A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
466 pág.
CODIGO DE PROCESSO I IMPERIO - VOL 1

Pré-visualização | Página 26 de 50

1" da Lei de 3 de Dez em-
bro de 1841.—Idem, art. 2°. 
Independente de fiança será solto o réo, se o accu-
sador não appellar nos três dias seguintes ao da inti-
mação da sentença.— Idem, art. 3° (125 a). 
(126) Vide o Av. n. 478 de 17 de Outubro de 1863, 
cuja doutrina não estradamos, porque deixa de ter im-
portância em face do art 5° do Dec. n. 1696 de 15 de 
Setembro de 1869, abaixo transe ri pio. 
Além dos crimes declarados no art. 101 do Código do 
Processo, não se concederá fiança: 
1.° Aos criminosos de que tratão os arts. 107 e 116 
Ba primeira parte, e 123 e 127 do Código Criminal 
2." Aos que forem pronunciados por dous ou mais 
crimes, cujas penas, posto que a respeito de cada uma 
delias sejão menores que as indicadas no mencionado 
art. 101 do Código do Processo, as igualem ou excedão 
consideradas conjunctamente. 
3." AOS que uma vez quebrarem a fiança. — Art. 38 
da Lei de 3 de Dezembro de 1841. 
Ainda nos lugares em que ha casa de correcção não é 
afiançavel a tentativa ou cumplicidade do crime de roubo: 
1°, porque as fianças se devem regular, não pela tenta-
tiva ou complicidade, senão, conforme o art. 101, pelo 
máximo da pena imposta ao crime, sendo que aliás não 
haveria razão para que também não fossem ai tendidas pelo 
legislador as clrcumstancias attenuantes, afim de regular-se 
(135 a) Veja a nota na pagina antecedente. 
 
