Sedução na Net
86 pág.

Sedução na Net


DisciplinaAnálise Textual10.299 materiais293.889 seguidores
Pré-visualização34 páginas
Saudável , harmônico... Enquanto olhava me distanciava cada 
vez mais da imagem . E a via cada vez mais perto . E ficava olhando . E pensando nas 
outras pessoas Nas que foram abençoadas pelo Universo e não... E agradecia a cada 
pensamento a Ele . Vi o que as pessoas vêm . E fiquei emocionado porque via a minha 
alma.. 
 
Ela digitou rapidamente a resposta. Compreendia o que ele lhe dissera e 
emocionava-se diante da reverência de Felipe ao Universo. 
 
 
* Assunto : Resposta : Arte... 
Data: Sábado, 16 de dezembro de 2000 02:42:00 
De: Giulia 
 Para: Felipe 
 
 
Eu várias vezes falei que vi sua alma e que ela é linda... Eu tb tenho me descoberto, mas 
por outro lado...tenho me visto mais madura, mais mulher...Em vc, quando a gente olha, o 
que mais chama a atenção, é a sua luz ... 
Olha que coisa...eu estava agora há pouco pensando em muitas coisas... Pensei em vc e me 
perguntava o que vc tem de tão especial. Sabe, o Universo te privilegiou, mas vc tb é 
responsável pela harmonia. E pela beleza. Eu te falei isso esses dias...disse que vc não pára, 
que faz fluir essa energia e que o resultado disso é a sua luz...Harmonia...Beleza... 
 
 Mais alguns minutos e chegou a última resposta dele naquela noite. Ela percebera 
um ar de tristeza em suas mensagens. Não gostou da idéia de não encontrá-lo alegre, 
brincalhão como sempre. 
Ela desconectou-se da rede, sem entrar em sala alguma. Ele ocupava, agora, todos 
os seus pensamentos, todas as suas emoções, todas as suas lembranças. 
 Giulia guardava todos os e-mails trocados por eles, desde o primeiro, há quase três 
anos. Gravara, também, muitas telas onde eles conversavam, sempre em clima de alegria, 
nos tempos em que ela ainda morava em São Paulo. Naquela época, passava grande parte 
do mês na casa dele. Quando voltava para sua cidade, eles matavam as saudades nas salas 
da rede. Era muito divertido, embora nada substituísse o beijo, o toque, o carinho 
 76 
inesperado. Nem dava tempo para a saudade ficar grande demais. Ela logo voltava para 
perto dele, até o dia em que decidiu ficar de vez. 
 Contudo, hoje podia compreender o coração dele e, dessa forma, compreendia as 
suas necessidades. Liberdade, para ele, era fundamental. Precisava sentir-se livre para 
sentir-se vivo. 
 
 Antes de desligar o computador, ela leu a mensagem. 
 
* Assunto : Resposta : Arte... 
Data: Sábado, 16 de dezembro de 2000 03:11:00 
De: Felipe 
Para: Giulia 
 
Tenta fazer isso ...Fica diante do espelho e não pensa em nada . Só olha pra vc fixamente 
Vai ver que tua imagem começa a adquirir vida própria , vai ver que é outra pessoa .Então, 
vc vai começar a ver o que os outros enxergam e vai se surpreender com a sua imagem... 
Beijo, gata... 
 
 Adormeceu pensando nele. Teimava em não fazer planos para estar com Felipe 
novamente, mas ainda nutria um grande amor por ele, cuja natureza ela não sabia 
determinar. Havia carinho, havia amizade, havia uma grande atração física. Não havia mais 
sentimento de posse e nem ciúme. Podia compreender sua necessidade de liberdade. 
Também preocupava-se com ele, queria vê-lo sempre feliz e saudável. Não havia no mundo 
companhia melhor que a dele. Era um sentimento completamente novo e, por isso, ninguém 
poderia ocupar o seu lugar no coração dela. 
 
 
Capítulo XVII 
 
 Os últimos dias nos Estados Unidos passaram muito rapidamente. Quando Giulia 
percebeu, era quase final de dezembro. 
 Estava chegando a hora de voltar para o Rio de Janeiro e retomar sua vida naquela 
cidade que ela amava tanto. Conheceria, finalmente, o Bad Boy. Além disso, estaria perto 
de Felipe. Nos últimos tempos, vinha sentindo muita falta dele. Achava que era por causa 
do jeito do Bad Boy, tão parecido com ele. A partir daí, só Deus sabia como seria a sua 
vida. Mas, ela fez a sua parte e ouviu seu coração. 
 Ela guardaria boas lembranças daqueles meses e de Willian. Ele fora um 
companheiro maravilhoso durante aquele tempo em que estiveram juntos. Sabia que ele 
sentiria sua falta e que queria que ela ficasse. Mas, ela via, agora, um novo horizonte à sua 
frente e queria desvendá-lo. Precisava ir sozinha, naquele momento. Algo a impulsionava 
para o Brasil. Alguma coisa lhe dizia que era hora de voltar. Naquele momento, ela podia 
compreender o que Felipe sentira quando quis ser livre para viver o que bem entendesse. 
Havia diferenças entre uma situação e outra, mas a necessidade era a mesma. 
 
