A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
58 pág.
Apostila - Contabilidade Introdutória II

Pré-visualização | Página 14 de 22

6.404/76, o Plano representa as seguintes contas nesse subgrupo: 
 
Reservas de Capital 
 Ágio na emissão de ações 
 Reserva especial de ágio na incorporação 
 Alienação de partes beneficiárias 
 Alienação de bônus de subscrição 
 Prêmio na Emissão de Debêntures 
 Doações e subvenções para investimentos 
 
Reservas de Reavaliação 
 
 Representam as contrapartidas do valores acrescidos ao ativo permanente ( Exceto os investimentos 
avaliados por equivalência patrimonial), para atingirem o valor de mercado. 
 
Reservas de Lucros 
 
 Reservas de lucros são as contas de reservas constituídas pela apropriação de lucros da companhia, 
conforme também previsto pelo art. 182. 
 
As Contas de Reservas de Lucros 
 
 Tendo em vista seu conceito as definições da própria Lei das Sociedades por Ações, podemos ter as 
seguintes Reservas de Lucros: 
Reserva Legal 
Reservas estatutárias 
Reservas para contingências 
Reservas de lucros a realizar 
Reserva de lucros para expansão 
Reserva especial para dividendo obrigatório não distribuído 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Contabilidade Introdutória II – Material didático 
Universidade Católica de Goiás Professor Paulo Henrique Alves 
Parreira 
35 
BALANÇO PATRIMONIAL 
ATIVO PASSIVO 
CIRCULANTE 
DISPONIBILIDADES 
Caixa e Bancos Conta Corrente 
Aplicações de Liquidez Imediata 
CRÉDITOS 
Clientes 
(-) Duplicatas Descontadas 
(-) Provisão para Devedores Duvidosos 
Adiantamentos a Fornecedores 
Impostos a Compensar 
Investimentos Temporários 
ESTOQUES 
Estoque de Mercadorias para Revenda 
Estoque de Matéria-Prima 
DESPESAS ANTECIPADAS 
Prêmios de Seguros a Apropriar 
OUTROS VALORES E BENS 
Bens Não Destinados a Uso 
REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 
VALORES A RECEBER 
Clientes 
(-) Provisão para Devedores Duvidosos 
Empréstimos a Coligadas e Controladas 
Empréstimos Compulsórios da Eletrobrás 
INVESTIMENTOS TEMPORÁRIOS 
Títulos e Valores Mobiliários 
Participações Não-Permanentes 
DESPESAS ANTECIPADAS 
Prêmios de Seguros a Apropriar 
PERMANENTE 
INVESTIMENTOS 
Participações em Sociedades Controladas 
Obras de Arte 
Imóvel Não de Uso - de Renda 
(-) Depreciações Acumuladas 
IMOBILIZADO 
Terrenos 
Máquinas, Aparelhos e Equipamentos 
Móveis e Utensílios 
Veículos 
Marcas, Direitos e Patentes Industriais 
(-) Depreciações Acumuladas 
(-) Amortizações Acumuladas 
Obras em Andamento 
DIFERIDO 
Pesquisas e Desenvolvimento de Produtos 
Gastos de Reorganização 
(-) Amortizações Acumuladas 
 
CIRCULANTE 
OBRIGAÇÕES DE FUNCIONAMENTO 
Fornecedores 
Obrigações Trabalhistas e Sociais 
Obrigações Tributárias 
Adiantamentos de Clientes 
Dividendos a Pagar 
OBRIGAÇÕES DE FINANCIAMENTOS 
Empréstimos Bancários 
Títulos a Pagar 
EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 
Empréstimos e Financiamentos 
Retenções Contratuais 
Títulos a Pagar 
Provisão para Imposto Renda Diferido 
RESULTADOS EXERCÍCIOS FUTUROS 
Receitas de Exercícios Futuros 
(-) Custos ou Despesas Correspondentes 
PATRIMÔNIO LÍQUIDO 
CAPITAL SOCIAL 
Capital Subscrito 
(-) Capital a Realizar 
RESERVAS DE CAPITAL 
Reservas de Incentivos Fiscais 
Subvenções para Investimentos 
Doações para Investimentos 
RESERVAS DE REAVALIAÇÕES 
Reavaliação de Ativos Próprios 
Reavaliação de Ativos de Controladas 
RESERVAS DE LUCROS 
Reserva Legal 
Reserva Estatutária 
Reserva para Contingências 
Reserva de Lucros a Realizar 
LUCROS OU PREJUÍZOS ACUMULADOS 
Lucros Acumulados 
(-) Prejuízos Acumulados 
 
 
 
