CODIGO DE PROCESSO I IMPERIO - VOL 2
429 pág.

CODIGO DE PROCESSO I IMPERIO - VOL 2


DisciplinaCiência Política I37.408 materiais719.640 seguidores
Pré-visualização50 páginas
CODIGO DO PROCESSO 
DO 
IMPERIO DO BRASIL 
II 
 CODIGO DO PROCESSO 
DO 
IMPERIO DO BRASIL 
TODAS Al MAIS LEIS QUE POSTERIORMENTE 
FORÃO PROMULGADAS, E BEM ASSIM TODOS OS DECRETOS 
EXPEDIDOS PELO PODER EXECUTIVO, RELATIVAMENTE 
A'S MESMAS LEIS, TENDO EM NOTAS 
TODOB OS AVISOS QUE ENTENDEM COM A MATERIA 
DO TEXTO E TAMBeM OS ACCORDÃOS DO SUPREMO TRIBUNAL 
E DAS RELAÇÕES DO IMPERIO, QUE EXPLICAÇÃO 
A DOUTRINA DAS DIVERSAS LEIS E REGULAMENTOS 
E ENSINÃO A MELHOR PRATICA, 
POR 
ARAUJO FILGUEIRA JUNIOR 
BACHAREL EM DIREITO 
TOMO II 
 
BIO DE JANEIRO 
Em casa dos Editores-Propríetarios 
EDUARDO & HENRIQUE LAEMMERT 
66, Rua do Ouvidor, 66 
1874 
 
CODIGO 
DO 
Processo Criminal de primeira instancia 
REGULAMENTO N. 120 
de 31 de Janeiro de 1848. 
Regula as partes policial e criminal da Lei n. 261 de 
3 de Dezembro de 1841 (1). 
DISPOSIÇÕES POLICIAS. 
CAPITULO I. Da 
policia em geral. 
Art. l.° A policia administrativa e ju-
diciaria é incumbida, na conformidade das 
leis e regulamentos: 
(i) As infracções dos Regulamentos que o governo or 
ganizar para a execução da Lei de 3 de Dezembro de 1841 
serão punidas, guardado o respectivo processo, com pesa de 
 
2 
1.° Ao ministro e secretario de Estado dos 
negocios da justiça, no exercicio da suprema 
inspecção, que lhe pertence como primeiro 
chefe e centro de toda a administração 
policial do Imperio. 
2.° Aos presidentes das províncias, no 
exercicio da suprema inspecção, que nellas 
têm pela lei do seu Regimento, como seus 
primeiros administradores e encarregados de 
manter a segurança e tranquillidade publica e 
de fazer executar as leis. 
3.° Aos chefes de policia no município da 
corte e nas províncias. 
4.° Aos delegados de policia e subde-
legados nos districtos de sua jurisdicção. 
5.° Aos juizes municipaes nos termos 
respectivos. 
6.° Aos juizes de paz nos seus districtos. 
prisão, que não poderá exceder a tres mezes, e de multa 
até 200$00. 
O mesmo governo especificará nos ditos Regulamentos 
qual a pena que deverá caber a cada uma infracção. \u2014 
Art. 112 da mesma Lei. 
. 
3 
7.° Aos inspectores de quarteirão nos 
seus quarteirões. 
 8.° As camaras municipaes nos seus 
 municípios e aos seus fiscaes. 
 Secção. 
Da policia administrativa. 
Art. 2.° São da competencia da policia 
administrativa geral, além das que se 
achão encarregadas ás camars municipaes 
pelo tit. 3" da Lei do 1.o de Outubro de 
1828 (2): 
1.° As attribuiçõcs comprehendidas no 
art. 12, §§ 1o, 2o e 3o do Codigo do Pro-
cesso. 
2.° A attribuição' de julgar as contra-
venções ás posturas das camaras muni-
cipaes. (Codigo do Processo Criminal, art. 
12, § 7o.) 
(2) Vide notas ao cap. 4o. 
4 
3.* As attribuições mencionadas nos §§ 
3o, 4o, 5o, 6o, 7o e 9o do art. 4o da Lei de 3 
de Dezembro de 1841. 
4,° As attribuições mencionadas no art. 
7o, §§ 1°, 2o, 3o e 4o da mesma lei. 
5.° As attribuições conteddas nos §§ 4o, 
5o, 6o e 14° do art. 5.° da Lei de 15 de 
Outubro de 1827, que a Lei de 3 de De-
zembro de 1841, art. 91, conserva aos 
juizes de paz. 
SECÇÃO II. Da 
polida judiciaria (3). 
Art. 3.° São da competencia da policia 
judiciaria: 
1.º A attribuição de proceder a corpo 
de delicto, comprehendida no § 4° do art. 
12 do Codigo do Processo Criminal. 
2.° A de prender os culpados, com\u2014 
(3) Vide notas ás secções 1* e 5.a do Cap. 1º das Dis-
posições criminaes. 
 
