Contracepo_(1)

Contracepo_(1)


DisciplinaHistologia e Embriologia Humana424 materiais1.355 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Contracepção
Grupo: Caio Barbeiro
Deborah Canepa
João Vitor Marin
Maria Cláudia Klein
Paula Henriques
Raphael Magalhães
Turma: 4016 B
Contracepção é o termo usado para prevenção da gravidez. Essa prevenção é realizada com os métodos contraceptivos.
Métodos naturais ou comportamentais
São métodos pouco eficazes, mas amplamente utilizados devido ao fácil acesso e baixo custo. Diversos fatores podem interferir na eficácia desses métodos, seja por dificuldade de identificar o período fértil, seja por dificuldade de manter o alto grau de disciplina e controle.
Coito Interrompido
 Consiste em evitar a ejaculação, liberação dos gametas masculinos, dentro da vagina. 
 Método falho à medida que o líquido fabricado pelas glândulas de Cowper, liberado antes da ejaculação, pode conter espermatozóides suficientes para levar à fecundação. 
 Exige um autocontrole e disciplina por parte de quem o pratica, que deve ser capaz de pressentir a ejaculação e neste momento retirar o pênis da vagina, evitando a deposição do esperma. 
 
 Fator importante na determinação da falha do método: ejaculação precoce. 
Tabela ou calendário
 Método de abstinência periódica que tem por base a identificação do período fértil, considerando a provável época da ovulação.
 Existe uma variação fisiológica de duração dos ciclos menstruais, fazendo com que esse método tenha baixa eficácia. Como 
 Vantagem: não implica em custo financeiro e, assim, o acesso é mais fácil. 
Billings ou muco cervical
Consiste na análise da secreção vaginal, muco cervical, a fim de evitar relação sexual com penetração no período fértil. 
 No período fértil: secreção mais clara, viscosa e em maior quantidade. 
 Esse método apresenta as mesmas vantagens da tabelinha e não é tão seguro, já que é necessário um certo grau de conhecimento e manipulação do próprio corpo.
Temperatura basal ou térmico 
Consiste na medição da temperatura axilar ou oral ao acordar já que após o período fértil, devido a ação da progesterona no centro termorregulador do hipotálamo, a temperatura basal sofre um aumento entre 0,3 e 0,8ºC. 
 As relações sexuais devem ser evitadas desde o primeiro dia da menstruação até decorridos três dias consecutivos após o aumento da temperatura. 
 Esse método é bastante ineficaz já que o aumento da temperatura basal pode estar relacionado à ingestão de bebidas alcoólicas ou doenças e por também exigir que a pessoa tenha sono regular. Por isso é um procedimento mais utilizado para estudos de fertilidade do que para evitar gravidez.
Sintotérmico
Associação entre os métodos da tabela, do muco cervical e da temperatura basal. 
Apresenta as mesmas vantagens e desvantagens desses métodos citados. 
Métodos de barreira 
Esses métodos evitam a gravidez impedindo o acesso dos espermatozóides ao útero, através de obstáculos mecânicos, químicos ou mistos. Os mais populares dentre esses são os preservativos masculinos. Embora de baixa eficácia anticonceptiva se comparado com os métodos hormonais, sua utilização vem sendo altamente recomendada devido ao efeito protetor contras as doenças sexualmente transmissíveis. 
9
Dispositivo circular, macio, de borracha de látex ou silicone, côncavo com borda flexível, que cobre o colo uterino impedindo a passagem dos espermatozóides para o útero. É utilizado, geralmente, com um gel espermicida.
 Pode ser colocado pela mulher imediatamente antes ou em até 6 horas antes da relação sexual e só deve ser retirado depois de, no mínimo, 8 horas após a relação.
Diafragma
Preservativo
Tem-se o masculino e o feminino.
Camisinha masculina: é feita de uma lâmina fina de borracha de látex com lubrificante que é colocada sobre o pênis. É um método de baixo custo e fácil acesso. 
 Método muito eficaz tanto para evitar a gravidez, pois impede a deposição de espermatozóides na vagina, como para prevenção de DSTs, como alguns tipos de hepatites e aids.
 É descartável e deve-se usar somente um por vez.
Camisinha feminina: consiste em uma bolsa cilíndrica de poliuretano fino, transparente e macio. Possui dois anéis flexíveis em cada extremidade. Um deles, fechado, deve ser inserido dentro da vagina e o outro, aberto, deve permanecer do lado de fora protegendo os lábios da vagina e a base do pênis durante o ato sexual. É mais caro que o preservativo masculino.
Dispositivo Intrauterino (DIU)
 Dispositivo de plástico mole e flexível, revestido de cobre ou hormônio, inserido no útero da mulher através da vagina. Essa inserção pode ser feita em qualquer época, mas a ideal é o período menstrual. Precisa da intervenção médica para colocá-lo e retirá-lo
 Método reversível e de boa eficácia mas com complicações e efeitos colaterais: laceração do colo do útero, sangramento anormal, infecção e cólicas fortes
 É contra indicado para mulheres anêmicas, com anomalias na cavidade uterina, câncer genital, portadoras do vírus HIV, alérgicas ao cobre e, também, para mulheres jovens que nunca tiveram uma gestação
DIU de cobre
 É mais utilizado que o DIU de hormônio
 
