Resumo Completo - Aula Fabio Leite
36 pág.

Resumo Completo - Aula Fabio Leite


DisciplinaDireito Constitucional III1.723 materiais12.559 seguidores
Pré-visualização12 páginas
sua inconstitucionalidade. Seriam os limites constitucionais, de fato, limites ao poder do legislador, poder esse que, à época da lei, não foi objeto de abuso, sendo incorreto o questionamento desse poder, exercido plenamente à época.
A lei se presume constitucional, não há algo como presunção de inconstitucionalidade, e afirma o Ministro que haveria tal absurdo (que contraria a presunção de constitucionalidade absoluta das leis) se fosse reconhecida a possibilidade de submeter leis anteriores à CF ao crivo da ADI: ou leis antigas foram revogadas pela constituição atual, sendo claramente incompatíveis com essa, ou presumem-se constitucionais, sendo preservadas, pois a lei em questão passou pela avaliação de dois dos três poderes, não podendo presumir-se inconstitucional, não há algo como presunção de inconstitucionalidade.
Não seria possível identificar leis que flagrantemente são incompatíveis com a nova Constituição, sendo essas revogadas, enquanto outras, menos incompatíveis, seriam inconstitucionais. Tal distinção não é possível, não transporta um problema de intertemporalidade para a inconstitucionalidade.
O ministro insiste que é impossível para o legislador submeter uma lei à constitucionalidade de uma Constituição futura, podendo apenas submetê-la aos limites então vigentes.
O Ministro também resiste à possibilidade do controle de constitucionalidade ex nunc.
O ministro reafirma que a inconstitucionalidade de lei pré-existente à constituição provoca sucessivos absurdos, mas insiste no argumento de que lei que passou corretamente pela avaliação do legislador e do presidente, estando de acordo com a Constituição então vigente, não poderá ser considerada inconstitucional à luz de constituição ulterior, sendo a natureza jurídica de tal incompatibilidade a revogação.
Consigna também que não é, de modo algum, questão de hierarquia de leis.
O pedido seria juridicamente impossível \u2013 poderia submeter uma lei já revogada ao controle de constitucionalidade, hipótese rechaçada pelo Ministro.
A função da ADI seria apenas declarar lei inconstitucional, e não revogar ou reconhecer a revogação de norma.
22/03 \u2013 plano de aula 3.
Art. 102 \u2013 lei distrital materialmente estadual pode ser objeto de ADI.
Ato normativo primário: ato normativo que decorre diretamente da constituição (lei, lei complementar, MP, lei delegada, emenda constitucional, resolução etc.)
Ato normativo secundário: decorre de lei (decreto, portaria etc.)
Somente os atos normativos primários podem ser objeto de ADI.
Por que Emenda Constitucional pode ser inconstitucional?
Porque há limites e condições ao poder constituinte derivado, impostas pela própria Constituição, como limites formais, cláusulas pétreas, garantias constitucionais.
Classificação de José Afonso da Silva (que pega de outro autor..)
Limites temporais, circunstanciais e materiais.
Para a Constituição de 88, revisão constitucional, foi um processo que ocorreu cinco anos após sua promulgação e cujo processo de modificação constitucional era mais simples que a reforma via emenda constitucional.
Nesses cinco anos, porém, não havia limite temporal \u2013 a Constituição poderia ser modificada normalmente.
Não há, na Constituição de 88, limites temporais.
Circunstanciais impedem a reforma constitucional em situações excepcionais. Não se consideram como bons momentos para modificar a CF aqueles nos quais direitos fundamentais estão suspensos: estado de sitio, de defesa, emergência e intervenção federal (Fábio Leite questiona se a intervenção federal tem tal influência).
Art. 60, § 1º estabelece os limites circunstanciais \u2013 art. 34 trata da intervenção, 136 e 137, do estado de defesa e de sítio.
Limites materiais dispõem quais matérias Emenda Constitucional não pode ser tendente a abolir.
Limites materiais implícitos.
