Sedução na Net
86 pág.

Sedução na Net


DisciplinaAnálise Textual10.325 materiais293.896 seguidores
Pré-visualização34 páginas
RJ fala reservadamente com Bia: gostei de vc.... tô amarradão... 
(17:42:50) Bia fala reservadamente com Felipe RJ: Recíproco, meu chapinha...Ainda mais 
se tu for brincalhão, se gostar de dançar... 
(17:43:07) Felipe RJ fala reservadamente com Bia: Pô Aninha.. tu deve ser uma desgraça 
na pista de dança.... desgraça pro teu namorado... que vai morrer de preocupação. Como tu 
é fisicamente? 
 
Felipe conhecia bem o jogo de sedução na internet onde, muitas vezes, o interesse 
desaparece tão logo se descobrem mentiras contadas como realidade. Outras vezes, era a 
fantasia que atrapalhava, indo muito além da verdade. 
Continuaram o jogo. Ela deu a sua descrição. Ele, deu a dele. Cada um de seu lado 
do monitor, criou as suas expectativas em relação ao outro. Quem estava atrás do teclado, 
começava a ter uma forma na imaginação do interlocutor. As palavras digitadas na tela 
tinham, agora, medidas e dimensões. Como não é todos os dias que se encontra alguém 
interessante, mesmo pela internet, Felipe achou que era momento de pedir a foto dela. Anna 
Beatriz atendia a grande parte dos seus pré-requisitos e ele quis logo conhecer como era 
aquela garota, antes que seu entusiasmo crescesse demais. 
Ela era muito diferente do que ele imaginara. Aliás, a fantasia, neste caso, nunca 
corresponde à realidade. É mesmo excitante o momento em que se abre um arquivo de 
computador que traz a imagem daquela pessoa que, de alguma forma, despertou o nosso 
interesse. Substituir a imagem que a nossa imaginação criou pela realidade, pode ser 
motivo de grande alegria ou de grande decepção. Contudo, mesmo diferente do que ele 
havia imaginado, ela era muito bonita. 
 
(18:48:35) Felipe RJ fala reservadamente com Bia: Vc não tem vontade de me conhecer 
não? A gente podia trocar tel.. assim eu não te perdia... A gente podia se dar muito bem.... 
(18:48:56) Bia fala reservadamente com Felipe RJ: E eu, não vou ver sua foto não? 
(18:47:18) Felipe RJ fala reservadamente com Bia: Vai, coisinha linda... eu tenho uma HP.. 
as fotos estão lá.. é só entrar e ver.. assim, molinho, princesa ... 
 
 Alguns minutos depois, ela voltou e enviou seu telefone. Ele nem precisou de um 
pretexto para lhe telefonar. Ela lhe deu a chance. 
 
(18:53:33) Bia fala reservadamente com Felipe RJ: Eu acho que hoje eu vou ficar em 
casa...L 
(18:54:22) Felipe RJ fala reservadamente com Bia: Não vai. Eu vou te ligar e eu vou 
encontrar vc e te cobrir de beijinho. 
(19:54:53) Bia fala reservadamente com Felipe RJ: Vc vem me encontrar mesmo ? 
 
A voz meiga dela no telefone o convenceu a transformar aquela brincadeira do chat 
em realidade. Enquanto se arrumava para sair, Felipe pensava que, em tempos de internet, 
 35 
os encontros, realmente, são muito mais fáceis. Antes da rede, quando queria conhecer 
pessoas diferentes, a única opção era sair com os amigos, freqüentar bares e boites. Nem 
sempre encontrava alguém que o agradasse e, algumas vezes, acabava a noite sozinho. Era 
muito pior nos momentos em que queria alguém especial ao seu lado, alguém para namorar. 
Na internet, o assédio consentido faz com que homens e mulheres se encontrem com mais 
facilidade e com menos barreiras. Sem preconceitos, libertam-se e se expõem mais. Em 
muitos casos, valores que ficariam ofuscados por uma aparência menos atraente ou por um 
comportamento contido, acabam aflorando em uma sala de bate-papo. Isso facilita a vida de 
pessoas que não se enquadram dentro dos padrões estéticos normais ou de pessoas que 
tenham dificuldades para se relacionar. Ali, elas descobrem que, antes de mais nada, são 
pessoas iguais às outras, com seus defeitos e suas qualidades. E que, aprendendo a lidar 
com os rótulos que a sociedade teima em lhes dar, vão poder expor o que têm de bom e vão 
viver muito mais felizes. 
 
