A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
a07vIn02

Pré-visualização | Página 1 de 5

55HHYYLLVVWWD�D�((OOHHWWUU{Q{QLLFFD�GD�GH�H�&&RQRQWWDDEELLOOLLGDGGDGHH 
&&XXUUVVR�R�GGH�H�&&LLrrQQFFLLDDV�V�&&RQRQWWiiEEHHLLV�V�88))6600 VOLUME I. N.2 DEZ/2004-FEV/2005 
_________________________________________________________________________________________________________ 
MENSURAÇÃO DO CAPITAL INTELECTUAL: UM DESAFIO 
IMPORTANTE PARA A CONTABILIDADE 
 
Cristiane Cervi Bassan1 
Rogério Hauschildt2 
 
RESUMO 
 
Este trabalho apresenta alguns modelos de mensuração do capital 
intelectual. Por meio desses modelos, procurou-se evidenciar suas 
vantagens, limitações e características adequando-se ao atual contexto 
econômico e social. Do mesmo modo buscou-se proporcionar novas 
informações ao sistema de mensuração patrimonial além de uma visão mais 
sistêmica. 
Frente à era do conhecimento, a Ciência Contábil não deixou de buscar 
novas formas de comunicação com seus usuários, necessitando criar 
demonstrações capazes de registrar valores das empresas mais próximos 
da realidade e modelos de mensuração em que sejam evidenciados os 
valores dos bens intangíveis, valiosos e considerados as novas riquezas das 
organizações. 
O trabalho trata ainda da importância do conhecimento das pessoas nas 
organizações, do capital intelectual, seus conceitos e suas considerações 
através do capital humano, estrutural e de clientes. São apresentados 
modelos de mensuração do capital intelectual com suas características 
próprias, finalizando com as considerações da autora sobre os resultados 
obtidos. 
Palavras-chaves: capital intelectual; contabilidade; mensuração. 
 
 
ABSTRACT 
 
This paper presents some models of intellectual capital’s measurement. 
By exemplifying and explaining their working process, and fitting them in the 
 
1
 Especialista em Contabilidade e Controladoria. 
E-mail: criscervi@zipmail.com.br. 
2
 Especialista em Controladoria – UFRGS e Professor Universitário 
E-mail: hauschil@terra.com.br. 
55HHYYLLVVWWD�D�((OOHHWWUU{Q{QLLFFD�GD�GH�H�&&RQRQWWDDEELLOOLLGDGGDGHH 
&&XXUUVVR�R�GGH�H�&&LLrrQQFFLLDDV�V�&&RQRQWWiiEEHHLLV�V�88))6600 VOLUME I. N.2 DEZ/2004-FEV/2005 
_________________________________________________________________________________________________________ 
 
 
 
92 
present economic and social context; their advantages, limitations and 
features will be showed up. Furthermore, this paper attempts to propose new 
information concerning the patrimonial measurement system, such as a 
systemic view about it. 
In this age of knowledge, the science of accounting has not stopped its 
search for new ways of communication with its users, what demands the 
generation of demonstrations able to registers company’s values closer to 
reality and measurement models that present intangible goods’ values, which 
are considered as the new wealth of organizations. 
The paper also deals with the importance of staff’s personal knowledge 
in organizations, such as the intellectual capital, its concepts and 
considerations through human, structural and clients capital. As a final point, 
author’s personal considerations are presented. 
 
KEY WORDS: intellectual capital, accounting, measurement. 
 
 
1 INTRODUÇÃO 
 
Com a existência de novas tecnologias e serviços, as empresas 
necessitam adequar-se a uma nova realidade, onde o conhecimento torna-
se um recurso econômico muito mais essencial do que a matéria-prima, e 
muitas vezes mais do que o capital econômico. Com isso, pode-se observar 
a importância das pessoas nas organizações. 
É comum pensar que seres humanos não devem ser tratados como 
despesa, mas como ativos da empresa, já que essas pessoas produzem o 
pensamento e o raciocínio, e que o conhecimento produzido e adquirido, 
habilidades e motivação dos colaboradores substituem os investimentos em 
modernas máquinas utilizadas na produção. Portanto, conclui-se que o ser 
humano é o maior capital, sendo ele um ser humano que acredita nele 
mesmo, que tem fé e que busca o que quer, tornando-se um diferencial 
competitivo para as empresas. 
 
