A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1746 pág.
Normas Brasileira de Auditoria Contabil

Pré-visualização | Página 38 de 50

natureza administrativa. Exemplos de tais modifica-
ções incluem: 
(a) apagar ou descartar documentação superada; 
(b) selecionar, conferir e acrescentar referências cruzadas aos 
documentos de trabalho; 
(c) conferir itens das listas de verificação evidenciando ter cum-
prido os passos relativos ao processo de montagem do arquivo; 
(d) documentar evidência de auditoria que o auditor obteve, dis-
cutiu e com a qual concordou junto aos membros relevantes da equipe 
de trabalho antes da data do relatório de auditoria. 
 
A23. A NBC PA 01, item 47, requer que as firmas estabeleçam 
políticas e procedimentos para a retenção da documentação de traba-
lhos. O período de retenção para trabalhos de auditoria geralmente não 
é inferior a cinco anos a contar da data do relatório do auditor ou, se 
posterior, da data do relatório do auditor do grupo (NBC PA 01, item 
A61). 
 
A24. Um exemplo de circunstância em que o auditor pode julgar 
necessário modificar a documentação de auditoria existente ou acres-
centar nova documentação de auditoria após ter sido completada a 
montagem do arquivo é a necessidade de esclarecimento da documen-
tação de auditoria existente em resposta a comentários recebidos du-
rante as inspeções de monitoramento executadas por partes internas ou 
externas. 
 
Apêndice (ver item 1) 
 
Requerimentos específicos de documentação de auditoria em 
outras normas 
 
Este apêndice identifica itens em outras normas de auditoria com 
vigência para auditorias de demonstrações contábeis para períodos 
iniciados em ou após 1º de janeiro de 2010 que contenham requeri-
mentos específicos de documentação. A lista não substitui a conside-
ração das exigências e da aplicação relacionada e de outros materiais 
explicativos nas normas. 
• NBC TA 210, itens 10 a 12; 
• NBC TA 220, itens 24 e 25; 
• NBC TA 240, itens 44 a 47; 
 161
• NBC TA 250, item 29; 
• NBC TA 260, item 23; 
• NBC TA 300, item 12; 
• NBC TA 315, item 32; 
• NBC TA 320, item 14; 
• NBC TA 330, itens 28 a 30; 
• NBC TA 450, item 15; 
• NBC TA 540, item 23; 
• NBC TA 550, item 28; 
• NBC TA 600, item 50; 
• NBC TA 610, item 13. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
(1) Publicada no DOU, de 03-12-2009. 
 162
 
 
RESOLUÇÃO CFC nº 1.207(1) 
de 27 de novembro de 2009 
 
 
Aprova a NBC TA 240 – Responsabilida-
de do Auditor em Relação à Fraude, no 
Contexto da Auditoria de Demonstrações 
Contábeis. 
 
 
O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercí-
cio de suas atribuições legais e regimentais, 
 
CONSIDERANDO o processo de convergência das Normas Bra-
sileiras de Contabilidade aos padrões internacionais; 
 
CONSIDERANDO que o Conselho Federal de Contabilidade é 
membro associado da IFAC – Federação Internacional de Contadores; 
 
CONSIDERANDO a Política de Tradução e Reprodução de 
Normas, emitida pela IFAC em dezembro de 2008; 
 
CONSIDERANDO que a IFAC, como parte do serviço ao inte-
resse público, recomenda que seus membros e associados realizem a 
tradução das suas normas internacionais e demais publicações; 
 
CONSIDERANDO que mediante acordo firmado entre as partes, 
a IFAC autorizou, no Brasil, como tradutores das suas normas e publi-
cações, o Conselho Federal de Contabilidade e o IBRACON – Institu-
to dos Auditores Independentes do Brasil; 
 
CONSIDERANDO que a IFAC, conforme cessão de direitos fir-
mado, outorgou aos órgãos tradutores os direitos de realizar a tradu-
ção, publicação e distribuição das normas internacionais impressas e 
em formato eletrônico, 
 
RESOLVE: 
 163
Art. 1º. Aprovar a NBC TA 240 – “Responsabilidade do Auditor 
em Relação a Fraude, no Contexto da Auditoria de Demonstrações 
Contábeis”, elaborada de acordo com a sua equivalente internacional 
ISA 240. 
 
Art. 2º. Esta Resolução entra em vigor nos exercícios iniciados 
em ou após 1º. de janeiro de 2010. 
 
