Postagem - Dir. Trabalho I - Semana 2
2 pág.

Postagem - Dir. Trabalho I - Semana 2


DisciplinaDireito do Trabalho I36.631 materiais534.869 seguidores
Pré-visualização1 página
Correção pela professora em 06 março 2012 
SEMANA 2 - Edilene Araújo dos Santos \u2013 4º Período - Direito \u2013 Manhã \u2013 Campus Menezes Côrtes 
DIREITO DO TRABALHO
Tema - A identificação da relação de trabalho e da relação de emprego
Aplicação Prática Teórica - CASO CONCRETO 1
(OAB/RJ \u2013 28º EXAME \u2013 NOV.2005) Severino, a partir de 2000, passou a frequentar cultos na Igreja Novo Dia. Verificando a exacerbada fé de Severino, o Sacerdote Rolando o convocou em 03/02/2001 para prestar alguns serviços durante o culto, como ajudante. Dada a dedicação e o carisma de Severino, as funções a ele delegadas foram acumulando-se a ponto de ter que, a partir de 12/08/2001, morar nas dependências da Igreja, recebendo alimentação e vestuário do Pastor, além de R$ 300,00 para demais despesas. Severino trabalhava diariamente, em média, durante dez horas, inclusive nos finais de semana, cuidando de tarefas que variavam da faxina e manutenção da Igreja até os preparativos e execução do culto, como a coleta de doações, contabilizadas pelo próprio Severino. Em 15/06/2004 Severino flagrou o Sacerdote desviando dinheiro da Igreja para enriquecimento pessoal e, ao denunciá-lo ao Bispo foi expulso da Igreja. Daí pergunta-se: 
 
a) Há possibilidade de configuração do vínculo de emprego? 
Resposta: Sim, estão presentes todos os requisitos, (art. 3º CLT) quais sejam: pessoalidade (Severino é pessoa física e ele mesmo prestava o serviço); habitualidade (Severino trabalhava diariamente, em média, durante 10 horas por dia), subordinação (era ajudante do Pastor Rolando, era o pastor que decidia o que ele fazia), onerosidade (recebia alimentação e vestuário do pastor além de trezentos reais para as outras despesas). certa
b) Qual princípio do Direito do Trabalho justificaria tal pedido de vínculo de emprego? 
Resposta: Principio da Primazia da Realidade, o que vale para o Direito do Trabalho é a realidade. Os fatos prevalecem sobre aquilo que foi formalmente pactuado. certa
CASO CONCRETO 2
(OAB/CESPE \u2013 2008.3) - Antônio, policial militar, nos horários de folga, presta serviços de segurança para a empresa Irmãos Gêmeos Ltda. Acreditando ter sido despedido injustamente, promoveu reclamação trabalhista pleiteando valores que supostamente lhe seriam de direito. A empresa arguiu que o contrato de trabalho seria nulo, visto que o estatuto da corporação militar, a que Antônio estava submetido, proíbe o exercício de qualquer outra atividade. Na qualidade de advogado (a) contratado (a) por Antônio, apresente a fundamentação jurídica adequada para afastar a argumentação de nulidade do contrato de trabalho do policial militar na referida empresa de segurança. 
Resposta: Já sedimentada a Súmula 386 do TST declara que presentes os requisitos do art. 3º ( Art. 3º - Considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário) é legítimo o reconhecimento de relação de emprego entre policial militar e empresa privada, independentemente do eventual cabimento de penalidade disciplinar prevista no Estatuto Militar. certa
 
QUESTÕES OBJETIVAS 
1ª) (OAB/PB \u2013 VUNESP \u2013 2003.1) Considera-se empregado toda pessoa física que prestar serviços de natureza não eventual a empregador, sob a dependência deste e mediante salário. Assim sendo, não são empregados: 
a) os autônomos, os eventuais, os avulsos, os estagiários, os profissionais liberais, os domésticos, o pequeno empreiteiro. 
b) os eventuais, os avulsos, os estagiários, os profissionais liberais, os domésticos e o pequeno empreiteiro. 
c) os avulsos, os estagiários, os profissionais liberais, os domésticos, o pequeno empreiteiro. 
d) os autônomos, os eventuais, os avulsos e o pequeno empreiteiro. certa
 
2ª) (OAB/CESPE \u2013 2008.2) Ciro trabalha como taxista para uma empresa que explora o serviço de táxi de um município, sendo o automóvel utilizado em serviço por Ciro de propriedade da mencionada empresa. Em face da situação hipotética apresentada, de acordo com a legislação trabalhista, Ciro é considerado: 
empregado. certa
b) empresário. 
c) trabalhador avulso. 
d) trabalhador autônomo.