 
Contabilidade Introdutória II – Material didático 
Universidade Católica de Goiás Professor Paulo Henrique Alves Parreira 
36 
 
RESUMO DA ESTRUTURA PATRIMONIAL 
BALANÇO PATRIMONIAL 
ATIVO PASSIVO 
1. CIRCULANTE 
Neste grupo são classificados os bens e direitos com previsão ou expectativa de 
realização até o final do exercício social seguinte ao do encerramento do balanço, 
devendo ser, segundo a Lei nº 6.404/76, dividido nos seguintes subgrupos: 
Disponibilidades 
Realizável a Curto Prazo 
Despesas do Exercício Seguinte 
Segundo a NBC-T-3 do CFC, é dividido nos seguintes subgrupos: 
Disponível 
Créditos 
Estoques 
Despesas Antecipadas 
Outros Valores e Bens 
2. REALIZÁVEL A lONGO PRAZO 
Neste grupo são classificados os bens e direitos com previsão ou expectativa de 
realização após o final do exercício social seguinte ao do encerramento do balanço. 
Embora sem uma definição legal sobre divisão, este grupo deve ser dividido nos 
mesmos subgrupos do Ativo Circulante, exceto o Disponível. 
3. permanente 
Neste grupo são classificados os bens de permanência duradoura, destinados ao 
funcionamento normal da empresa, assim como os direitos exercidos com essa 
finalidade, devendo ser, segundo a Lei nº 6.404/76, dividido nos seguintes subgrupos: 
Investimentos 
Imobilizado 
Diferido 
 
1. CIRCULANTE 
Neste grupo são classificadas as obrigações com vencimento ou previsão de exigibilidade 
para até o final do exercício social seguinte ao do encerramento do balanço, devendo ser, 
embora sem uma definição legal, dividido nos seguintes subgrupos: 
Obrigações de Funcionamento 
Obrigações de Financiamentos 
Outras Obrigações e Provisões 
2. exigível a longo prazo 
Neste grupo são classificadas as obrigações com vencimento para após o final do exercício 
social seguinte ao do balanço, sendo, embora sem definição legal, dividido nos seguintes 
subgrupos: 
Obrigações de Funcionamento 
Obrigações de Financiamentos 
Outras Obrigações e Provisões 
3. resultado de exercícios futuros 
Neste grupo são classificadas as receitas já recebidas que efetivamente devem ser 
reconhecidas em resultados nos exercícios futuros, deduzidas dos custos ou despesas 
correspondentes, devendo ser, embora sem uma definição legal, dividido nos seguintes 
subgrupos: 
Receitas Recebidas Antecipadamente 
Custos ou Despesas Correspondentes 
4. PATRIMÔNIO LÍQUIDO 
Neste grupo são classificadas os investimentos e demais recursos dos proprietários no 
patrimônio da empresa, devendo ser, segundo a Lei nº 6.404/76, dividido nos seguintes 
subgrupos: 
Capital Social 
Reservas de Capital 
Reservas de Reavaliação 
Reservas de Lucros 
Lucros ou Prejuízos Acumulados 
Contabilidade Introdutória II – Material didático 
Universidade Católica de Goiás Professor Paulo Henrique Alves Parreira 
37 
 
11. Demonstração do Resultado do Exercício 
 
Conceito 
 
 A demonstração do resultado é a demonstração contábil destinada a evidenciar a composição do resultado formado 
num determinado período de operações da entidade. 
 
 A demonstração do resultado, observado o princípio de competência, evidenciará a formação dos vários níveis de 
resultados mediante confronto entre as receitas e os correspondentes custos e despesas. 
 
 
Conteúdo e Estrutura ( Lei 6.404/76). 
Demonstração do Resultado do Exercício 
Art. 187. A demonstração do resultado do exercício discriminará: 
I - a receita bruta das vendas e serviços, as deduções das vendas, os abatimentos e os impostos; 
II - a receita líquida das vendas e serviços, o custo das mercadorias e serviços vendidos e o lucro bruto; 
III - as despesas com as vendas, as despesas financeiras, deduzidas das receitas, as despesas gerais e 
administrativas, e outras despesas operacionais; 
IV - o lucro ou prejuízo operacional, as receitas e despesas não operacionais; 
V - o resultado do exercício antes do Imposto de Renda e a provisão para o imposto; 
VI - as participações de debêntures, empregados, administradores e partes beneficiárias, e as contribuições para 
instituições ou fundos de assistência ou previdência de empregados; 
VII - o lucro ou prejuízo líquido do exercício e o seu montante por ação do capital social. 
§ 1o Na determinação do resultado do exercício serão