 
55HHYYLLVVWWD�D�((OOHHWWUU{Q{QLLFFD�GD�GH�H�&&RQRQWWDDEELLOOLLGDGGDGHH 
&&XXUUVVR�R�GGH�H�&&LLrrQQFFLLDDV�V�&&RQRQWWiiEEHHLLV�V�88))6600 VOLUME I. N.2 DEZ/2004-FEV/2005 
_________________________________________________________________________________________________________ 
 
 
 
93 
Assim, este artigo tem o objetivo de demonstrar a importância do capital 
intelectual na Contabilidade, através de sua mensuração pelos modelos 
sugeridos, obtendo informações de extrema importância para as tomadas de 
decisões e gerenciamento nas empresas. 
 
2 O CONHECIMENTO 
 
Conhecimento é poder no mundo tradicional dos negócios. A questão é 
que não se deve reter o conhecimento, e sim difundí-lo, pois quanto mais 
informações são compartilhadas, maior será o retorno. 
Com a era da Informação, o conhecimento passou a ser o elemento 
primordial para o sucesso da organização, e as empresas estão utilizando a 
tecnologia da informação como instrumento gerencial. Com isso, passa a 
existir descentralização de tarefas, uma vez que, com o avanço tecnológico, 
a informação flui com mais rapidez e também cresce a quantidade de 
informações recebidas pelas empresas. 
Paiva (1999, 79) diz que “o conhecimento passou a representar um 
importante diferencial competitivo, para as empresas que sabem adquiri-lo, 
mantê-lo e utilizá-lo de forma eficiente e eficaz. Esse conhecimento passou a 
gerar o Capital Intelectual que, às vezes, é bem mais importante que o 
Capital Econômico”. Desta forma, vemos que hoje, acrescenta-se o 
conhecimento e a inteligência aos recursos naturais, à mão de obra e ao 
capital, agregando valor aos produtos e serviços. Com isso o conhecimento 
assume o papel de principal recurso econômico. 
Para Stewart (1998, 37), “as noções de “economia de conhecimento” e 
“empresa baseada no conhecimento” têm um certo caráter abstrato, mas 
não há nada de abstrato no trabalho do conhecimento. A informação 
provavelmente é a matéria-prima mais importante de que precisamos para 
realizar nosso trabalho”. 
Assim, o conhecimento tornou-se um recurso presente em todas as 
atividades e as empresas vêm investindo cada vez mais nos seus 
funcionários para lhes proporcionar qualidade nos produtos e/ou serviços, 
objetivando o retorno do capital investido e também a aquisição de 
55HHYYLLVVWWD�D�((OOHHWWUU{Q{QLLFFD�GD�GH�H�&&RQRQWWDDEELLOOLLGDGGDGHH 
&&XXUUVVR�R�GGH�H�&&LLrrQQFFLLDDV�V�&&RQRQWWiiEEHHLLV�V�88))6600 VOLUME I. N.2 DEZ/2004-FEV/2005 
_________________________________________________________________________________________________________ 
 
 
 
94 
certificados de qualidade. Ter uma economia baseada em conhecimentos é 
uma grande chance de obter sucesso nessa nova era da informação e é um 
avanço para a história econômica do mundo. 
 
3 CAPITAL INTELECTUAL 
O capital intelectual passou a ser tratado com maior interesse nos meios 
empresariais e acadêmicos a partir do início da década de oitenta, em 
função de diversos estudos desenvolvidos na área. Stewart (1998, p.13), um 
dos grandes especialistas sobre o assunto, afirma que: 
 
capital intelectual é a soma do conhecimento de todos em uma 
empresa, o que lhe proporciona vantagem competitiva. Ao contrário 
dos ativos, com os quais os empresários e contabilistas estão 
familiarizados - propriedade, fábricas, equipamento, dinheiro -, o 
capital intelectual é intangível. Constitui a matéria intelectual: 
conhecimento, informação, propriedade intelectual, experiência, que 
pode ser utilizada para gerar riqueza. 
 
Observa-se que os tempos modernos e o fenômeno da