- titularidade do poder \u2013 \u2018poder emana do povo\u2019, do que decorre o limite à titularidade do poder constituinte originário (art. 1, § 1º)
- titularidade do poder constituinte derivado (art. 60, § 2º)
- impossibilidade de modificação do processo de emenda (art. 60, § 2º)
O procedimento não pode ser modificado, é um limite material. Uma coisa seria o processo atuar como limite material, em si mesmo. Outra seria respeitar o processo para modificá-lo \u2013 também não é possível, pois seria violação do próprio limite material, nem mesmo para torná-lo mais complexo, mais rígido: poderia violar pressupostos democráticos.
A Emenda Constitucional só deverá ser objeto de ADI quando desrespeitar tais limites (e não por simplesmente contrariar a CF), os demais atos normativos em qualquer momento em que desrespeitem a Constituição.
Lembrando matéria de Constitucional II..
Lei ordinária não pode tratar de matéria de lei complementar, mas o inverso pode ocorrer \u2013 a lei complementar será materialmente ordinária (poderá ser revogada por lei ordinária etc.). As diferenças entre esses dois tipos de norma são quorum e matéria.
Lei delegada será inconstitucional formalmente se, por exemplo, tratar de matéria de lei complementar. Medida provisória também está sujeita aos mesmos limites.
Decreto, normalmente, é implicitamente um ato regulamentar, é ato normativo secundário, que existe para regular ato normativo primário.
Existem decretos cuja edição é autorizada diretamente pela CF, esses são os decretos autônomos, e são atos normativos primários, questionáveis por ADI.
O STF tem admitido que decretos regulamentares que ultrapassem a esfera regulamentar sejam também questionáveis por ADI, por ser decreto inconstitucional.
Toda legislação estadual pode ser objeto de ADI, inclusive as Constituições Estaduais.
Tratado internacional para produzir efeitos internos precisa estar de acordo com a CF, e esse exame é feito por dois órgãos do congresso, e posteriormente, o Presidente, mas pode haver inconstitucionalidade em norma incorporada, como já ocorreu com norma da OIT \u2013 pode ser exercido controle de constitucionalidade, mas não contra o tratado, mas contra a norma que o incorpora.
Voto Sepúlveda:
Cita bobbio, afirmando que podem haver duas maneiras de solução de antinomias, que uma não exclui a outra.
Revogação não excluiria a possibilidade de dada lei ser inconstitucional \u2013 sua relação com a Constituição superveniente ainda seria de inconstitucionalidade.
Seria essa revogação qualificada, pois seria resultante de inconstitucionalidade superveniente.
Seria solução mais prática e protetora da segurança jurídica a admissão da ADI, apesar do ministro admitir que não seja a única solução possível.
Cita e se baseia no direito comparado, jurisprudência italiana, alemã, espanhola e portuguesa, para afirmar que não defende \u2018nenhum absurdo\u2019.
29/03 \u2013 Plano de aula 3
Espécies de atos normativos:
Lei ordinária \u2013 pode ou não ser objeto de ADI? A princípio sim, pois é ato normativo primário. Outro requisito é ser posterior à CF de 88 (Obs. Tem de ser posterior à norma constitucional que está sendo revogada, isto é, se uma EC alterou uma norma, a lei só poderá ser objeto de ADI se for posterior a essa) \u2013 ADI nº 2, entendimento que pode ser alterado. A lei tem de ser posterior à norma que está sendo violada (à Constituição como está em vigor) \u2013 inconstitucionalidade originária, e não superveniente.
Norma revogada também não está sujeita a ADI, pois já foi retirada do ordenamento jurídico.
O STF passou a entender, recentemente, que normas orçamentárias estão sujeitas a ADI, ainda que seja caso concreto, teoricamente não sujeito ao controle abstrato \u2013 pode representar uma mudança de jurisprudência. Até então, STF nem conhecia ADI que tratava de caso concreto.
L. 9868/99, Art. 27 ( STF pode restringir efeitos de declaração de inconstitucionalidade, tornando-os ex nunc, por motivos de segurança jurídica ou excepcional interesse social.
29/03 \u2013 Plano de aula 4
Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC)
O objetivo da ADC, apesar do que sustenta a doutrina, é pôr fim à controvérsia judicial a respeito da constitucionalidade de dada lei (controle difuso).