 Felipe apostava que Anna Beatriz estava acima da média da mulheres que ele vinha 
conhecendo pela rede. Ele nunca se preocupava com a impressão que ia causar nelas. 
Conhecia seu poder de sedução. Sabia que as agradava. Ficava muito mais preocupado com 
o que ia encontrar pela frente. Não que seja necessário coragem para concretizar um 
encontro que começou no plano virtual. Ao desligar o computador, vamos encontrar uma 
pessoa de carne e osso, com todas as qualidades que ela nos mostrou teclando e com 
defeitos, que vamos conhecer no momento em que a virmos. Neste caso, contudo, ele 
pensava que existiam tantas afinidades entre eles, que certamente tornariam-se, no mínimo, 
bons amigos. 
Quando esses encontros ainda eram uma novidade, ele se enchia de expectativa. A 
descoberta do desconhecido o encantava. Ver a realidade se sobrepor à sua fantasia era uma 
idéia que o fascinava. O que não o fascinava eram as mulheres por trás daquelas realidades. 
E ele começou a precaver-se das mentiras. Ficou muito mais difícil conhecer alguém 
interessante. Quando isso acontecia, como naquele dia, era um momento especial. 
Ele não negava que esperava, sim, gostar da garota. Ela, na sua espontaneidade, 
garantiu que a foto era recente. 
Eram quase nove e meia. Quase hora de seus olhares se encontrarem e de poderem 
ler suas almas. Quase hora daquela fantasia na mente de Felipe ganhar forma, voz e 
movimento. O resultado podia ser encantamento ou decepção. Naquela noite, ele apostava 
na primeira opção. 
 
 Giulia há alguns dias vinha teclando com Rodrigo. Eles logo trocaram fotos, após 
descobrirem várias coisas em comum. 
 Ela bem que gostaria de ter ido conhecê-lo pessoalmente, assim que ele despertou o 
seu interesse. Mas, aqueles dias estavam conturbados para ele e uma série de imprevistos os 
impediu de se encontrarem. Passavam horas nos chats, depois no telefone, até o meio da 
madrugada. 
 Ela percebia que estava começando a se envolver demais. Não gostaria que isso 
acontecesse antes de estar com ele. E se ela se apaixonasse por uma fantasia? E se a 
química entre eles não funcionasse? 
 Desconfortável essa situação, de estar se apaixonando sem saber como é a vida que 
está por trás de uma fotografia! Por isso é que ela sempre preferia partir logo para o 
encontro real. Porque quando os olhares se encontram, somos nós e a nossa realidade, para 
 36 
conquistar ou afastar o outro. Imaginava que quanto mais o tempo passasse, maior e mais 
distante da realidade seria a sua expectativa. 
 \u201cSão perigosas essas fantasias que nós inventamos na nossa cabeça acerca do 
outro. Daqui a pouco, ele vai virar o homem perfeito, o príncipe encantado. Melhor ir 
conhecê-lo logo.\u201d- ela pensava. 
 
 Contudo, os desencontros prosseguiam . Parecia que ela estava voltando há tempos 
atrás, quando viveu sua primeira paixão virtual. Naquela época, ainda desconhecendo o 
universo dos chats, Giulia relacionou-se pelo computador durante dois meses, sem nem 
mesmo receber uma foto do seu namorado virtual. Apaixonou-se de tal forma pela fantasia 
que criou que, quando foi conhecê-lo, não o enxergou como ele era. O sapo ficou escondido 
atrás do príncipe. Foram mais quatro meses de ilusões, enganos e mentiras. Um dia, ela 
olhou para ele e viu a realidade. Foi embora na mesma hora. 
 Rodrigo estava começando a fazer parte da vida dela e era cedo demais para que 
isso acontecesse. Procurava não valorizá-lo demais, tentava lembrar-se sempre que ele 
haveria de ter defeitos, como todo mundo. Ultimamente, aliás, ela andava muito mais 
exigente em relação aos homens que conhecia e menos tolerante também. Comparava-os a 
Felipe e nenhum deles levava vantagem nesse confronto. Rodrigo, pelo menos, exercia 
sobre ela uma grande atração. Mesmo assim, ela fazia de tudo para lembrar-se que, 
enquanto não o visse, não o tocasse, não sentisse seu cheiro e seu gosto, estava apaixonada 
pela imagem que criara dele. 
 \u201cEu não vou me deixar envolver sem conhecê-lo\u201d.- ela pensava. 
 
 Entretanto, quando chegava uma mensagem dele \u2013 e eram várias durante o dia \u2013 seu 
coração disparava. Respondia imediatamente, já ansiosa em receber resposta. À noite, 
ficava aguardando o momento