A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
429 pág.
CODIGO DE PROCESSO I IMPERIO - VOL 2

Pré-visualização | Página 36 de 50

juiz «d 
officio, ou a requerimento de parte.—AT. dei de Julho 
de 1852. 
231 
distancia tal que lhes permitta vir e voltar no 
mesmo dia; aliás serão feitas pela mesma 
autoridade que remetteu o processo, 
reenviando-lh'o o juiz municipal com as 
instrucçôes que julgar necessárias, as quaes 
serão por elle lançadas nos autos. 
Art. 293. Decretada.a pronuncia pelo chefe 
de policia ou juiz municipal, e sustentadas por 
este as que decretarem os delegados e 
subdelegados, será lançado] o nome do réo no 
livro para esse fim destinado, o qual será 
numerado e rubricado pelo juiz de direito, 
com termo de abertura e encerramento, e se 
passaráõ as ordens necessárias para a prisão 
dos réos que estiverem soltos, ficando os mes-
mos sujeitos: 
1.° A accusação e ao julgamento. 
2.° A suspensão do exercício dos direitos 
políticos (163). 
(163) Vide notas ao art. 165 do Cod. do Proc 
Somente depois de confirmadas as pronuncias decretada» 
282 
pelos delegados e subdelegados é que as mesmas produ-
zem os seus devidos effeitos.—AT. de IA de Junho de 
1842. 
O funccíonario publico, de qualquer condição que seja, 
ftca, ipso jnre, inhibido de exercer AS funcções do seu 
emprego, logo que, pela pronuncia, está indiciado em-
crime commum, ou de responsabilidade, ou se livre to-
ou preso.—Avs. de 8 de Agosto de 1846 e de 3 de No-
vembro de 1854. E essa suspensão conlinda ainda quando, 
condemnados, appellão, e, absolvidos, ha appellaçáo ear \-
offipio.' Af. de 80 de,Setembro de 1861. Vide também o 
de n. M5 de 23 de Setembro de 1863 e a importante 
consulta a que elle se refere. 
Dos eífeitos da pronuncia não resulta a incapacidade 
para a vida civil; e, pois, 6 pronunciado pede passar pro-
curação, que deve ser aceita, o que se não dá quando o> 
outorgante está sujeito ao regimen penitenciário.—Ord. 
n. 27 de 27 de Janeiro de 1864. 
Ministério dos negócios da fazenda.—Rio de Janeiro, 
15 de Fevereiro de 1869. 
O Visconde de Itaboraby, presidente do tribunal do (be-
souro nacional, tomando conhecimento da matéria do officio 
n. 78 da thesouraria de fazenda das Alagoas, de 19 de 
Novembro do anuo passado, na qual participa ter man-
dado suspender o pagamento que se estava fazendo ao 
procurador do 2* sargento reformado Felizardo António 
Dias, que se acha eondemnado pelo tribunal do jury a 14 
annos de prisão pelo crime de homicídio, em vista de 
representação que lhe dirigira a thesouraria de fazenda. 
Considerando que semelhante decisão, que julgou o dito 
sargento privado de seus direitos civis, pelo facto de haver 
[sido eondemnado, como homicida a 4A annos de prisão, 
foi além do que • direito estabelece, porquanto não existe 
disposição alguma legislativa que imponha aos condem-
nados a penas criminaes a de privação de seus direitos 
civis. 
Considerando que as condejpnações penaes não po-
dem produzir outros effeitos senão aquelles que a lei 
233 
taxativamente declara; e o de que se trata é inadmissível, 
porque não procede de lei, mas da interpretação que. se 
lhe dá. 
Considerando, finalmente, que os indivíduos nas circum-
•stançias indicadas, podendo exercer certos actos da vida 
civil, como, por exemplo, adquirir por qualquer dos modos 
admittidos em direito, deve-se legalmente presumir ca-
pazes de exercer todos, porquanto a capacidade de direito 
é sempre a mesma e única, e desde que é concedida para 
certos actos, não ha razão para que o não seja para 
todos. 
Declara ao Sr. inspector da referida lhesouraria que 
pode o procurador constituído pelo sargento Felizardo An-
tónio Dias receber os soldos a este devidos, ficando re-
formada a decisão em contrario, proferida por essa lhe-
souraria.—Visconde de Jtaborahy. 
