Economia para ADM

Economia para ADM


DisciplinaFundamentos da Economia17.847 materiais231.277 seguidores
Pré-visualização13 páginas
da Oferta
Q0 = f(P)
Em que:
Q0 = quantidade ofertada de um bem ou serviço, num dado período.
P = preço do bem ou serviço.
Esta relação deve-se ao fato de que, cp, um aumento d0 preço de mercado estimula as empresas a elevar a produção; novas empresas serão atraídas, aumentando a quantidade ofertada do produto.
Prof. Marcia Julião
161
Oferta de mercado
Além do preço do bem, a oferta de um bem ou serviço é afetada pelos custos dos fatores de produção (matérias-primas, salários, preço da terra), por alterações tecnológicas e pelo aumento do número de empresas no mercado.
Ex.: um aumento dos salários ou do custo das matérias-primas, de provocar, cp, uma retração da oferta do produto.
Prof. Marcia Julião
162
Oferta de mercado
A relação entre a oferta e nível de conhecimento tecnológico é diretamente proporcional, dado que melhorias tecnológicas promovem melhorias da produtividade no uso dos fatores de produção e, portanto, aumento da oferta. Da mesma forma, há uma relação direta entre a oferta de um bem ou serviço e o número de empresas ofertantes do produto no setor.
Oferta do bem X = f (preço de X, custos dos fatores de produção, nível de conhecimento tecnológico, número de empresas no mercado).
Prof. Marcia Julião
163
Oferta e quantidade ofertada
Como no caso da demanda, também devemos distinguir entre a oferta e a quantidade ofertada de um bem. A oferta refere-se à escala (ou toda a curva), enquanto a quantidade ofertada diz respeito a um ponto específico da curva de oferta. Um aumento no preço do bem provoca um aumento da quantidade ofertada, cp, (diagrama a).
Ex.: Um aumento no custo das mp\u2019s provoca uma queda na oferta: mantido o mesmo preço P0, cp, as empresas são obrigadas a diminuir a produção (diagrama b).
Prof. Marcia Julião
164
Oferta e quantidade ofertada
Por outro lado, uma diminuição no preço dos insumos, ou uma melhoria tecnológica em sua utilização, ou ainda um aumento no número de empresas no mercado, conduz a um aumento da oferta, dados os mesmos preços praticados, deslocando-se, desse modo, a curva de oferta para a direita. (diagrama c).
Prof. Marcia Julião
165
Alteração da quantidade ofertada e da oferta
Prof. Marcia Julião
166
Equilíbrio de mercado
A lei da oferta e da procura: tendência ao equilíbrio
A interação das curvas de demanda e de oferta determina o preço e a quantidade de equilíbrio de um bem ou serviço em um dado mercado.Veja tabela da oferta e demanda de X.
Prof. Marcia Julião
167
Preço (S)
Quantidade
Procurada
Quantidade Ofertada
Situação de mercado
1,00
11.000
1.000
Excesso de procura (escassezde oferta)
3,00
9.000
3.000
Excesso de procura (escassezde oferta)
6,00
6.000
6.000
Equilíbrio entre oferta e procura
8,00
4.000
8.000
Excesso de oferta ( escassezde procura)
10,00
2.000
10.000
Excesso de oferta ( escassezde procura)
Equilíbrio de mercado
Prof. Marcia Julião
168
Equilíbrio de mercado
Quando há uma competição tanto de consumidores como de ofertantes, há uma tendência natural no mercado para se chegar a uma situação de equilíbrio estacionário \u2013 sem filas e sem estoques indesejados.
Para que isso ocorra, é necessário que não haja interferência nem do governo nem de forças oligopólicas.
Prof. Marcia Julião
169
Deslocamento das curvas de demanda e oferta
Existem vários fatores que podem provocar deslocamento das curvas de oferta e demanda, com evidentes mudanças do ponto de equilíbrio.
Ex.: O mercado de um bem X (um bem normal, não inferior) esteja em equilíbrio. O preço de equilíbrio inicial é P0 e a quantidade, Q0 (ponto A).
Prof. Marcia Julião
170
Deslocamento do pto de equilíbrio
Prof. Marcia Julião
171
Interferência do governo no equilíbrio de mercado
O governo intervém na formação de preços de mercado quando fixa impostos, dá subsídios, estabelece critérios de reajuste de salário mínimo, fixa preços mínimos para produtos agrícolas, decreta tabelamentos ou, ainda, congela preços e salários.