 Libera sais de cobre no interior do útero que dificultam a locomoção e a sobrevivência dos espermatozóides e que alteram o muco cervical e a cavidade uterina, impedindo a fixação do embrião no útero.
DIU de hormônio
 É mais eficaz e gera menos efeitos colaterais que o DIU de cobre.
- Libera levonorgestrel, um tipo de progesterona sintética, no interior do útero que inibe a ovulação. A concentração de hormônio é bem menor que usada nas pílulas e é liberado apenas no útero. As mulheres que utilizam esse método tem a menstruação diminuída ou até mesmo inexistente durante o uso do DIU. 
É abortivo?
De acordo com a Organização Mundial de Saúde, uma vida só se inicia quando há fixação do embrião no útero. Assim, o DIU agiria impedindo essa fixação e não após dela e, assim, não seria um método abortivo. 
Métodos hormonais
Os métodos anticoncepcionais hormonais são considerados os mais eficazes. 
Ciclo menstrual
 Pílula anticoncepcional
- É a mistura de estrogênio e progesterona sintéticos, que impedem a liberação de FSH. Como consequência, o folículo ovariano não amadurece e a ovulação também não ocorre. Entretanto, a progesterona estimula o espessamento do endométrio e no intervalo entre uma cartela e outra, o nível de progesterona cai provocando a descamação do endométrio e a mulher menstrua. 
- Dentre as vantagens, estão: menstruações regulares e redução do fluxo sanguíneo; Desvantagens: pode causar náuseas, nervosismo e retenção de líquido.
- É contra indicada para mulheres que estão amamentando, pois o estrogênio compromete a qualidade e quantidade de leite materno. 
Minipílula
 É composta somente por progesterona sintética
- É habitualmente prescrito para o período de amamentação ou para mulheres que tenham contra indicações para o uso de estrogênio
Adesivo anticoncepcional
 É um adesivo que é colado na pele e que libera hormônios estrogênio e progesterona sintéticos na circulação sanguínea. São utilizados três adesivos em três semanas consecutivas e na quarta semana a mulher menstrua 
- É extremamente caro, mas não requer que a mulher lembre-se de tomar os comprimidos todos os dias. 
Pílula anticoncepcional do dia seguinte
- Contém altas doses de progesterona e estrogênio e é utilizada após uma relação sexual desprotegida. Não deve ser utilizada de rotina como método anticoncepcional, mas apenas em situações de emergência. 
- Pode ter efeitos colaterais como náuseas e vômitos. 
Métodos cirúrgicos
São métodos que evitam a concepção, mas que levam à esterilidade. Não devem ser praticados na adolescência.
Laqueadura de trompas
 Consiste em seccionar, ou até remover, a tuba uterina(que liga os ovários ao útero). Desta forma, não ocorre o encontro entre os gametas feminino e masculino.
Os eventos hormonais são preservados, o que garante ovulação e menstruação mensais.
Não protege contra DST.
Possível reversão da laqueadura.
Por meio de micro cirurgia,
 parte da tuba uterina que
foi laqueada é retirada e 
as duas partes restantes são 
religadas com agulhas 
e fios extremamente