3
CH3
CH3
CH3
CH3
1,2-dimetil-benzeno
Orto-dimetil-benzeno
4
1
2
3
1
1
1,3-dimetil-benzeno
Meta-dimetil-benzeno
1,4-dimetil-benzeno
Para-dimetil-benzeno
2
2
3
Em compostos aromáticos, existe uma nomenclatura diferenciada
que pode ser usada, portanto é importante conhecer.
Quando houver 2 grupos orgânicos ligados ao anel aromático e estes estiverem nas
posições 1 e 2, 1 e 3 ou 1 e 4, podemos trocar as posições 1,2 \u2013 1,3 \u2013 ou 1,4 pela
palavras orto, meta, para, portanto :
Prof. Marco Aurélio Oliveira Lima
1- Quando usar hifen e quando usar vírgula ????
a) Hífen - usamos para separar palavras
Ex: metil-pentano
b) Vírgula \u2013 usamos para separar números
Ex : 2,2,4 \u2013 trimetil - pentano
Observações Importantes : 
3 \u2013 Quando eu vou montar um composto a partir do nome, 
por onde começo a numerar os carbonos ? 
\u2022 Se você está montando o composto, você escolhe de que 
lado começar, porém uma vez iniciado por um extremidade, 
deverá sempre continuar pela mesma.
Ex : 4,5-dimetil-2-hexino
H3C\u2014CH \u2014 CH \u2014 C C\u2014CH3
CH3 CH3
123456 Eu começei por esta 
extremidade.
Prof. Marco Aurélio Oliveira Lima
Prof. Marco Aurélio Oliveira Lima
Nomenclatura de hidrocarbonetos ramificados
1) Determine a cadeia carbônica principal (sempre o maior
número de carbonos)
CH3 CH2 CH2 CH2 CH CH2 CH2 CH3
CH3
CH3 CH2 CH2 CH2 CH CH2 CH3
CH2 CH2 CH3
2) Numere os átomos de carbono da cadeia carbônica de forma que
os substituintes fiquem com o menor número possível.
CH3
5
CH2
4
CH2
3
CH
2
CH3
1
CH3
2 - metilpentano
CH3
1
CH2
2
CH2
3
CH
4
CH2
5
CH2
6
CH2
7
CH3
8
CH CH3
CH3
4 - isopropiloctano
Prof. Marco Aurélio Oliveira Lima
3) Numeres os substituintes para que o nome resulte na menor
combinação possível
CH3
1
CH2
2
CH
3
CH2
4
CH
5
CH2
6
CH2
7
CH3
8
CH3
CH2 CH3
5 - etil - 3 - metiloctanocorreto
Os substituintes são listados em ordem alfabética!
4 - etil - 6 - metiloctanoerrado
8 < 1010
4 - etil - 6 - metiloctanoerrado
8 < 1010
4 - etil - 6 - metiloctanoerrado 4 - etil - 6 - metiloctanoerrado 4 - etil - 6 - metiloctanoerrado
8 < 1010
4 - etil - 6 - metiloctanoerrado
8 < 1010
4 - etil - 6 - metiloctanoerrado
Prof. Marco Aurélio Oliveira Lima
Nomenclatura dos alcanos
(terminação \u201cano\u201d)
1º Encontrar a cadeia principal:
2º Numerar os carbonos:
3º Dar o nome em ordem de complexibilidade:
1 2 3 4 5 
2,3,3-trimetil-pentano
CH3
CH C CH2CH3
CH3
CH3
CH3
Prof. Marco Aurélio Oliveira Lima
6 5 4 3 2 1
3-etil-5,5-dimetil-hex-2-eno
CH3
C CH2 CCH3 H CH3C
CH3
CH3
CH2
Nomenclatura dos alcenos
(terminação \u201ceno\u201d)
Prof. Marco Aurélio Oliveira Lima
Nomenclatura dos alcinos
(terminação \u201cino\u201d)
7 6 5 4 3 2 1
5-etil-3,5-dimetil-hept-1-ino
CH3
C CH2 CHCH3 CHC
CH3
CH3
CH2
CH2
Prof. Marco Aurélio Oliveira Lima
2-metil-3-n-propil-penta-1,4-dieno
CH2 CHCH3 CHC
CH3
CH3
CH
CH2
3 2 1
5
4
Nomenclatura dos alcadienos
(Prefixo+ adieno + n C com =)
Prof. Marco Aurélio Oliveira Lima
1,3-dimetil-benzeno 
ou meta-Xileno
CH3
- CH3
CH3
CH3
1,4-dimetil-benzeno
ou para-Xileno
Nomenclatura dos aromáticos
ortoorto
metameta
para
X CH3
- CH3
1,2-dimetil-benzeno 
ou orto-Xileno
Prof. Marco Aurélio Oliveira Lima
Nomenclatura de 
hidrocarbonetos halogenados
Prof. Marco Aurélio Oliveira Lima
Os haletos orgânicos, também chamados derivados halogenados, são compostos que derivam dos
hidrocarbonetos pela substituição de átomos de hidrogênio por igual número de átomos de
halogênio (F, Cl, Br, I).
Nomenclatura Oficial (IUPAC)
Nesta nomenclatura, o átomo de halogênio é considerado uma ramificação
CH3 CH2
Cl
cloroetano
CH3 CH2 CH2
Cl Cl
1 , 2 - dicloropropano
1, 6 - diclorociclohexeno
Prof. Marco Aurélio Oliveira Lima
CH3 CH2
Cl
cloreto de etila
H2C
CH2
C I
H
iodeto de ciclopropila
CH2 Br
brometo de benzila
Prof. Marco Aurélio Oliveira Lima
BHC (Benzeno-Hexa-Clorado, 1,2,3,4,5,6-hexaclorocicloexano )
DDT (Dicloro-Difenil-Tricloroetano)
Cl
Cl
Cl
Cl
Cl
Cl
BHC
C
Cl
Cl
Cl
C Cl
H
Cl
DDT
C
Cl
Cl
Cl
H
triclorometano
ou clorofórmio
CH3 CH2 Cl
cloreto de etila
empregado nos 'lança perfumes'
Prof. Marco Aurélio Oliveira Lima
2-Bromo-1-cloropropano
1-bromo-2-clorociclopentano
Referências Bibliográficas
J.B.RUSSEL. Química Geral. 2. ed. Vol.1, Ed. São Paulo:Makron Books, 1994.
J.C.KOTZ. Química Geral e Reações Químicas. São Paulo:Thomson, 2005.
BROWN, T.L et. al. Química a Ciência Central. São Paulo:Pearson, 2005.
ATKINS, P.; JONES, L. Princípios de Química: Questionando a vida moderna e o meio
ambiente. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.
MAIA, D.J; BIANCHI, J.C.A. Química Geral, Fundamentos. 1. ed. São Paulo:Pearson,
2007.
GUARRITZ, A.; CHAMIZO, J.A. Química. 1. ed. São Paulo: Printece Hall, 2003.
MYERS, R.J; MAHAN, B.M. Química: Um curso Universitário. 1. ed. São Paulo: Edgar
Blucher, 2002.
BRADY, J.E; HUMISTON, G.E. Química Geral. 2. Ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e
Científicos Editora S.A, 2005.
Prof. Marco Aurélio O. Lima
Alexandre
Alexandre fez um comentário
bom
0 aprovações
Carregar mais