Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
44 pág.
Direito_Administrativo_em_Mocambique

Pré-visualização | Página 10 de 21

rigorosamente, em muitos 
casos, à prossecução do preciso fim assinalado pela lei a cada tipo de poder. 
 
2. Contratos administrativos e sujeições 
 
 A Administração pública celebra tanto contratos de direito privado, submetidos às 
regras do Código Civil, como contratos administrativos. Ora o que caracteriza o contrato 
administrativo é precisamente, além de um conjunto original de prerrogativas, as sujeições “... 
todas inspiradas pela finalidade da actividade administrativa”109. 
 As sujeições aparecem desde o estádio da formação do contrato: a administração não 
dispõe de uma competência discricionária para escolher a seu co-contratante e deve observar a 
este respeito regras bastante estritas110. 
 Além disso, o co-contratante tem direito não só à remuneração prevista no contrato, 
mas ainda ao restabelecimento do equilíbro financeiro do seu contrato (pela revisão do 
contrato111 ou pelo atribuir de uma indemnização), quando este foi fortemente abalado. 
 
b) Sujeições e função pública 
 
 Os particulares escolhem livremente os seus empregados e os seus co-contratantes; a 
administração está sujeita a severas regras para o recrutamento dos agentes públicos (1). Além 
disso, os funcionários têm direito ao desenvolvimento da sua carreira (2) e a indisponibilidade 
da competência (3). 
 
1. Competência regulada na escolha dos funcionários 
 
 A administração não dispõe de um poder discricionário de recrutamento dos seus 
funcionários. Deve respeitar o princípio de igual admissibilidade dos cidadãos aos empregos 
públicos112 e não pode ter em conta o sexo, a religião ou as opiniões políticas dos 
candidatos113. Deve, proceder ao recrutamento por concurso público114. 
 
2. O direito dos funcionários ao desenvolvimento da sua carreira 
 
 O funcionário deve poder contar com o normal desenvolvimento da sua carreira. Em 
particular, o Estatuto dos Funcionários e Agentes do Estado estabelece regras precisas quanto 
à promoção115 e posições dos funcionários (actividade116, comissão de serviço117, 
destacamento118, etc.). 
 
107 Artigo 5 do Decreto n.° 30/2001, de 15 de Outubro. 
108 N.° 2 do Artigo 5 da Lei n.° 14/2009, de 17 de Março. 
109 WEIL P., O Direito Administrativo, op. cit., p. 67. 
110 Vide, sobre todos esses aspectos, o Decreto n.° 54/2005, de 13 de Dezembro. 
111 N.° 1 do Artigo 52 do Decreto n.° 54/2005, de 13 de Dezembro. 
112 Alínea d) do Artigo 36 da Lei n.° 14/2009, de 17 de Março. Princípio geral de igualdade consagrado pelo 
Artigo 35 da Constituição. 
113 N.° 2 do Artigo 6 da Lei n.° 14/2009, de 17 de Março. 
114 N.° 1 do Artigo 34 da Lei n.° 14/2009, de 17 de Março. 
115 N.° 2 do Artigo 34 da Lei n.° 14/2009, de 17 de Março. 
22 
 
 Em qualquer momento, o funcionário encontra o seu lugar numa organização 
complexa, feita de “carreiras”; é promovido nas “classes” integradas nestas na qual occupa 
um “lugar”. A este título tem direito a uma remuneração, isto é, a um “vencimento”119 
prolongado por um pensão de reforma fixados em leis e regulamentos120. 
 
