477138

477138


DisciplinaVirologia Básica170 materiais1.337 seguidores
Pré-visualização2 páginas
o parto:
Desinfecção apropriada do instrumental
Descarte apropriado da placenta e outros elementos
*
*
*
Tratamento Pós-Exposição dos Trabalhadores da Saúde
Pele intada, boca e nariz: lavar imediatamente com água e sabão e enxaguar profusamente para remover todas as partículas potencialmente infectadas. 
Pele cortada ou perfurada: deixa sangrar livremente. 
Olhos: lavar imediatamente com água e, a seguir, irrigar com solução salina durante 30 minutos.
Considerar profilaxia pós-exposição (PPE) se houver alto risco de transmissão:
Tratamento com Zidovudina (ZDV) durante 4 semanas
Iniciar, de preferência dentro de 1-2 horas
Fonte: CDC 1996.
*
*
*
Tratamento Pós-Exposição dos Trabalhadores da Saúde continuação
Exames para o diagnóstico de HIV, imediatamente, 6 semanas, 6 meses e 12 meses apó a exposição
O tratamento, se iniciado, deve continuar durante 4 semanas. A pessoa exposta pode declinar de qualquer uma ou de todas as drogas. 
Frente a exposições de menor importância, a profilaxia não é recomendada.
América do Norte: 890.000
Caribe: 330.000
América Latina: 1.4 milhão
Europa Ocidental: 500.000
Europa Ocidental e Ásia Central: 270.000
África do Norte e Oriente Médio: 210.000
África Sub-Saariana: 22.5 milhões
Ásia Oriental e Pacífico: 560.000
Sul e Sudeste da Ásia: 6.7 milhões
Austrália e Nova Zelândia: 12.000
Tipo de Exposição: Exposições ao sangue, a fluidos que visivelmente contém sangue e outros fluidos potencialmente infectantes (p. ex., semen, líquido amniótico) que penetram por uma efração na pele ou membrana mucosa são as que têm o maior risco. Além disso, a penetração profunda de uma agulha de grosso calibre é de maior risco do que a de uma agulha sólida (como uma agulha de sutura) ou um arranhão superficial.
Quantidade de Sangue: uma gota de sangue tem menor risco do que várias gotas ou um respingo grande ou a exposição durante alguns minutos.
Quantidade de Vírus: Pacientes fonte em estados avançados da doença tem mais possibilidades de transmitir o vírus do que pacientes assintomáticos com contagens elevadas de CD4.
Tratamento Pós-Exposição: Acredita-se que a profilaxia pós-exposição instituida dentro de 24-36 horas é a mais eficiente com base em estudos em animais. Entretanto, o tempo após o qual não há benefícios, em humanos, é desconhecido. Apesar disto, recomenda-se que a profilaxia seja instituida mesmo depois de 36 horas se a exposição foi de alto risco porque o tratamento precoce pode ser beneficioso.
Fonte: Centros para o Controle e Prevenção de Doenças. 1998. Pautas para o Manejo de Exposições de Trabalhadores da Saúde ao HIV e Recomendações para a Profilaxia Pós-Exposição. MMWR: 47(RR-7):1-28.
As camisinhas são feitas com material sintético ou natural. Somente as camisinhas feitas com látex ou vinil comprovadamente protegem contra a transmissão do HIV.
Com o objetivo de proteção durante o trabalho de parto, usar luvas, máscara, óculos ou viseiras faciais, aventais de mangas compridas, aventais frontais de plástico e botas de borracha.
Os Centros para o Controle e Prevenção de Doenças dos EU consideram como de alto risco a exposição do trabalhador da saúde quando o ferimento é profundo, há sangue visível no artefato causador do ferimento, o ferimento é causado por artefato previamente colocado num vaso (veia ou artéria) da cliente ou quando a paciente em questão veio a falecer de AIDS até 60 dias após a exposição.
Antes de iniciar o tratamento com agentes anti-virais, o indivíduo deve ser cientificado de que os conhecimentos atuais sobre a eficácia e a toxicidade deste tratamento e os seus potenciais efeitos colaterais são limitados.