A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Roteiro para secao filmica

Pré-visualização | Página 1 de 1

ROTEIRO PARA SESSÃO FÍLMICA
DISCIPLINA: METODOLOGIA CIENTÍFICA
CURSO: ENGENHARIA
TURMA: 1º SEM. 2010.1
PROFESSORA MAURÍCIA MACIEL
Filme: O nome da rosa, baseado no romance policial homônimo escrito por Umberto Eco.
Conteúdo: 
1. História Medieval: A hegemonia católica nos campos da educação e da cultura. 
2. Filosofia: Platão / Santo Agostinho; Aristóteles / São Tomás de Aquino.
Síntese do conteúdo:
	A Idade Média é caracterizada pela hegemonia católica nos campos da cultura e da educação. A chamada Patrística se caracterizou pelo filosofar na fé, ou seja, pelo exercício de pensamento de acordo com a mensagem bíblica e a ela submetida. No vértice do pensamento da Patrística está Agostinho de Hipona (Santo Agostinho). Em oposição, a Escolástica procurou valorizar a razão, além da fé, como caminho para a verdade. Na Patrística tinham acesso aos saberes mais elaborados os padres e os jovens de alta corte que pretendessem formação para o alto clero, sempre tendo padres altamente preparados como professores; na Escolástica, leigos podiam ministrar aulas sob a supervisão de autoridades religiosas. (no filme Em nome de Deus, retrata-se a biografia de Abelardo, que viveu entre 1079 e 1142 e atuou como professor casto mantido pelo clero). 
	Tanto Na Patrística quanto na Escolástica o ensino e a cultura estiveram sujeitas aos crivos canônicos, todavia, na Escolástica se deu um maior desenvolvimento das escolas palatinas (ligadas aos palácios) para além das escolas monacais (ligadas a abadias) e episcopais (ligadas a catedrais) 
	Agostinho de Hipona (354 – 430) sistematizou a doutrina cristã com base na filosofia de Platão (427 – 347 aC). São características do pensamento platônico o idealismo e a projeção de uma existência perfeita a ser alcançada (para Platão, o Hiperurânio; para Agostinho, a Cidade de Deus) e que é muito diferente da existência temporal e humana (a imanência, no platonismo; a cidade dos homens, em Agostinho).
	Tomás de Aquino (1221 – 1274) procurou interpretar as verdades cristãs a partir do pensamento de Aristóteles (384 – 322 aC). O aristotelismo se diferencia do platonismo por valorizar eventos sensíveis na elaboração do conhecimento; assim, para Aristóteles, é a partir do que se sente pelas vias sensoriais que se conhece o mundo e se desenvolve o pensamento pelo seu aprimoramento. 
Platão e Aristóteles representam dois paradigmas clássicos do pensamento ocidental. A diferença entre tais paradigmas filosóficos está representada no afresco Escola de Atenas, pintado por Rafael Sanzio em 1511 (anexo).
PROVOCAÇÕES
REALE e ANTISSERI (1990, p. 436 - 437) observam que
[...] Platão já havia compreendido que a plenitude da inteligência, no que se refere às verdades últimas, só podia se realizar através de uma revelação divina, escrevendo o seguinte: “Em se tratando dessas verdades, é impossível deixar de fazer uma destas coisas: aprender dos outros qual é a verdade, descobri-la por si mesmo ou então, se isso for possível, aceitar, dentre os raciocínios humanos, o melhor e menos fácil de refutar e sobre ele, como sobre uma barcaça, enfrentar o risco da travessia do mar da vida”. E havia acrescentado, profeticamente: “A menos que não se possa fazer a viagem de modo mais seguro e com menor risco, sobre uma nave mais sólida, isto é, confiando-se a uma revelação divina”. E, para Agostinho, essa nave é o ignum crucis”, ou seja, Cristo crucificado. Diz ele: Cristo “pretendeu que passássemos através dele”. E mais: “Ninguém pode atravessar o mar do século se não for carregado pela cruz de Cristo”. Nisso consiste precisamente o “filosofar na fé”, ou seja, a “filosofia cristã”: uma mensagem que mudou por mais de um milênio o pensamento ocidental. (com grifos do original) 
Considerando a expressão “cruz de Cristo” como a metáfora da mortificação da carne no pensamento cristão mais tradicional, entende-se que seria pela negação dos prazeres do mundo que se atravessaria os tempos desta Cidade dos Homens. Que personagem do filme melhor se presta a tal defesa? Como o faz?
Os escritos de Platão foram influenciados pelos mistérios órficos (pensamento mítico-religioso embasado nos versos de Orfeu) “[...] alimentando-se mais de fé e crença do que de logos [...] já Aristóteles teve um enorme interesse por quase todas as ciências empíricas [...] e também pelos fenômenos empíricos considerados enquanto tais, ou seja, como fenômenos puros – e, portanto, apaixonou-se pela coleta e classificação de dados empíricos enquanto tais”. (REALE e ANTISSERI, 1990, p. 178) 
O personagem Willian (Guilherme) de Baskerville tende ao gosto pelos estudos e análises empíricas, o que faz dele um lógico de orientação aristotélica. Isso é percebido também em suas convicções religiosas que o colocam em situação difícil perante o Santo Ofício e o torna desafeto do inquisidor Bernardo Güi. Comentários a respeito.
Cite alguns exemplos que caracterizem o conhecimento empírico apresentado no filme.
Quais os métodos de pesquisa utilizados por William de Baskerville para solucionar o mistério das mortes? O racionalismo aplicado por ele poderia ser considerado científico? Por quê? Em quais estudos este monge se baseou?
Além do tipo de conhecimento observado em William de Baskerville, quais outros tipos podem ser observados ao longo do filme?
A ideologia do conhecimento teológico é levada a extremos. Qual personagem mais personifica esse conhecimento?
O período medieval é caracterizado pela supremacia de uma linha de pensamento. Qual linha é essa? Como ela consegue se manter e quais seriam os objetivos de seus seguidores?
Qual a ligação do filme com o conhecimento, a sabedoria e o controle através da religião?
Como o filme pode contribuir para o desenvolvimento de um raciocínio investigativo?
Por que os livros eram proibidos/escondidos? O que continham os livros proibidos que poderia ser ameaçador para a Igreja?
De que maneira o conhecimento pode atuar para a emancipação do pensamento?
O que são palimpsestos? Como a Igreja se aproveitou dessa técnica?
Qual a importância da fé cega? Da privação do prazer? E da obediência? Como podemos relacionar estes itens a partir do filme?
As mortes são o resultado do dogmatismo religioso de um monge. É possível relacionar esse motivo a mortes nos dias atuais?
Há um embate no filme entre Fé X Razão. Como podemos explicar?