A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
LMA 1

Pré-visualização | Página 1 de 1

Aula 1: A Homeostase e os Hormônios
	
	Ilustração representando um corte sagital (lateral) do encéfalo humano, mostrando a localização do hipotálamo. 
Homeostase é a manutenção do equilíbrio do meio interno por processos fisiológicos normais. Há uma permanente tendência dos organismos de manter a constância do meio interno e esta é realizada pelo sistema nervoso vegetativo e pelo sistema glandular endócrino. O hipotálamo é a região do cérebro responsável pela organização e integração das funções orgânicas que visam à manutenção do equilíbrio.
Nosso aparelho circulatório desempenha um papel vital neste contexto: nutrição, eliminação dos produtos não-utilizados, regulação da temperatura e defesas imunológicas. O aparelho respiratório atua no controle dos níveis de oxigênio e dióxido de carbono; fígado e o pâncreas participam da produção e controle das reservas de energia; os rins regulam a concentração de hidrogênio, sódio, potássio e íons fosfato e as glândulas endócrinas controlam os níveis de hormônios no sangue.
	
	Compreender a importância da homeostase para a sobrevivência do indivíduo, conhecer os principais hormônios hipofisários e suas funções e entender a influência dos hormônios no comportamento.
a. Cérebro; b. Corpo caloso; c. Hipotálamo; d. Hipófise; e. Cerebelo; f. Ponte; g. Bulbo; h. Medula Espinhal
No detalhe, a hipófise mostrando seus dois lobos.
Controle cerebral sobre a produção hormonal - Eixo hipotálamo - hipofisário
O hipotálamo e a hipófise constituem um eixo funcional (estruturas que atuam em conjunto para o desempenho de uma determinada função), em que se observa o controle das funções da hipófise anterior (adeno-hipófise) pelo hipotálamo, através da produção de fatores de liberação de hormônios e a produção, pelo hipotálamo, de hormônios que são armazenados na hipófise posterior (neuro-hipófise).
A hipófise anterior é formada de tecido glandular (daí a denominação “adeno-hipófise”), respondendo aos controladores hipotalâmicos (fatores de liberação), desencadeando a produção de hormônios de acordo com as informações enviadas pelo hipotálamo (ou seja, na realidade, o grande controlador do sistema glandular endócrino é o hipotálamo, através de suas ações sobre a hipófise, tanto sobre a adeno-hipófise quanto sobre a neuro-hipófise). A porção posterior da hipófise é uma região de armazenamento, formada de tecido neural (daí a denominação “neuro-hipófise”), guardando íntima relação com o hipotálamo. Nela se encontram os axônios de neurônios secretores localizados nos núcleos paraventricular e supra-óptico do hipotálamo, cujos somas são responsáveis pela produção de ocitocina e vasopressina (ADH). É interessante notar que essas células, diferentemente da maior parte dos neurônios, não produzem potenciais de ação, e sim hormônios.
Principais hormônios hipofisários 
	
	
	A hipófise anterior secreta seis hormônios importantes: 
- Hormônio do crescimento (GH). 
- Adrenocorticotropina (corticotropina) (ACTH): é o hormônio responsável pela estimulação do córtex (região mais externa) da glândula suprarrenal (glândula situada acima do rim, e que produz cortisol e adrenalina), levando-a a produzir cortisol endógeno (corticosteróides produzidos pelo próprio organismo).
- Hormônio tireoestimulante (tireotropina) (TSH): é o hormônio responsável pela estimulação da tireóide (glândula endócrina relacionada ao metabolismo corporal).
- Prolactina: hormônio responsável pela lactação (produção do leite).
- Hormônio folículo-estimulante (FSH): hormônio que estimula os folículos ovarianos.
- Hormônio luteinizante (LH): hormônio responsável pela formação do corpo lúteo (estrutura originada de um folículo ovariano, e que produz progesterona).
	A hipófise posterior secreta dois hormônios importantes:
- Hormônio antidiurético (vasopressina) (ADH): hormônio relacionado ao controle da pressão arterial através de sua influência sobre a eliminação de água do organismo através da diurese (produção de urina pelo rim).
- Ocitocina: hormônio relacionado à ejeção de leite durante a lactação e às contrações uterinas durante o trabalho de parto. Mais recentemente, foi estudada sua participação nos fenômenos de atração sexual.
Hormônios e comportamento: 
A manutenção de níveis hormonais adequados é fundamental para o correto funcionamento de nosso organismo. Ao longo de nossa disciplina estudaremos com mais detalhes essas relações e a participação efetiva de diversos hormônios em nosso comportamento.
 
Visite o site http://virtualpsy.locaweb.com.br/index.php?art=135&sec=22, leia o artigo “Suprarrenais e emoções” na íntegra e responda as questões de registro de frequência a seguir. 
Prezado aluno, participe do Fórum Integração do grupo. Neste tópico iremos nos apresentar para a turma. Você pode começar, por exemplo, registrando suas expectativas para esta disciplina, suas inquietações e experiências anteriores. Lembre-se ainda que iremos conviver com colegas de diversas regiões do Brasil e indique seu estado ou cidade de origem. 
Participe! Seja muito bem vindo!
 
BEAR MF e Col. Neurociência. Desvendando o sistema nervoso. Porto Alegre: Editora Artmed, 2002.
BRANDÃO, M. Psicofisiologia: as bases fisiológicas do comportamento. 2 ed. São Paulo: Atheneu, 2001.
GUYTON, A.C. Neurociência Básica: anatomia e fisiologia. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1997.
Bibliografia Complementar:
KANDEL E R. Fundamentos de neurociência do comportamento. Editora Guanabara, 2002.
KOLB & WHISHAW. Neurociência do comportamento. São Paulo: Editora Manole, 2002.
LENT, R. Cem Bilhões de neurônios. Rio de Janeiro: Editora Atheneu, 2002.