A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
66 pág.
Plano de Ensino Direito Administrativo - Professor Ricardo Pires Calciolan

Pré-visualização | Página 13 de 19

concessões e permissões
Advento de termo contratual
Encampação	Rescisão pelo interesse público.
Caducidade	rescisão sanção
Falência ou extinção da empresa
Rescisão pelo particular (exceptio)	JUDICIALMENTE
Distrato
Anulação
Art. 37. Considera-se encampação a retomada do serviço pelo poder concedente durante o prazo da concessão, por motivo de interesse público, mediante lei autorizativa específica e após prévio pagamento da indenização, na forma do artigo anterior.
§ 1o A caducidade da concessão poderá ser declarada pelo poder concedente quando:
        I - o serviço estiver sendo prestado de forma inadequada ou deficiente, tendo por base as normas, critérios, indicadores e parâmetros definidores da qualidade do serviço;
        II - a concessionária descumprir cláusulas contratuais ou disposições legais ou regulamentares concernentes à concessão;
        III - a concessionária paralisar o serviço ou concorrer para tanto, ressalvadas as hipóteses decorrentes de caso fortuito ou força maior;
        IV - a concessionária perder as condições econômicas, técnicas ou operacionais para manter a adequada prestação do serviço concedido;
        V - a concessionária não cumprir as penalidades impostas por infrações, nos devidos prazos;
        VI - a concessionária não atender a intimação do poder concedente no sentido de regularizar a prestação do serviço; e
        VII - a concessionária for condenada em sentença transitada em julgado por sonegação de tributos, inclusive contribuições sociais.
        § 2o A declaração da caducidade da concessão deverá ser precedida da verificação da inadimplência da concessionária em processo administrativo, assegurado o direito de ampla defesa.
        § 3o Não será instaurado processo administrativo de inadimplência antes de comunicados à concessionária, detalhadamente, os descumprimentos contratuais referidos no § 1º deste artigo, dando-lhe um prazo para corrigir as falhas e transgressões apontadas e para o enquadramento, nos termos contratuais.
        § 4o Instaurado o processo administrativo e comprovada a inadimplência, a caducidade será declarada por decreto do poder concedente, independentemente de indenização prévia, calculada no decurso do processo.
        § 5o A indenização de que trata o parágrafo anterior, será devida na forma do art. 36 desta Lei e do contrato, descontado o valor das multas contratuais e dos danos causados pela concessionária.
        § 6o Declarada a caducidade, não resultará para o poder concedente qualquer espécie de responsabilidade em relação aos encargos, ônus, obrigações ou compromissos com terceiros ou com empregados da concessionária.
Parcerias Publicos Privadas
Conceito	
São modalidades específicas de contrato de concessão regulamentadas pela lei 11.079/2004 com valores maiores de R$ 20.000.000,00, celebrados por um prazo mínimo de 5 anos até 35 anos, o poder público auxiliara financeiramente.
Modalidades
Concessão patrocinada.
Concessão administrativa
Aula do dia 24/10/2011
4 Responsabilidade subjetiva (continuação)
Omissão culposa
Exemplos pingente e surfista de trem(STF culpa exclusivamente a vítima)
Teoria do Risco administrativo (bens/pessoas sob guarda)
DANO Nuclear: Artigo 21, XXIII, da CF/88
5- Força Maior e Caso Fortuito
Culpa administrativa e responsabilidade pela falta de serviço.
Danos decorrentes da Obra Pública
Só fato da obra ou má execução RESP OBJETIVA
Quem executa a obra 
Artigo 70 da Lei 8666/93.
7	Ação de reparação de danos
	Quem serão réu – RE 327.904 relator Ministro Carlos Brito
Cabe denunciação da lide
	Artigo 70, III do CPC VERSUS	Artigo 37 § 6º da CF/88
8	Ação de regresso
Lei 4619/65 prazo de 60 dias para que se ingresse com as ações que reparem o prejuízo ao erário.
Requisitos
Condenação da administração pública
Culpa ou dolo do agente
OBS
Após a morte do agente
Após a extinção do vínculo
Imprescritível
9	Responsabilidade Civil, Penal e Administrativa do agente.
	Artigo 125 da 8112/90
LEI Nº 8.112, DE 11 DE DEZEMBRO DE 1990 
	
	Dispõe sobre o regime jurídico dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. 
Art. 125.  As sanções civis, penais e administrativas poderão cumular-se, sendo independentes entre si.
Esfera penal
Condenado
Absolvido	Inexistência do fato ou de autoria, ou por outros motivos...
(Regra geral do 125)
Art. 126.  A responsabilidade administrativa do servidor será afastada no caso de absolvição criminal que negue a existência do fato ou sua autoria.
Sumula 18 do STF
STF Súmula nº 18 - 13/12/1963 - Súmula da Jurisprudência Predominante do Supremo Tribunal Federal - Anexo ao Regimento Interno. Edição: Imprensa Nacional, 1964, p. 38.
Falta Residual - Absolvição pelo Juízo Criminal - Punição Administrativa - Servidor Público
    Pela falta residual, não compreendida na absolvição pelo juízo criminal, é admissível a punição administrativa do servidor público
Referências:
- Art. 1.525, CC/1916 - Art. 935, Obrigação de Indenizar - Responsabilidade Civil - Direito das Obrigações - Código Civil - CC - L-010.406-2002
- Art. 200, L-001.711-1952 (Revogada)
Aula do dia 31/10/2011
Servidor Público
Legislação 
Artigos 37, 38, 39, 40 e 41 da CF/88.
Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
I - os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis aos brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em lei, assim como aos estrangeiros, na forma da lei; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
II - a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
III - o prazo de validade do concurso público será de até dois anos, prorrogável uma vez, por igual período;
IV - durante o prazo improrrogável previsto no edital de convocação, aquele aprovado em concurso público de provas ou de provas e títulos será convocado com prioridade sobre novos concursados para assumir cargo ou emprego, na carreira;
V - os cargos em comissão e as funções de confiança serão exercidos, preferencialmente, por servidores ocupantes de cargo de carreira técnica ou profissional, nos casos e condições previstos em lei;
V - as funções de confiança, exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo, e os cargos em comissão, a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos, condições e percentuais mínimos previstos em lei, destinam-se apenas às atribuições de direção, chefia e assessoramento; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação sindical;
VII - o direito de greve será exercido nos termos e nos limites definidos em lei complementar;
VII - o direito de greve será exercido nos termos e nos limites definidos em lei específica; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
VIII - a lei reservará percentual dos cargos e empregos públicos para as pessoas portadoras de deficiência e definirá os critérios de sua admissão;
IX - a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo determinado para atender a necessidade temporária de excepcional interesse público;
X - a revisão geral da remuneração dos servidores públicos, sem distinção de índices entre servidores públicos civis e militares, far-se-á sempre na mesma data;
X - a remuneração dos servidores públicos e o subsídio de que trata o § 4º do art. 39 somente poderão ser fixados ou alterados por lei específica, observada a iniciativa privativa em cada caso,