Prof. Marcia Julião
172
Estabelecimento de impostos
Impostos indiretos: incidentes sobre o consumo ou sobre as vendas. (ICMS, IPI)
Impostos diretos: incidentes sobre a renda e o patrimônio: (IR, IPTU).
Os indiretos se dividem em:
Específico: O valor é fixo, independente do valor da unidade vendida.
Ad valorem: É um percentual aplicado sobre o valor da venda. 
Prof. Marcia Julião
173
Estabelecimento de impostos
Um aumento de impostos representa um aumento dos custos de produção para a empresa. Se ela quiser continuar vendendo as mesmas quantidades anteriores, terá de elevar o preço de seu produto \u2013 repassando o imposto para o consumidor; caso contrário terá de reduzir seu volume de produção.
A proporção do imposto pago por produtores e consumidores é a chamada Incidência Tributária, que mostra sobre quem recai efetivamente o ônus do imposto.
Prof. Marcia Julião
174
Estabelecimento de impostos
Conceito jurídico e econômico de incidência:
Do ponto de vista legal: incidência refere-se a quem recolhe os impostos aos cofres públicos.
Do ponto de vista econômico: diz respeito a quem arca com o ônus.
Política preços mínimos em agricultura: Dar garantia ao produtor para protegê-lo de oscilações de preço no mercado.
Tabelamento: intervenção do governo no sistema de preços para segurar a inflação: Plano Bresser, Plano Cruzado e Plano Collor.
Prof. Marcia Julião
175
Conceito de Elasticidade
Sensibilidade de uma variável quando ocorrem alterações em outra. Relação entre as variações do preço e renda.
Elasticidade-preço da demanda: variação percentual na quantidade procurada do bem X em relação a uma variação percentual no seu preço. 
Podemos expressar esse conceito:
EpD = variação percentual em Qd
		 variação percentual em P
Prof. Marcia Julião
176
Conceito de Elasticidade
Exemplo:
P0 = Preço inicial = $ 20,00
P¹ = Preço final = $ 16,00
Q0 = Quantidade demandada ao preço Q0 = 30
Q¹ = Quantidade demandada ao preço Q¹ = 39
A variação percentual do preço é dada por:
	P¹ - P0 = -4 = -0,2 ou -20%
 		 P0 20
Prof. Marcia Julião
177
Variação percentual da quantidade demandada
			Q¹ - Q0 = 9 = 0,3 ou 30%
			 Q0 30
O valor da elasticidade-preço da demanda é dado por:
EpD = variação percentual de Qd = +30% = -1,5 ou EpD = 1,5
	 variação percentual de P -20%
Significa que, dada uma queda de 20% no preço, a quantidade demandada aumenta em 1,5 vez os 20%, ou seja, 30%. Trata-se de um produto cuja demanda tem grande sensibilidade a variações do preço.
Prof. Marcia Julião
178
Demanda elástica
A variação da quantidade demandada supera a variação do preço ou EpD > 1.
Em caso de aumentos de preços, diminui drasticamente o consumo; quando há queda no preço de mercado, aumenta o consumo em uma vez e meia a variação no preço.
Prof. Marcia Julião
179
Demanda inelástica
Ocorre quando uma variação percentual no preço provoca uma variação percentual relativamente menor nas quantidades procuradas. 
				EpD < 1
Nesse caso, uma suposta redução de 10% nos preços provoca um aumento de 5% nas quantidades procuradas. Os consumidores reagem pouco a variações dos preços, i.e., possuem baixa sensibilidade ao que acontece com os preços de mercado.
Prof. Marcia Julião
180
Demanda de elasticidade-preço unitária
As variações percentuais no preço e na quantidade são de mesma magnitude, porém em sentido inverso.
			EpD = -1 ou /EpD/ = 1				
Prof. Marcia Julião
181
Fatores que influenciam o grau de elasticidade-preço da demanda
Bens substitutos: pequenas variações em seu preço farão com que o consumidor adquira um produto substituto.
Essencialidade do bem: demanda pouco sensível á variação de preço \u2013 demanda inelástica
Importância do bem: a elasticidade-preço da demanda de carne tende a ser mais elevada que a de fósforos.
Prof. Marcia Julião
182
Formas de cálculo: Elasticidade num ponto específico ou no ponto médio
Ponto específico: Quando calculamos a elasticidade apenas para um dado preço e quantidade.
Ponto médio: Em vez de utilizar apenas um ponto, consideram-se as médias de preços e de quantidades em um dado trecho da demanda.
Prof. Marcia Julião
183
Relação entre receita total