Direito comercial II
29 pág.

Direito comercial II


DisciplinaDireito Comercial2.194 materiais5.753 seguidores
Pré-visualização9 páginas
bancário, monetário e creditício, atuando como agente regulador nos mercados financeiros e monetário. Quando há uma companhia financeira aberta ela estará sujeita ao BC e a CVM no que concerne a cada um. 
- CVM 
a)Natureza art.5 lei 6385/76
é uma agencia reguladora. Logo é uma autarquia, como as demais agencias reguladoras brasileiras. É uma autarquia em regime especial. Tendo personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade administrativa independente, ausência de subordinação hierárquica, mandato fixo e estabilidade de seus dirigentes, e autonomia financeira e orçamentária.
b)Funções (art. 8, 13, 14 e 21 lei 6385/76)
-fiscalizadora- é o cherife do mercado mobiliário, possui o poder de policia, poder de punir os agentes que atentem contra as regras do mercado de valores mobiliários. 
- regulamentar- disciplina o mercado de valores mobiliários, naquilo em que a lei permite que seja disciplinado não podendo ser contra legem. Editando instruções normativas.
- registral- as ações devem passar pela subscrição publica. Não é um ato constitutivo, mas permitir que a companhia possa negociar valores no mercado de valores.
-consultiva- qualquer interessado pode fazer consultas a CVM que pode ou não divulgar essas consultas. Tendo uma função de orientação do mercado. 
-fomento- apesar de não estar previsto em lei a doutrina reconhece esse fomento, através de palestras, debates. 
c) valores mobiliários- art.2 lei 6385/76
esse elenco do art. 2 é exaustivo. Não pode haver inovação.
-bolsa de valores
a) natureza- art.5, I lei 4728/65
é uma associação das sociedades corretoras que atuam no mercado. Na associação não há partilha, qualquer proveito fica com a pessoa jurídica que é a associação. Logo a bolsa de valores é o local adequado para a negociação de títulos ou valores mobiliários. 
b) mercado secundário- na bolsa há operações de revenda desses valores mobiliários. 
c) novo mercado- é uma criação da bolsa de valores do estado de são Paulo, criou um ranking das companhias que atuam na bolsa e o terceiro nível (nível Maximo) são as companhias com boas praticas de governança coorporativa, sendo assim as mais seguras, por isso são chamadas de novo mercado, tornando-se uma grife.
 