Por Av. de 29 de Setembro de 1868, publicado no 
■Diário Official do Io de Outubro, declarou-se que deve 
ser mantida a intelligencia dada pelo Av. de 30 de No-
vembro de 1864 a este art. 293, porquanto diz elle que 
os pronunciados lição sujeitos a suspensão dos direitos po-
líticos, sendo um desses direitos o de participar dè quaes-
quer funeções publicas. 
Os Avs. acima cit. de 27 de Janeiro de 1864 e de 15 
de Fevereiro de 1869, fòrão confirmados pelo de 2 de 
Julho de 1870. 
Rio de Janeiro, 25 de Fevereiro de 1869. 
A 27 de Janeiro ultimo communicou V. Ex. que ha-
vendo-lhe participado o juiz municipal supplente do termo 
de S. Francisco, que o respectivo labellião e escrivão in-
terino, nomeado por acto do antecessor de V. Ex., de 6 
de Agosto do anno passado, entrara e se conservara no 
exercício desses officios, apezar de estar pronunciado pelo 
delegado de policia por crime de tentativa de morte, achan-
do-se sustentada a pronuncia, decidira V. Ex., que, ille-
gal e incompetentemente permanecia aquelle serventuário 
interino no exercício do cargo, mas qué, uma "vez dado o 
facto, devião subsistir todos os actos por elle regularmente 
234 
Art. 294. As testemunhas que tiverem 
deposto no processo de formação da culpa 
ficão obrigadas, por espaço de um anno, a 
communicar á autoridade que formou 
praticados, bem como todos os direitos por estes crea-
dos ou originados, competindo á assembléa geral le-
gislativa revalida-los conforme diversas decisões do go-
verno imperial. Informou também V. Ex. que já es ta vão 
Iniciados os processos contra os responsáveis pelas faltas 
havidas por occasião daquelle incidente, e que immedla-
tamente, não só annulláia o referido acto da presidência 
de 6 de Agosto, mandando que o magistrado competente 
fizesse a nomeação interina, como providenciara de modo 
a serem postos em concurso os mencionados officios. E 
Sua Magestade o Imperador, a quem foi presente a com-
municação de V. Ex., houve por bem approvar o seu pro-
cedimento. 
Deos guarde a V. Ex.— José Martiniano de Alencar. 
—Sr. presidente da província do Ceará. 
Rio de Janeiro em 6 de Novembro de 1871. 
lllm. e Exm. Sr.—Estando pronunciado em crime afian-
çavel o único eleitor que dá a parochia de Santa Cruz, 
nessa provinda, entendeu o juiz de paz, presidente da junta de qualificação de votantes da mesma parochia, que 
não devia convoca-lo para a formação da dita junta, a 
qual organizou-se sem a sua intervenção. Á vista desta occurrencia, e tendo em consideração a 
doutrina do Aviso de 28 de Agosto de 1848, § 1°, resolveu 
o antecessor de V. Ex. annullar os trabalhos da mesma junta, submettendo este acto á approvação do governo im-
perial em seu Officio de 31 de Julho ultimo, sob n. 531. 
O governo imperial approva o acto do antecessor de V. 
Ex., o que lhe communlco em resposta ao referido olficio. 
Deos guarde a V. Ex.—João Alfredo Corria de Oliveira, 
—Sr. presidente da provinda de S. Pedro. 
235 
o mesmo processo, qualquer mudança de sua 
residência, sujeitando-se pela simples 
omissão a todas as penas do não com-
parecimento, em conformidade do art. 53 da 
Lei de 3 de Dezembro de 1841. 
Art. 295. O escrivão que escrever o 
depoimento da testemunha a intimará, logo 
que acabe de depor, para que faça a com-
municação mencionada no artigo antecedente 
debaixo das penas a que se refere, e portará 
por fé esta intimação no fim do mesmo 
depoimento. 
Art. 296. O juiz que houver formado a 
culpa, apenas receber essas communi-cações, 
as transmittirá ao juiz municipal. 
CAPITULO X. 
DM fiança» (164). 
Art. 297. Os chefes de policia, delegados, 
subdelegados e juizes municipaes 
(164) Dispõe o Reg. n. 4824 de 22 de Novembro de 
1871: 
236 
Art. 30. £ instituída a fiança provisória nos mesmos 
casos em que tem lugar a definitiva. Os seus efféilos dura 
ráõ 30 dias e mais tantos quantos forem necessários para 
que o réo possa apresentar-se ao juiz competente afim de 
prestar a fiança definitiva, na razão de quatro léguas 
por dia. 
Art. 31. São competentes para admitir a prestação da 
fiança provisória os juizes de paz, autoridades