A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
05_-_Caracter_sticas_F_sicas_B._H

Pré-visualização | Página 1 de 1

5-1 
CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DE UMA BACIA HIDROGRÁFICA 
 
Área de drenagem, (A): 
Definição: A área de drenagem de uma bacia é a área plana (projeção horizontal) dentro do divisor 
topográfico. A forma superficial está relacionada ao tempo de concentração. 
Tempo de concentração, (tc): 
Definição: É o tempo a partir do início da precipitação, necessário para que toda a bacia contribua na 
seção em estudo. 
Sistema de drenagem, (Rede Potamográfica): 
Definição: É constituído pelo rio principal e seus tributários. O estudo dessas ramificações e do 
desenvolvimento do sistema é de grande importância, pois este indica a maior ou menor velocidade com 
que a água sai de uma bacia hidrográfica. 
Densidade de drenagem, (Dd): 
Definição: É um índice que mostra a eficiência da drenagem da bacia. 
 
A
LDd = ; onde: 
 
L − comprimento total de todos os cursos d’água, 
A − Área plana da bacia. 
 
FORMA DA BACIA 
 
Coeficiente de compacidade, (Kc): 
Definição: É a relação entre o perímetro da bacia e a circunferência de um círculo de área igual à da 
bacia. 
como; 
2RA Π= ; área de um círculo, 
RC Π= 2 ; circunferência, 
Π=
AR ; mas, como 
A
P
A
P
A
P
A
P
R
PKC 545,377,1222
2
=×=Π=
ΠΠ
=Π= , logo, 
A
PKC 28,0= 
 
Obs.: Uma bacia com forma mais alongada tem uma probabilidade menor de ter cheias, pois é, também, 
menor a probabilidade de toda a tormenta precipitar dentro da bacia. 
5-2 
Fator de forma (Kf) 
Definição: É a relação entre a largura média ( )L , obtida quando se divide a área pelo comprimento da 
bacia, e o comprimento do curso d’água mais longo, desde a desembocadura até a cabeceira mais distante 
na bacia ( )L . 
L
AL = ; donde 2L
AK f = 
OBS.: Uma bacia com um fator de forma baixo é menos sujeita a enchentes que outra de mesma área 
porém com maior fator de forma. Isto se deve ao fato de que em uma bacia estreita e longa, com fator de 
forma baixo, há menos possibilidade de ocorrência de chuvas intensas cobrindo simultaneamente toda sua 
extensão; e também, em uma tal bacia a contribuição dos tributários atinge o curso d’água principal em 
vários pontos ao longo do mesmo, afastando-se, portanto, da condição ideal, para cheias, de bacia 
circular. 
 
RELEVO DA BACIA 
 
O relevo de uma bacia hidrográfica tem grande influência sobre os fatores meteorológicos e hidrológicos. 
♦ Velocidade do escoamento superficial ⇒ f (declividade do terreno); 
♦ Temperatura/Precipitação/Evaporação ⇒ f (altitude da bacia). 
Obs.: Deve-se desprezar os trechos extremos se estes apresentarem declividades discrepantemente altas 
(cabeceiras) ou muito baixas (perto da seção de saída). 
 
Declividade de álveo 
Definição: É a razão entre a diferença de altitude de dois pontos e a distância medida pela projeção 
horizontal, entre eles. 
l
hS Δ
Δ= 
 
5-3 
Declividade média da bacia, ( )S 
 
A
a
S
i
n
i
i
∑ ΙΔ
= =1 ω ; onde: 
 
♦ ΙΔ → diferença de altitude padrão entre duas curvas de nível; 
♦ iω → largura entre duas curvas de nível, ao longo do rio; 
♦ ia → área, na bacia, entre duas curvas nível; 
♦ A → área total da bacia; 
 
 
As características do relevo têm grande influência sobre os fatores meteorológicos e hidrológicos, pois é a 
declividade do terreno que influi mais diretamente na velocidade do escoamento superficial. A 
temperatura, a evaporação e a precipitação são funções da altitude da bacia. Aqui devemos recordar que a 
umidade se distribui na atmosfera segundo um gradiente hidráulico. 
 
 
FEIÇÕES FLUVIAIS 
 
Os rios são uma das maiores forças que modelam a paisagem. Próximo às nascentes, a declividade do rio 
é alta. Ele escava seu canal, formando vales em forma de V e profundas gargantas. Quedas-d’água e 
cachoeiras se formam onde o rio deixa atrás rochas resistentes e passa a escoar sobre rochas friáveis, mais 
facilmente erodidas. 
5-4 
Mais a jusante pode formar meandros e a erosão lateral predomina, dando origem a um vale fluvial 
amplo. Por vezes o rio corta o colo de um meandro e forma um lago de meandro abandonado. Os 
sedimentos depositados no fundo do vale pelos rios meandrantes e durante as cheias ajudam a formar a 
planície de inundação. As cheias também podem depositar sedimentos nas margens dos rios, dando 
origem aos diques marginais. 
Quando um rio deságua no mar ou em um lago, deposita grandes quantidades de sedimentos e pode 
formar um delta. Um delta é um conjunto de barras de areia, pântanos e lagoas através dos quais o rio flui 
em diversos canais chamados distributários ⎯ o Delta do Parnaíba, por exemplo. Com freqüência o 
aumento do nível do mar pode invadir a desembocadura do rio e formar um amplo estuário, uma seção 
influenciada pelas marés, onde a água do mar mistura-se com a água doce. 
 
 
GRAN CANYON 
 
O VAPOR “ARABIA” 
 
Em 1856 o navio a vapor ARABIA, que fazia o transporte de passageiros ao longo do rio Missouri, 
chocou-se com um tronco de árvore que flutuava pouco abaixo da superfície, a violencia do impacto 
provocou um enorme buraco no casco da embarcação, que não possuindo compartimentos estanques, 
nafragou em minutos. 
Por sorte, a profundidade do rio não era muito grande e o barco apoiou-se sobre o lodo do fundo, o que 
permitiu que todos fossem evacuados. No dia seguinte, apenas as partes superiores da embarcação eram 
visíveis e em pouco mais de uma semana, o barco desapareceu completamente. 
 
5-5 
 
Começou a correr a estória que muitos dos passageiros voltavam da corrida do ouro na Califórnia que 
haveria uma fortuna a bordo do barco. Muitos tentaram recuperar a carga e os valores deixados a bordo, 
mas, com a tecnologia da época isto não era possível. 
Passados muito anos, um século, e depois de várias tentativas frustadas, em 1987 foi iniciado um projeto 
para encontrar o “Arabia”. Com tecnologia moderna e com maior compreensão do transporte de 
sedimentos pelo rio, foi possível localizar o barco e, eventualmente, retirá-lo. 
O Arabia foi encontrado no meio de um milharal, 800 metros a leste da margem do rio e a uma 
profundidade de 15 metros. O trabalho de retirada da embarcação durou 18 meses. 
Hoje o “Arabia” está aberto para visitação pública, como uma espécie de capsula do tempo, no “Mercado 
Histórico do Rio”, na cidade de Kansas City, onde é possível ver como se vivia naquela época (“frontier 
life”). 
 
 
 
O VAPOR “ARABIA” 
 
O SALVAMENTO 
 
 
Nessa estória, pode-se perceber a enorme quantidade de sedimentos que um rio pode transportar, além da 
capacidade erosiva de uma corrente. O leito do rio Missouri estará sempre em movimento, regido pelas 
cheias naturais e por intervenções antrópicas. 
 
Arabia Steamboat Museum - 400 Grand Blvd - Kansas City, Mo. 64106, USA - (816) 471-1856