126 
Art. 102. A fiança será tomada por 
termo lavrado pelo escrivão do juiz que a 
conceder, e assignado pelo mesmo juiz, 
pelo fiador, afiançado, e por duas teste-
munhas, que subsidiariamente se obri-
guem (127). 
Ar. 103. Este termo será lavrado cm 
livro para esse fim destinado, e rubricado, 
d'onde se ex trai t irá certidão para se ajun- 
a fiança, no caso delias, pelo mínimo do pena ; 2%, 
porque a disposição d* arr. 311 não se refere senão á 
execução, que é local, e não ás fianças e competência, 
cujas regras são geraes.—Av. de 27 de Janeiro de 1855. 
Vide Av. de 3 de Janeiro de 1865 em nota ao art. 38» 8 
2* da Lei de 3 de Dezembro de ifât. 
 Nos casos de tentativa ou complicidade, o art. 101, 
do Código do Processo Criminal só é applicareí quando 
a pena do crime, feito o desconto legal da terça parte 
 se comprehende nas disposições do referido artigo.—Dec 
n. 1696 de 15 de Setembro de 1869, art. 5*.' 
(127) São competentes para concedê-las aos réos que 
pronunciarem ou prenderem os chefes de policia e seusl 
 delegados e subdelegados.—Lei da reforma, art. k°, § 3% 
e art. 5°. 
Concede-as o juiz municipal aos réos que pronunciar 
- ou prender.—Dita lei, art. 17, § 5°. 
As autoridades, quando se lhes requeira fiança, de 
verão" processa-la e concedê-la com a máxima brevidade 
t.-. ■ possível.—Av. de 2 de Janeiro de 1865. 
Vide nota 123. 
127 
tar aos autos. Nelle se declarará que o 
fiador fica obrigado até á ultima sentença 
do tribunal superior a pagar certa quantia 
(que deve ser designada), se o ré*o fôr 
condemnado e fugir antes de ser preso, | ou 
não tiver a esse tempo meios para a 
indemnização da parte e custas (124). 
Art. 104. Aos fiadores serão dados todos 
| os auxílios necessários, para a prisão do 
réo (125). 
(134) No termo da fiança os fiadores se obrigarão, 
além do mais comido no art. 103 do Código do Processo, 
a responderem pelo quebramento das fianças; e os afian-
çados, antes de obterem contramandado ou mandado de 
soltura, assignaruõ termo de comparecimento perante o 
jury, independente de notificação, em todas as subse-
quentes reuniões, até serem julgados afinal, quando não 
consigão dispensa de comparecimento.— Art. 39 da Lei 
de 3 de Dezembro de 1841. 
Vide nota ao art. 110. 
(125) Aos fiadores serão dados os auxílios necessários 
para a prisão do réo, qualquer que seja o estado do seu | 
livramento: 
1.° Se elle quebrar a fiança. 
2.° Se fugir depois de ter sido condemnado.— Art. 4o 
da Lei de 3 de Dezembro. 
Querendo o fiador desistir da fiança, poderá notificar 
o afiançado para apresentar outro que o substitua dentro 
129 
deposito, de que trata o art. 105; ou que sejão 
conhecidamente abonados (127). 
Art. 108. Quando a mulher casada, ou 
Qualquer pessoa que viva sob a administração 
de outrem, necessitar de fiança para se livrar 
solta, poderá obtê-la sobre os bens que 
legitimamente lhe pertencerem, e p marido, 
tutor ou curador ficará Ò obrigados aos 
fiadores até á quantia dos bens do afiançado, 
ainda que não consintào na fiança. 
Art. 109. Para arbitrar-se a quantia da 
fiança calcular-se-ha por dous peritos, no-
meados pelo juiz, o .valor do damoo causado, 
as custas do processo até os últimos julgados, 
e a tudo isto se accrescentará 
(127) Comprehende também este artigo o Aviso citado 
em a nota ultima. 
Ficão supprimidas as palavras—ou que sejão conhecida-
mente abonados—do art. 107 do Código do Processo. 
—Art. Ú6 da Lei de 3 de Dezembro. 
O facto de ser empregado de fazenda não f motivo 
para ser considerado incapaz de ser fiador, uma vez que 
se dem as condições do art. 107 do Código do Processo 
Crimina), combinado com o art. 46 da Lei de 3 de De 
zembro de 1841.— Av. de 30 de Janeiro te 1856. 
c. P. 9 
130 
uma quantia proporcionada á pena, e pos-
sibilidade do criminoso, regulando-se o 
juiz pelas regras abaixo estabelecidas, não 
tendo recurso suspensivo o seu arbítrio 
(128). 
§ 1.° Cada dia de desterro será avaliado 
no valor de cinco até doze tostões; cada dia 
de degredo no de oito a vinte; cada dia de 
prisão no de dez a trinta; j cada dia de 
trabalhos públicos no de vinte a quarenta; 
comtanto que nenhuma destas penas 
exceda a um anno. 
§ 2.° Sendo por mais de um anno, o 
juiz augmentará, de maneira que nem seja 
illusoria para o rico, nem impossível para 
o pobre, o que a lei confia do seu prudente 
arbítrio, e das pessoas que em tal caso 
deve consultar. 
§ 3.° Se qualquer destas penas trouxer 
(128) O recurso deve ser interposto dentro de cinco 
dias. —Dec. de 6 de Maio de 1833, art. i.*— Vide nota 
ao art. 29ú. 
181 
bomsigo suspensão ou perda dos direitos 
civis ou politicos, o juiz porá sobre as 
quantias ácimâ calculadas outra de 
50$000a 100$000. 
Art.- 110. Se o juiz tomar por engano 
(129) uma fiança insuíficiente, ou se o 
fiador no entretanto soffer perdas taes que 
o tornem pouco idóneo e seguro, a fiança 
será reforçada, e para esse fim o juiz 
mandará vir á sua presença o réo, debaixo 
de prisão, se não obedecer logo que se lhe 
intime a ordem. Não reforçando o réo a 
fiança, será recolhido a cadéa. 
(129) Tendo essa presidência respondido a uma con-
sulta, ele., que sempre que um réo lenha prestado fiança, 
por um facto, a que se tiver dado indevida classificação, 
não deve ser obrigado á nova fiança, quando por qual-
quer motivo se instaure, pelo mesmo facto, novo sum-
mario, uma vez que seja idêntica a pena e a mesma a 
natureza do crime, visto como não pôde ser imputável 
ao réo o erro do processo, e no caso apontado niu fora 
ainda tal fiança levantada; cumprindo que, em tal circun-
stancia se junte aos autos a certidão da fiançn, nos ler-
mos do art. 103 do Código do Processo, ou se appense 
o processo em que ella foi prestada, salvo o arbítrio 
concedido no art. 110 do citado Código, se ao juiz pa-
recer que deve ser ella reformada ; houve por bem Sua 
Magestade mandar approvar. —Av, n. 51 de 12 de Fe-
vereiro de 1862. 
Art. 111. De negação ou concessão cie 
fiança polo juiz de direito haverá recurso 
para aa lielaçôes, interposto por uni s o-i 
pjc* requerimento documentado com a 
ccYiidÂo «í;i culpa (ISO). 
Art. 112. Sõ o téo quebrar a fiança, 
perderá metade da quantia afiançada; a 
nxwma pena será repetida a cada rein-
cidência (131). 
(13fl Sobre o recurso tU drcivk» que concede ou de-
■rf»* fiança, e de sen «rWtramínio, vide «oia ao art. S9Â. 
(131) A fiança