 
5 
prehendida no § 5.º do mesmo artigo, no 
dito Codigo. 
3.° A de conceder mandados de busca. 
4.° A de julgar os crimes, a que não 
esteja imposta pena maior que multa até 
100$000, prisão degredo ou desterro até 
seis mezes com multa correspondente á 
metade desse tempo, ou sem ella, e tres 
mezes de casa da correcção, ou officinas 
publicas, onde as houver. (Codigo do Pro-
cesso Criminal, art. 12, § 7o.) 
CAPITULOII. 
Da organização da policia e seus expediente. 
Art. 4.° No município da côrte, e em 
cada província, haverá um chefe de policia, 
que residirá na capital. 
Art. 5.º No município da côrte e nas 
províncias do Rio de Janeiro, Bahia, Ala-
gôas, Parahyba, Ceará, Maranhão, Per-
nambuco, Minas-Geraes, Pará e S. Paulo, 
6 
os chefes de policia não accummlaráõ ou- 
tras funcções; nas outras, porém, poderáõ 
exercer conjunctamente as de juiz de direito 
da capital, e sua comarca ou termo (4). Art. 
6.° O chefe de policia da côrte terá os 
delegados e subdelegados que o governo, sob 
sua informação, julgar conveniente nomear, 
marcando-lhes districtos, dentro dos quaes 
deverão residir. 
Art. 7/ Os chefes de policia das províncias 
terão um delegado em cada termo, e tantos 
subdelegados quantos os presidentes das 
mesmas províncias, sob sua informação, 
julgarem necessarios. 
Haverá, por via de regra, um subdele 
gado em cada districto de paz, quando fôr 
mui populoso, e tambem se fôr muito ex 
tenso, e houverem nelle pessoas idoneas 
para exercer esse e os outros cargos pu 
blicos. 
(4) Actualmente em todas as províncias ha chefes de 
policia da ordem dos da 1º parte deste artigo. 
7 
Art. 8.° Quando se reunirem dous ou mais 
termos, por via do art. 31 da Lei de 3 de 
Dezembro de 1841, terão um só delegado. 
Art. 9.° Nos termos das grandes cidades, 
Bahia, Recife, etc, poderá haver mais de um 
delegado, marcando o presidente da provinda 
o districto de cada um. 
Art. 10. Na côrte, e nas capitães das 
provincias mencionadas no art. 5.º, haverá 
uma casa privativamente destinada para o 
expediette ordinario da policia. 
Art. 11. Nas outras capitaes, porém, o dito 
expediente se fará naquella em que residir o 
chefe de policia', o qual será obrigado a ter 
relia reservada uma sala, unicamente para 
esse fim, e para guardar os armarios, onde 
estarão depositados os livros e papeis da 
repartição, havendo-se a devida attenção a 
este onus na gratificação que se lhe marcar. 
Art. 12. O expedente da policia da 
8 
côrte, e o numero dos seus empregados, 
continuará pela mesma maneira por que tem 
estado até hoje, emquanto o governo, por um 
regulamento especial, a não alterar (5). 
Art. 13. Os chefes de policia das capitaes 
das províncias especificadas no art. 5o (á 
excepção do da côrte) terão dous 
amanuenses para o seu expediente e es-
cripturação dos negocios a seu cargo. Os das 
outras terão um sómente (6) 
(5) Por Decreto n. 1846 de 16 de Abril te 1856, deu-se 
Regulamento á secretaria da policia da orte. 
O Decreto n. 2618 de 11 de Agosto de 1860 estabe-
lecia os emolumentos que devião paga' os empregados 
das secretarias de policia, nomeados po' portarias de seus 
respectivos chefes. 
Mas Isto hoje é materia regulada pelo Decreto n. 4356 
de 24 de Abril de 1869. 
(6) Diversos decretos organizarão as secretarias da po 
licia das provindas. 
Vide Dec. n. 3275 de 24 d' Maio de 1864, sobre 
fiança dos thesoureiros da polira. 
Ministerio da justiça \u2014 Expelio-se a 31 de Janeiro o 
seguinte Aviso: 
 
Illm. e Exm. Sr. \u2014 Tendo sido presente a S. M. o 
Imperador um requerimento de Joaquim Balbino Cor-
deiro, thesoureiro da policia dessa província, solicitando 
redacção no valor da fian que lhe fóra arbitrada, de 
9 
Art. 14. O expediente das secretarias de 
policia nas províncias será regulado pelos 
Regimentos especiaes que organizarem os 
chefes de policia, e que fôrem approvados 
pelo governo; no emtanto reger-se-ha pelas 
instrucções que derem os ditos chefes com 
approvação provisoria dos presidentes das 
mesmas provindas. 
Art. 15. Em cada uma das secretarias de 
policia das províncias haverá pelo menos os 
seguintes livros: 
conformidade com a tabella annexa