A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
DJi - Multa (s) - Pena Pecuniária - Pena de Multa

Pré-visualização | Página 2 de 6

Tratando-se de pena, a multa não alcança os herdeiros do infrator. CF:
Art. 5º, XLVI, (c); CC-Antigo: arts. 916 a 927 - Art. 409 a Art. 416,
Cláusula Penal - Inadimplemento das Obrigações - Direito das
Obrigações - Código Civil - CC - L-010.406-2002.
Magalhães Noronha, Edgard, Direito Penal, São Paulo, Saraiva, 1º v.,
1983, pp. 291-4.
(Revista Realizada por Suelen Anderson - Acadêmica em Ciências
Jurídicas - 16 de dezembro de 2009)
Culpabilidade
Depósito, Inscrição e
Cobrança das Multas
Trabalhistas
Departamentos
Penitenciários
Desconto em Folha
Desistência
Voluntária e
Arrependimento
Eficaz
Despesas e Multas
Detenção
Deveres dos Presos
Direção e Pessoal
dos Estabelecimentos
Penais
Direito Penal no
Estado Democrático
de Direito
Direito Processual
Penal
Direitos do
Condenado ou
Internado
Disciplina
Dívida Ativa
Doença Mental
Efeitos da
Condenação
Efeitos da
Condenação
Eficácia de Sentença
Estrangeira
Elementares
Erro de Tipo
Espécies de Pena
Estabelecimentos
Penais
Estado de
Necessidade
Estrito Cumprimento
de Dever Legal
Excesso ou Desvio
Execução das
Medidas de
Segurança
Execução das Penas
em Espécie
Pena de Multa
Histórico
Objeto: Evitar-se a prisão por pouco tempo (de pequeno lapso
temporal), Inocuidade, Injustiça social - etc.
Dia Multa - mínimo = 10 dias multa - máximo = 360 dias multa. Base
de 1 a 5 salários mínimos.
Cominação-Critérios - O que considerar ao aplicar-se?
Observa-se as condições econômicas do infrator (situação econômica do
réu) quanto a: 1) condições do crime; 2) tamanho do dano; 3)
reincidência; 4) antecedentes.
Pagamento da Multa: Sentença condenatória (depois do cálculo),
sentença homologatória. Salário mínimo da data do crime (doutrina
dominante), "atualizado monetariamente".
- Prazos: 10 dias a partir da intimação do cálculo devidamente
homologado.
- Isenção: O juiz não pode isentar a multa (porém as custas processuais,
sim).
Parcelamento: Pode parcelar a multa - porém deve ouvir o Ministério
Público.
- Desconto em Folha: Pode descontar em folha: Art. 168 da LEP -
máximo 25% - mínimo 10%
- Doença Mental: Suspende a multa - desempregado, também
suspende.
- Art. 51 do CP - Dívida Ativa - Fazenda Pública - Execução Fiscal
Critério: o CP adotou o critério do dia-multa, revogando todos os
dispositivos que fixavam a pena de multa em valores expressos em
cruzeiros. Dessa forma, a Lei das Contravenções Penais passou a ter
suas multas calculadas de acordo com esse novo critério. As leis que
possuem critérios próprios para a pena de multa, como a Lei de
Imprensa e a Lei de Tóxicos, não foram modificadas pela nova Parte
Geral do Código Penal, que só atingiu as multas com valores expressos
em cruzeiros. Assim, onde se lia "multa de X cruzeiros", leia-se apenas
"multa".
- o valor arrecadado com a multa, sempre que a condenação for
proveniente da Justiça Comum, no Estado de São Paulo, será revertido
em favor do Fundo Penitenciário do Estado de São Paulo - FUNPESP,
vinculado à Secretaria Estadual da Administração Penitenciária, criado
pela Lei estadual n. 9.171, de 31 de maio de 1995, cuja finalidade é a
construção, reforma, ampliação e aprimoramento de estabelecimentos
carcerários, dentre outros aperfeiçoamentos do Sistema Penitenciário.
Como calcular o valor? Superando três etapas:
a) encontrar o número de dias-multa;
b) encontrar o valor de cada dia-multa;
c) multiplicar o número de dias-multa pelo valor de cada um deles.
Como encontrar o número de dias-multa? A lei fixa um limite mínimo de
10 e um máximo de 360 dias-multa. A questão é como situar o número
de dias-multa dentro desses limites.