- mercado de balcão- art.21 lei 6385/76
Se da na próprio balcão da instituição financeira e da sociedade corretora sendo assim muito mais restrita a acessibilidade desses títulos comparando-se a bolsa de valores.
a) integrantes
a.1) instituto financeiro
a.2) sociedades corretoras
b) mercado
b.1) primarias (arts. 82 e parágrafo quinto do art. 170 lei 6404/76)
b.2) secundaria- a revenda são no mercado secundário. 
Aula 11-20/04/2012- começa aqui a matéria da segunda prova
Ação 
- nocao e natureza juridica
É um titulo corporativo que confere um estado jurídico próprio ao seu titular, trazendo direitos e obrigações para seu possuidor.
Quando se fala em titulo de credito não se fala no seu sentido amplo, mas da sua forma especifica. Este é um documento necessário para que seu titular possa exercer um direito autônomo e literal nele consignado.
Dessa noção emergem três caracteristicas:
- cartoralidade- o direito de credito esta expresso numa cartula, num documento que esta em lei.
- autonomia
- literalidade
A ação também é um titulo de credito, já que potencialmente se apresenta dessa forma, uma vez que o titulo de credito também pode ser um titulo de participação, para a doutrina dominante. A ação é um titulo de credito impróprio (é um titulo causal esta sempre ligado a causa de sua emissão, os títulos de credito próprio passa a valer em si próprio) e dependente (uma vez que estara necessariamente vinculada ao estatuto) (os títulos de credito independente se bastam a si próprios, a simples manifestação volitiva do emissor já bastam, ex: cheque). é um direito de credito de receber dividendos (para isso deve ter exercicio anual ( que geralmente coincide com o ano cível) positivo, e não ter tido prejuízos acumulados) e do ativo remanescente, que só se materializa quando a sociedade se liquida, sendo assim um credito futuro e incerto.
Art.190, mostra a ordem do destino do lucro liquido.
Art.193
Art.202
A ação é unidade, é um titulo de participação e é também um titulo de credito. A ação é enquadrada como um bem móvel por isso é um valor mobiliário. 
- fixação 
A ação esta sempre ligada ao estatuto art.11. Logo para ser valida deve seguir o estatuto, sob pena de invalidade da ação.
- certificados
Podem ser documentais (arts23, 24, 25, 26, 27- podem ser certificados unitários- certifica cada ação individualmente ou múltiplos- representam múltiplas ações) ou escriturais (que são mantidas em conta de deposito de uma instituição financeira autorizada, para campinho não seria um titulo de credito, mas não possui um certificado)
A natureza do certificado é um documento probatório que traz presunção relativa da titularidade, só teria sentido ao titulo ao portador( no documento titular não é identificado dando mais celeridade nas transações porem da mais insegurança a quem o possui, uma vez que poderia perde-lo) porem hoje todas as ações são nominativas (aparecem nos livros de registro art.100 da lei 6404/76) logo não tem mais sentido esse certificado que esta em desuso.
- valor da ação 
Esta na parte do preço de emissão 
- indivisibilidade e negociabilidade 
Art.28, a ação é indivisível em relação a companhia, mas pode ter a divisibilidade aos acionistas que são condôminos de ações, mas na pratica você não vislumbra o condomínio de ações há a comunhão de direitos, há a co propriedade das ações, o representante dos condôminos é denominado cabecel, percebe-se isso na parte das cotas art.1055 CC. 
E da essência da sociedade anônima a livre negociabilidade das ações. Art.1057.
Na companhia fechada há uma regra especial, não chega a ferir a livre negociabilidade mas molda. Art.36, seria um direito de preferência. 
Na companhia aberta seria nula qualquer clausula estatutária que estabelecesse direito de preferência ou que limitasse a livre circulação.
Art. 118, é um pacto privado para social, que pode haver limitações.
Art.29 art.30
- classificação:
a) quanto a natureza dos direitos
b) quanto a forma
c) quanto a representação física 
- constituição de ônus
- resgate, amortização e reembolso
Aula 14- 11/05/2012
Dividendo fixo- tem prioridade de receber o dividendo, mas se tiver mais dividendos a distribuir ele não recebe mais.
Dividendo mínimo- recebe sempre aquele dividendo mínimo, no entanto se houver mais dividendos a serem distribuídos, caso sobre para pagar os ordinaristas, ainda podem ganhar mais, o que não ocorre com os dividendos fixos. 
As ações também podem ter participação política. 
Art.193 ao art. 203, lei 6404.
Apura-se o lucro no exercício e não no caixa.
O dividendo obrigatório pode ser deixada de lado em face da reserva legal.
Parágrafo quarto do art.17.
Dividendo prioritário é uma vantagem relativa, uma vez que se for muito lucrativa a companhia os ordinaristas terão maiores vantagens.
Constituição de ônus 
A ação se inclui dentre os bens moveis. Art. 39 e 40 da lei tratam dos ônus possivelmente constituídos sobre os bens moveis. A ação revela direitos de cunho patrimonial. Como bem móvel, com valor pecuniário ela pode ser dada em caução, sendo assim uma garantia do adimplemento da sua obrigação. Essa ação é pignoratícia, uma vez que é garantia real sobre bem móvel. Se fosse bem imóvel a garantia real seria hipoteca.
O testador mostra que o bem que compõe a herança vai para A (fiduciário), depois caso este morra ou por um certo tempo, ou devido a uma condição especifica vai para B (fideicomissário). Essa é uma propriedade resolúvel, se resolve em favor do B em certos casos. É o caso do fideicomisso.
Alienação fiduciária de veículos automotores. Há o comprador A e o vendedor, A não possui dinheiro pega com uma financeira X. a financeira X entrega a vista o dinheiro se tornando um prorietario fiduciário, resolúvel uma vez que se A pagar as parcelas