Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
Código de Defesa do Consumidor - lei 8.078-90

Pré-visualização | Página 4 de 9

não existirem, pela Associação Brasileira de Normas Técnicas ou outra 
entidade credenciada pelo Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade 
Industrial (Conmetro); 
IX - recusar a venda de bens ou a prestação de serviços, diretamente a quem se disponha a adquiri-los 
mediante pronto pagamento, ressalvados os casos de intermediação regulados em leis especiais; 
(Inciso com redação dada pela Lei nº 8.884, de 11/06/1994) 
X - elevar sem justa causa o preço de produtos ou serviços. (Inciso com redação dada pela Lei nº 
8.884, de 11/06/1994) 
XI - Dispositivo acrescido pela Medida Provisória nº 1.890-67, de 22/10/1999, transformado em 
inciso XIII, em sua conversão na Lei nº 9.870, de 23/11/1999 
XII - deixar de estipular prazo para o cumprimento de sua obrigação ou deixar a fixação de seu termo 
inicial a seu exclusivo critério. (Inciso acrescido pela Lei nº 9.008, de 21/03/1995) 
XIII - aplicar fórmula ou índice de reajuste diverso do legal ou 
contratualmente estabelecido. (Inciso acrescido pela Lei nº 9.870, de 23/11/1999) 
Parágrafo único. Os serviços prestados e os produtos remetidos ou entregues ao consumidor, na 
hipótese prevista no inciso III, equiparam-se às amostras grátis, inexistindo obrigação de pagamento. 
 
Art. 40. O fornecedor de serviço será obrigado a entregar ao consumidor 
orçamento prévio discriminando o valor da mão-de-obra, dos materiais e equipamentos 
a serem empregados, as condições de pagamento, bem como as datas de início e término 
dos serviços. 
 
 
 
 
 11
§ 1º Salvo estipulação em contrário, o valor orçado terá validade pelo prazo 
de dez dias, contado de seu recebimento pelo consumidor. 
§ 2º Uma vez aprovado pelo consumidor, o orçamento obriga os contraentes e somente pode ser 
alterado mediante livre negociação das partes. 
§ 3º O consumidor não responde por quaisquer ônus ou acréscimos 
decorrentes da contratação de serviços de terceiros não previstos no orçamento prévio. 
 
Art. 41. No caso de fornecimento de produtos ou de serviços sujeitos ao 
regime de controle ou de tabelamento de preços, os fornecedores deverão respeitar os 
limites oficiais sob pena de não o fazendo, responderem pela restituição da quantia 
recebida em excesso, monetariamente atualizada, podendo o consumidor exigir à sua 
escolha, o desfazimento do negócio, sem prejuízo de outras sanções cabíveis. 
 
Seção V 
Da Cobrança de Dívidas 
 
Art. 42. Na cobrança de débitos, o consumidor inadimplente não será 
exposto a ridículo, nem será submetido a qualquer tipo de constrangimento ou ameaça. 
Parágrafo único. O consumidor cobrado em quantia indevida tem direito à 
repetição do indébito, por valor igual ao dobro do que pagou em excesso, acrescido de 
correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável. 
 
Seção VI 
Dos Bancos de Dados e Cadastros de Consumidores 
 
Art. 43. O consumidor, sem prejuízo do disposto no art. 86, terá acesso às informações existentes em 
cadastros, fichas, registros e dados pessoais e de consumo arquivados sobre ele, bem como sobre as 
suas respectivas fontes. 
§ 1º Os cadastros e dados de consumidores devem ser objetivos, claros, 
verdadeiros e em linguagem de fácil compreensão, não podendo conter informações 
negativas referentes a período superior a cinco anos. 
§ 2º A abertura de cadastro, ficha, registro e dados pessoais e de consumo 
deverá ser comunicada por escrito ao consumidor, quando não solicitada por ele. 
§ 3º O consumidor, sempre que encontrar inexatidão nos seus dados e 
cadastros, poderá exigir sua imediata correção, devendo o arquivista, no prazo de cinco 
dias úteis, comunicar a alteração aos eventuais destinatários das informações incorretas. 
§ 4º Os bancos de dados e cadastros relativos a consumidores, os serviços de 
proteção ao crédito e congêneres são considerados entidades de caráter público. 
§ 5º Consumada a prescrição relativa à cobrança de débitos do consumidor, 
não serão fornecidas, pelos respectivos Sistemas de Proteção ao Crédito, quaisquer 
informações que possam impedir ou dificultar novo acesso ao crédito junto aos 
fornecedores. 
 