Existem três posições a esse respeito: são elas:
Execução Fiscal
Execução Penal
Exercício Regular do
Direito
Exigibilidade de
Conduta Diversa
Extraterritorialidade
da Lei Penal
Brasileira
Faltas Disciplinares
Fato Típico
Fazenda Pública
Finalidade da Pena
Pecuniária em Ação
Cominatória
Fiscalização,
Autuação e
Imposição de Multas
Trabalhistas
Fixação da Pena
Fontes do Direito
Penal
Função Ético-Social
do Direito Penal
Hospital de Custódia
e Tratamento
Psiquiátrico
Ilicitude
Imputabilidade
Incidentes de
Execução Penal
Interdição
Temporária de
Direitos
Interpretação da Lei
Penal
Irretroatividade da
Lei Penal
Juízo da Execução
Penal
Legítima Defesa
Leis de Vigência
Temporária
Limitação de Fim de
Semana
Limites de Penas
Livramento
Condicional
Lugar do Crime
a) para a primeira, deve-se levar em conta a capacidade econômica do
condenado: quanto mais rico, maior o número de dias fixado (CP, art.
60);
b) para a segunda, utiliza-se o mesmo critério para a fixação da pena
privativa de liberdade, previsto no art. 68, caput, do Código Penal:
partindo do mínimo, o juiz levará em consideração as circunstâncias
judiciais previstas no art. 59 do Código Penal; em seguida, as agravantes
e atenuantes genéricas; e, numa última fase, fará incidir as causas de
aumento e de diminuição (critério trifásico);
c) para uma terceira, o número de dias-multa é fixado de acordo com a
culpabilidade do agente, mas levando em conta apenas o art. 59, caput,
do Código Penal, que equivaleria à primeira fase de fixação da pena.
Nossa posição: até a entrada em vigor da Lei n. 9.268/96, entendíamos
que a posição mais correta era a segunda (sendo também aceitável a
terceira), uma vez que, em caso de conversão, cada dia-multa
correspondia a um dia de detenção. Nesse caso, se fosse adotada a
primeira posição, o número de dias-multa de um condenado
economicamente mais favorecido seria superior ao de um outro menos
aquinhoado, e, ocorrendo a conversão da multa em detenção, o rico
ficaria mais tempo preso do que o pobre, não porque tivesse cometido
uma infração mais grave, mas apenas por ser mais rico, o que não nos
parece justo. De acordo com a segunda e terceira posições, o número de
dias-multa é dosado de acordo com o grau de culpabilidade de cada
agente, não havendo disparidade na hipótese de uma conversão. Com a
alteração legislativa e a impossibilidade de conversão da multa em pena
privativa de liberdade, acabou o grande argumento para dosar o número
de dias-multa de acordo com a culpabilidade. Assim, atualmente,
entendemos que somente deve existir um critério, tanto para o cálculo do
número de dias-multa quanto para a aferição do seu valor: o fixado pelo
art. 60, caput, do Código Penal, ou seja, principalmente a capacidade
econômica de cada condenado.
- de acordo com a segunda posição, é possível que o número de dias-
multa fique abaixo do limite mínimo, pois a causa de diminuição não se
atém aos limites da pena. Exemplo: um crime tentado em que as
circunstâncias judiciais sejam favoráveis e inexista qualquer agravante
legal. Superadas as duas primeiras fases, o número não pôde ser elevado
além de 10 dias-multa. Na terceira fase, haverá a redução de 1/3 a 2/3,
ficando diminuído o limite mínimo da lei.
Como fixar o valor de cada dia-multa? O valor é fixado com base no
maior salário mínimo vigente ao tempo da infração penal, variando entre o
limite mínimo de 1/30 até 5 salários mínimos.
O juiz situará esse valor dentro dos limites, atendendo à capacidade
econômica do réu, podendo, ainda, aumentar o valor até o triplo, se
entendê-lo insuficiente e ineficaz em face da situação financeira do
acusado.
- note que, enquanto há três posições quanto ao critério para fixar o
número de dias-multa, no que toca ao valor inexiste divergência.
Correção Monetária: como a lei manda tomar por base o valor do salário
mínimo vigente na data do fato (princípio da anterioridade da pena), por
Medida de Segurança
Ministério Público
Multa Contratual
Multa Substitutiva
Multas no Concurso
de Crimes
Nexo Causal
Objeto do Direito
Penal
Objeto e Aplicação
da Lei de Execução
Penal - LEP
Órgãos da Execução
Penal
Pagamento da Multa
Patronato
Penalidade
Penas
Penas Privativas de
Liberdade
Penas Restritivas de
Direitos
Penitenciária
Permissão de Saída
na Pena Privativa de
Liberdade
Potencial Consciência
da