Art. 3º. Observado o disposto no art. 3º da Resolução CFC nº 
1.203-09, ficam revogadas a partir de 1º. de janeiro de 2010 as dispo-
sições em contrário nos termos do art. 4º da mesma resolução. 
 
Brasília, 27 de novembro de 2009. 
 
Maria Clara Cavalcante Bugarim – Presidente 
 164
NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE 
NBC TA 240 – RESPONSABILIDADE DO AUDITOR EM 
RELAÇÃO À FRAUDE, NO CONTEXTO DA AUDITORIA DE 
DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 
 
Índice Item 
INTRODUÇÃO 
Alcance 1 
Características da fraude 2 – 3 
Responsabilidade pela prevenção e detecção de fraude 4 – 8 
Data de vigência 9 
OBJETIVO 10 
DEFINIÇÕES 11 
REQUISITOS 
Ceticismo profissional 12 – 14 
Discussão entre a equipe de trabalho 15 
Procedimentos de avaliação de riscos e atividades relacionadas 6 – 24 
Identificação e avaliação dos riscos de distorção relevante decorrente 
de fraude 25 – 27 
 
Respostas aos riscos avaliados de distorção relevante decorrente 
de fraude 28 – 33 
Avaliação da evidência de auditoria 34 – 37 
Auditor sem condições de continuar o trabalho 38 
Representações da administração 39 
Comunicações à administração e aos responsáveis pela governança 40 – 42 
Comunicações às autoridades reguladoras e de controle 43 
Documentação 44 – 47 
 
APLICAÇÃO E OUTROS MATERIAIS EXPLICATIVOS 
Características da fraude A1 – A6 
Ceticismo profissional A7 – A9 
Discussão entre a equipe de trabalho A10 – A11 
Procedimentos de avaliação de riscos e atividades relacionadas A12 – A27 
Identificação e avaliação dos riscos de distorção relevante decorrente 
de fraude A28 – A32 
Respostas aos riscos avaliados de distorção relevante decorrente 
de fraude A33 – A48 
Avaliação da evidência de auditoria A49 – A53 
Auditor sem condições de continuar o trabalho A54 – A57 
Representações formais (por escrito) A58 – A59 
Comunicações à administração e aos responsáveis pela governança A60 – A64 
Comunicações às autoridades reguladoras e de controle A65 – A67 
 
Apêndice 1: Exemplos de fatores de risco de fraude 
Apêndice 2: Exemplos de possíveis procedimentos de auditoria para lidar com riscos avalia-
dos de distorção relevante decorrente de fraude 
Apêndice 3: Exemplos de circunstâncias que indicam a possibilidade de fraude 
 
 165
Esta Norma deve ser lida em conjunto com a NBC TA 200 – Ob-
jetivos Gerais do Auditor Independente e a Condução da Auditoria em 
Conformidade com Normas de Auditoria. 
 
Introdução 
 
Alcance 
 
1. Esta Norma trata da responsabilidade do auditor no que se re-
fere à fraude na auditoria de demonstrações contábeis. Especificamen-
te, detalha a forma como a NBC TA 315 – Identificação e Avaliação 
dos Riscos de Distorção Relevante por meio do Entendimento da En-
tidade e de seu Ambiente e a NBC TA 330 – Resposta do Auditor aos 
Riscos Avaliados devem ser aplicadas em relação aos riscos de distor-
ção relevante decorrente de fraude. 
 
Características da fraude 
 
2. As distorções nas demonstrações contábeis podem originar-se 
de fraude ou erro. O fator distintivo entre fraude e erro está no fato de 
ser intencional ou não intencional a ação subjacente que resulta em 
distorção nas demonstrações contábeis. 
 
3. Embora a fraude constitua um conceito jurídico amplo, para 
efeitos das normas de auditoria, o auditor está preocupado com a frau-
de que causa distorção relevante nas demonstrações contábeis. Dois 
tipos de distorções intencionais são pertinentes para o auditor – distor-
ções decorrentes de informações contábeis fraudulentas e da apropria-
ção indébita de ativos. Apesar de o auditor poder suspeitar ou, em 
raros casos, identificar a ocorrência de fraude, ele não estabelece juri-
dicamente se realmente ocorreu fraude (ver itens A1 a A6). 
 
Responsabilidade pela prevenção e detecção da fraude 
 
4. A principal responsabilidade pela prevenção e detecção da 
fraude é dos responsáveis pela governança da entidade e da sua admi-
nistração. É importante que a administração, com