3. A indisponibilidade da competência 
 
A indisponibilidade da competência é um exemplo típico de uma sujeição a qual está 
sujeito o poder público. 
A distribuição dos poderes na Administração Pública é regulada pelo princípio 
segundo o qual as competências são determinadas legalmente e de uma forma rígida. 
A Primeira Secção do Tribunal Administrativo, pelo menos, em dois acórdãos, tive a 
oportunidade de esclarecer este princípio. 
No Acórdão ESMÉLIA SANTOS SINDIQUE, de 31 de Setembro de 1997121, a 
Secção do Contencioso Administrativo concluiu que: “... ela (a competência) vem da norma; 
ela é legal. A competência é definida pelo Direito objectivo. O órgão não pode ter outra 
competência além da que a norma preveja. Não pertence ao próprio órgão fazer seus poderes 
que lhe não sejam atribuídos”. No Acórdão PÉRCIDA VASCO MACHAVA, de 2 de Junho 
de 1998122, a Primeira Secção enfatizou: “É o princípio da prescrição normativa da 
competência, para se referir que, numa ordem constitucional de um Estado de Direito, é 
manifestação de duas ideias mais fundadas: a de limitação do poder público como garantia 
de liberdade das pessoas e a separação e articulação dos órgãos do Estado entre eles e os 
órgãos de quaisquer entidades ou instituições públicas. Nesta acepção, a competência é 
sempre fixada pelo bloco da legalidade e que esta característica se chama a legalidade da 
competência e a sua natureza é de ordem pública. Assim, a competência, não se presume, 
resultando igualmente, que ela é irrenunciável e inalienável e imodificável aquela que tive 
sido acolhida pela lei”. 
Assim, se o exercício da respectiva capacidade jurídica por um particular é sempre 
facultativa; o exercício da competência por uma autoridade administrativa não pode ser 
objecto de renúncia ou de delegação total. Por outras palavras, os órgãos da Administração 
Pública têm apenas “os poderes e autoridade para praticar actos administrativos decorrentes 
das funções e atribuições definadas nos seus estatutos e regulamentos”123. 
 
c) Sujeições e bens públicos 
 
 A indisponibilidade dos bens públicos (1), conjugada à existência de regras 
particularmente estritas no que concerne à aquisição, alienação, cedência e arrendamento de 
bens patrimoniais e imóveis do Estado (2) constituem sujeições típicas do regime 
administrativo. 
 
1. A indisponibilidade dos bens públicos 
 
116 Artigo 28 da Lei n.° 14/2009, de 17 de Março. 
117 Artigo 23 da Lei n.° 14/2009, de 17 de Março. 
118 Artigo 21 da Lei n.° 14/2009, de 17 de Março. 
119 Alínea b) do n.° 1 do Artigo 42 da Lei n.° 14/2009, de 17 de Março. 
120 Alínea s) do n.° 1 do Artigo 42 da Lei n.° 14/2009, de 17 de Março. 
121 TA-S: ESMÉLIA SANTOS SINDIQUE, 31 de Setembro de 1997, Proc. 17/96-1ª, em, CISTAC G., 
Jurisprudência Administrativa de Moçambique, Volume 1, op. cit., p. 352. 
122 TA-S: PÉRCIDA VASCO MACHAVA, 2 de Junho de 1998, Proc. 4/97-1ª, em, CISTAC G., Jurisprudência 
Administrativa de Moçambique, Volume 1, op. cit., p. 429. 
123 Artigo 21 do Decreto n.° 30/2001, de 15 de Outubro. 
23 
 
 
 É através da indisponibilidade, sujeição muitas vezes pesada para a administração, que 
a dominialidade pública se distingue mais da propriedade privada. Salvo prévia desafectação, 
qualquer alienação de uma parcela do domínio público está eivada de nulidade. Além disso, 
se determinadas utilizações do domínio por particulares são livres (por exemplo, circulação 
nas vias públicas), outras estão sujeitas a uma autorização, que é sempre precária e 
revogável124. Mesmo que concedida por um contrato, estaria sempre sujeita à rescisão em 
qualquer altura, porque qualquer contrato que importe uso privativo do domínio público, é, 
por determinação da lei, um contrato administrativo125. 
 
2. As sujeições em matéria de aquisição e alienação de bens patrimoniais e cedência e 
arrendamento de imóveis do Estado 
 
 A aquisição e alienação de bens patrimoniais do Estado realiza-se, regra geral, por 
concurso público126. Do mesmo modo, a cedência e o arrendamento de imóveis do Estado a 
cargo dos seus órgãos e instituições são feitas por concurso público127. 
 
124 Vide, por exemplo, a figuras de “licenças especiais” para o exercício de actividades nas zonas de protecção 
total e parcial, cf., Artigo 9 da Lei n.° 19/97, de 1 de Outubro; Artigo 8 do Decreto n.° 66/98, de 8 de Dezembro. 
125 N.° 2 do Artigo 10 da Lei n.° 5/92: Aprova a Lei Orgânica do Tribunal Administrativo, B.R., 6 de Maio de 
1992, Suplemento, I Série – N.° 19. 
126 Alínea c) do Artigo 60 da Lei n.° 9/2002, de 12 de Fevereiro; artigos 127 e 166 do Decreto n.° 17/2002, de 27 
de Junho. 
127 Artigo 69 do Decreto n.° 17/2002, de 27 de Junho. 
24 
 
 
II – A EXISTÊNCIA DE UMA JUSTIÇA ADMINISTRATIVA
Página1...67891011121314...21