Art. 44. Os órgãos públicos de defesa do consumidor manterão cadastros 
atualizados de reclamações fundamentadas contra fornecedores de produtos e serviços, 
devendo divulgá-lo pública e anualmente. A divulgação indicará se a reclamação foi 
atendida ou não pelo fornecedor. 
 
 
 
 
 12
§ 1º É facultado o acesso às informações lá constantes para orientação e 
consulta por qualquer interessado. 
§ 2º Aplicam-se a este artigo, no que couber, as mesmas regras enunciadas 
no artigo anterior e as do parágrafo único do art. 22 deste código. 
 
Art. 45. (Vetado). 
 
CAPÍTULO VI 
DA PROTEÇÃO CONTRATUAL 
 
Seção I 
Disposições Gerais 
 
Art. 46. Os contratos que regulam as relações de consumo não obrigarão os 
consumidores, se não lhes for dada a oportunidade de tomar conhecimento prévio de seu 
conteúdo, ou se os respectivos instrumentos forem redigidos de modo a dificultar a 
compreensão de seu sentido e alcance. 
 
Art. 47. As cláusulas contratuais serão interpretadas de maneira mais 
favorável ao consumidor. 
 
Art. 48. As declarações de vontade constantes de escritos particulares, 
recibos e pré-contratos relativos às relações de consumo vinculam o fornecedor, 
ensejando inclusive execução específica, nos termos do art. 84 e parágrafos. 
 
Art. 49. O consumidor pode desistir do contrato, no prazo de 7 dias a contar 
de sua assinatura ou do ato de recebimento do produto ou serviço, sempre que a 
contratação de fornecimento de produtos e serviços ocorrer fora do estabelecimento 
comercial, especialmente por telefone ou a domicílio. 
Parágrafo único. Se o consumidor exercitar o direito de arrependimento 
previsto neste artigo, os valores eventualmente pagos, a qualquer título, durante o prazo 
de reflexão, serão devolvidos, de imediato, monetariamente atualizados. 
 
Art. 50. A garantia contratual é complementar à legal e será conferida 
mediante termo escrito. 
Parágrafo único. O termo de garantia ou equivalente deve ser padronizado e 
esclarecer, de maneira adequada em que consiste a mesma garantia, bem como a forma, 
o prazo e o lugar em que pode ser exercitada e os ônus a cargo do consumidor, devendo 
ser-lhe entregue, devidamente preenchido pelo fornecedor, no ato do fornecimento, 
acompanhado de manual de instrução, de instalação e uso do produto em linguagem 
didática, com ilustrações. 
 
Seção II 
Das Cláusulas Abusivas 
 
Art. 51. São nulas de pleno direito, entre outras, as cláusulas contratuais 
relativas ao fornecimento de produtos e serviços que: 
 
 
 
 
 13
I - impossibilitem, exonerem ou atenuem a responsabilidade do fornecedor 
por vícios de qualquer natureza dos produtos e serviços ou impliquem renúncia ou 
disposição de direitos. Nas relações de consumo entre o fornecedor e o consumidor 
pessoa jurídica, a indenização poderá ser limitada, em situações justificáveis; 
II - subtraiam ao consumidor a opção de reembolso da quantia já paga, nos 
casos previstos neste código; 
III - transfiram responsabilidades a terceiros; 
IV - estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem 
o consumidor em desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou a 
eqüidade; 
V - (Vetado); 
VI - estabeleçam inversão do ônus da prova em prejuízo do consumidor; 
VII - determinem a utilização compulsória de arbitragem; 
VIII - imponham representante para concluir ou realizar outro negócio 
jurídico pelo consumidor; 
IX - deixem ao fornecedor a opção de concluir ou não o contrato, embora 
obrigando o consumidor; 
X - permitam ao fornecedor, direta ou indiretamente, variação do preço de 
maneira unilateral; 
XI - autorizem o fornecedor a cancelar o contrato unilateralmente, sem que 
igual direito seja conferido ao consumidor; 
XII - obriguem o consumidor a ressarcir os custos de cobrança de sua 
obrigação, sem que igual direito lhe seja
Página123456789