A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Atividade Contextualizada Psicologia da Aprendizagem e da Avaliação

Pré-visualização | Página 1 de 1

Nome: Raquel Madalena Barbosa Barro 
Matricula: 01391891 
 Curso: Psicologia da Aprendizagem e da Avaliação 
 
 
 
1. Apresente formas eficientes de feedback escolar. 
2. Indique e discorra sobre qual o tipo de avaliação que enxerga o erro como construtivo. 
 
1. 
 
 O primeiro tipo é o positivo. Ele depende justamente em indicar o que o colaborador 
fez de melhor. O efeito que ele gera é o desejo (do próprio colaborador, bem como de seus 
colegas) de mostrar o resultado para obter mais reconhecimento no futuro. 
O segundo tipo é o negativo. Ele precisa ser evitado, pois, em geral, causa apenas 
decepção. Afinal, ele simplesmente indica falhas e repreende a equipe. Não gera motivação 
e não fortalece o vínculo do colaborador com a empresa. 
Procurando sempre nos dirigir para essas conversas em documentos oficiais, como 
as diretrizes curriculares, a Base Nacional Comum Curricular ou regimento interno da 
escola. 
 
2. 
Existem muitos discussão em relação ao processo de alfabetização. Isso vai desde 
as políticas educacionais, passando pela formação de professores alfabetizadores, a 
escolha da estratégia, as condições concretas da escola para garantir o direito à leitura e à 
escrita bem como o papel das famílias do longo do processo de escolarização, 
principalmente da alfabetização, dos seus filhos. Apesar dos inúmeros avanços no campo 
da Alfabetização, ainda se vê, hoje em dia, uma série de dúvidas, sobretudo em relação 
aos métodos utilizados no processo alfabetizador. Exemplo disso é o novo texto da Política 
Nacional de Alfabetização Nacional, do Governo Federal, que prioriza o ‘método fônico’ no 
processo de alfabetização. 
A partir dos dados reunidos, afirmamos que o “erro” no processo de aprendizagem e 
desenvolvimento da escrita é de essência importância. Através dele é viável, ao professor, 
entender onde está a necessidade da criança e auxiliar a vencer. Logo, devemos defender 
o direito da criança ao erro como forma de avaliar, e não classificar, o seu processo de 
aprendizagem. 
O ensino é uma ação parcialmente finalizada. Sua pura e simples descrição exige 
que se leve essa característica a sério e que se questione, por conseguinte, como o 
professor estabelece, no final do percurso, que atingiu os objetivos fixados e que meios 
utiliza, durante o percurso, para verificar que as aprendizagens progridem e para "retificar 
a mira”. (PERRENOUD, 1999, p.79). 
Referencias: 
PERRENOUD, 1999, p.79 
 
 
 Raquel Barro 
13/12/2020 14:00 hs

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.