A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Conselho nacional de justiça- Batista

Pré-visualização | Página 1 de 1

Conselho nacional de justiça
A criação do CNJ tem por objetivo consagrar o princípio republicano de modo que o magistrado possa ser responsabilizado por infrações que venha a cometer. Como vemos no art. 103-B, §4º, VI, o CNJ tem como objetivo, entre outras coisas, elaborar relatórios semestrais para avaliar a produtividade dos magistrados. Há essa obrigação de estatísticas sobre a produtividade. O inciso VII, por fim, representa o sistema de freios e contrapesos ao determinar que o CNJ teve prestar contas ao Congresso, já que este é o representante do povo. O judiciário passou a ter um maior nível de controle interno, mas com efeitos externos. Isso permite um judiciário menos fechado em si mesmo.
Repartição de competências
Quando pensamos o nosso poder judiciário, encontramos a justiça federal, a justiça do trabalho, a justiça eleitoral, a justiça militar, a justiça dos estados e, por fim, a justiça do distrito federal e territórios. Isso tem muita relação com a repartição de competências. As competência para legislar e administrar da União estão arroladas nos arts. 21, 22, 23 e 24. O estados, por sua vez, têm competência remanescente (art. 25, §1º). Os municípios têm competência para assuntos de interesse local. O DF, por fim, tem competências dos municípios e dos estados.
Ainda que essas competências sejam para legislar e administrar, devemos pensar nessas regras gerais para pensar na organização do judiciário. Em primeiro lugar, devemos esquecer os municípios, que não têm judiciário próprio. No DF e territórios, não se vê uma competência própria. A organização judiciária do DF e territórios vem por leis federais. Para as regras com relação à União e aos estados, porém, prevalecem as competências supracitadas.
Vemos que os ramos do judiciário organizados pela União têm suas competências enumeradas pela Constituição. Estes são as justiças federal, do trabalho, eleitoral e militar (arts. 109, 114, 121 e 124). Vemos que, mesmo na organização do judiciário, a competência estadual é remanescente.