 77 
 - A vida é muito mais que nós dois...nada pode ser mais do que ela...Você tem um 
mundo de possibilidades à sua frente. \u2013 ela disse para Willian, lembrando-se de palavras 
que ouvira de Felipe. 
 - Mas, eu não vou encontrar alguém que eu ame tanto quanto a você \u2013 ele falava 
tão baixo que ela precisou chegar perto dele para ouvi-lo. 
 
 Pensou em Felipe. Ela entendia o que Willian quis dizer. 
 - Ninguém é insubstituível. Você conheceu uma pessoa que pensa um pouco 
diferente em algumas coisas, porque eu também aprendi a ser assim com outra pessoa. 
Aprendi a ser mais livre, mais segura, aprendi a ver o mundo com amor, sem querer 
agarrar tudo o que ele me dá. Hoje, eu usufruo as coisas boas que estão ao meu alcance, 
mas eu tenho plena consciência de que aquilo não é meu, que eu posso perder a qualquer 
momento. 
 
 Eles ainda conversaram por muito tempo naquela noite. Giulia percebeu que ele não 
conseguia entendê-la porque, simplesmente, via o mundo de outra forma, muito mais 
materialista, muito mais imediatista. Ela não conseguira ensiná-lo nada do que aprendera 
com Felipe, é verdade. Mas, Willian também não se mostrava muito disposto a ouvir suas 
idéias. Tinha uma opinião formada sobre o mundo que nada podia modificar. Para ele, a 
felicidade resumia-se a amor, trabalho, saúde, bens materiais. Ela também acharia isso 
perfeito se ele buscasse crescer espiritualmente. Willian, como tantas outras pessoas que ela 
conhecia, não tinha tal preocupação. Ela estava cansada de ver pessoas desgastando tempo, 
saúde e energia em disputas no trabalho, rixas familiares, discussões bobas no trânsito. 
Outras vezes, via essas mesmas pessoas reclamando que a vida não corria como queriam ou 
que coisas ruins ou fora de controle lhes acontecia. Raramente as via agradecendo ao 
Universo as coisas boas que tinham. 
 Naquela época de Natal, ela pensava especialmente nisso. O clima de solidariedade 
que tomava conta das pessoas deixava-as com aspecto mais feliz. Contudo, tão logo 
começasse o novo ano, todos recobravam sua ansiedade em relação aos seus objetivos e 
fechavam-se, novamente, em seus mundos particulares. 
 Giulia tinha consciência de que Felipe era uma pessoa iluminada porque se 
esforçava para evoluir espiritualmente. Seus sentimentos eram nobres e seu amor pela vida, 
era imenso. Era a prova viva de que a tecnologia não deixa o homem frio e nem tira dele as 
suas características. Ao mesmo tempo em que era um especialista em alta tecnologia, 
Felipe era também aprendiz dos mais aplicados, sempre disposto a ouvir o que o Universo 
lhe inspirava. Preocupava-se, sim, com o mau uso da tecnologia. Não queria ver uma elite 
dominando a informação e não gostaria de presenciar um mundo onde as máquinas 
substituíssem, simplesmente, os homens. Mas, sua fé o fazia crer que, quanto mais evoluído 
o homem se tornasse, mais solidário ele seria e usaria os recursos tecnológicos para fazer 
do mundo um lugar muito melhor. 
 Essa era a luz de Felipe, que o tornava tão especial. Ela sabia que, hoje, ela estava 
um pouco impregnada por essa luz, porque compartilhava os ideais do ex-namorado. 
Entendia porque, provavelmente, Willian não a esqueceria. 
 Mas, não conseguiu lhe explicar nada disso. Ele se deixou abater de tal forma pela 
angústia, que até mesmo a noite de Natal deles foi triste. Embora Giulia quisesse aproveitar 
cada momento, Willian não parava de tentar convencê-la a ficar. A insistência dele estragou 
aquela noite, que poderia ter sido mágica para ambos. Ela sequer quis sair de casa, para ver 
 78 
o